A conversa fiada da Eletrobras

Os deputados e senadores desfiguraram de tal forma o projeto de privatização da estatal que a desgraça toda ficou maior do que já era
-Publicidade-
Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, durante a sessão em que começou a ser discutida a MP da Eletrobrás
Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, durante a sessão em que começou a ser discutida a MP da Eletrobrás | Foto: Reprodução/TV Senado

J.R. Guzzo

(Publicado no jornal O Estado de S. Paulo, em 20 de junho de 2021)

Em nenhum lugar da vida pública do Brasil uma das mais notáveis Leis Gerais da Sabedoria Popular, aquela segundo a qual não existe limite para o pior, se aplica tão bem quanto no Senado Federal e na Câmara dos Deputados. Olhem que não é fácil, num país onde existe, por exemplo, um Supremo Tribunal Federal como este, em que um ministro foi reprovado duas vezes no concurso para juiz de direito e outro foi nomeado porque tomava tubaína com o presidente da República – isso para não falar de prodígios que só as instituições deste país conseguem produzir, como o fato de que o principal candidato da oposição à Presidência da República em 2022 é um homem que foi condenado legalmente como ladrão na Justiça brasileira, por corrupção e lavagem de dinheiro, em três instâncias e por nove juízes diferentes.

-Publicidade-

Mas o Congresso brasileiro é uma história de “superação”, como se diz nos cursos de autoajuda – opera em corrente contínua, sem mudar nunca a direção do fluxo, e em sistema de progressão geométrica. A determinação de prejudicar o interesse público em favor do interesse pessoal dos senadores e deputados é sempre a mesma. Os prejuízos que impõe para a sociedade vão sempre dobrando; hoje tomam dois, amanhã tomam quatro, depois de amanhã tomam oito e por aí segue a vida. Em todas essas ocasiões, é claro, o PT, seus partidos vassalos e a esquerda se juntam, de corpo e alma, com os políticos que apoiam o governo, para aprovar o que querem e rejeitar o que não querem. Eis aí: estão no mesmo bonde, de mãos dadas, Lula e o “genocida”, que nessas horas deixa de ser genocida e passa a ser um grande parça do “campo progressista”.

O último surto é essa contrafação armada na privatização da Eletrobrás – um conto do vigário gigante, em que os políticos arrancaram dos bolsos do público tudo o que quiseram arrancar, e deixaram a população brasileira com um belo relógio suíço fabricado no Paraguai. Essa aberração inventada 59 anos atrás, no delírio de estatização que encantava então o Terceiro Mundo, é uma das responsáveis “master” pelo atraso do Brasil. Não é que ajude o atraso: é o próprio atraso, como todo o Estado brasileiro, pois se dedica 24 horas por dia a servir interesses privados e a desviar para seus bolsos recursos que pertencem ao público. Seus agentes dizem, é claro, que se trata de uma empresa “estratégica”, executora de “políticas energéticas” e dedicada a promover dia e noite o desenvolvimento do Brasil, sobretudo nas áreas “mais pobres”. Conversa fiada, do começo ao fim.

A Eletrobrás, como tantas outras estatais, é um parasita que há seis décadas privatiza para o interesse pessoal, o proveito político e o lucro financeiro dos amigos dos governos, e dos amigos dos amigos, a produção e a distribuição da energia elétrica no Brasil. Faz de conta, como as demais, que é uma empresa “do Estado” e a serviço da população. Na vida real, é propriedade mais do que privada de alguns milhares de espertos que têm algum tipo de influência nos governos federal, estaduais e municipais; dos seus diretores e altos funcionários, com o seu caminhão de benefícios extravagantes; dos políticos que as utilizam como um dos mais notórios cabides de emprego do Brasil; dos fornecedores. É por aí.

Tentava-se mais uma vez agora, como já se tentou no passado, privatizar a Eletrobrás – a única maneira de eliminar suas taras e atender aos interesses da população brasileira, pois ali dentro nenhuma reforma é possível. Mas os deputados e senadores desfiguraram de tal forma o projeto, na defesa dos seus privilégios, que a desgraça toda ficou maior do que já era. Realmente, não há limite para o pior.

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

15 comentários

  1. Esse Pacheco não engana, mas ninguém ao não ser a si próprio. Acha que não estamos vendo a vergonha que continua esse Senado . Só faz teatro mas e mais do mesmo

  2. Afinal privatizaram ou não essa Eletrobrás? Talvez eu esteja com algum problema de deficiência cognitiva e não consegui identificar quais foram as alterações feitas pelo senado e câmara. Resumindo, fiquei na mesma e só li um rosário de lamúrias contra ministros do STF e parlamentares corruptos, em particular do PT e congêneres. E aí seu Guzzo, o que foi modificado em relação ao projeto original enviado pelo governo? É só isso que eu quero saber.

    1. Muito bem colocado.
      Aliás, está fácil e talvez rentável “bater no outro lado” mas, de fato, simples perguntas assim demonstram que há um superficial por sobre uma simples matéria.
      Abordagem estereotipada.
      Esquerda ou direita, parecem assim se assemelhar. Incrível!!!

  3. A responsável número 1 pelo atraso do Brasil é a sua famigerada classe política. Esses desgraçados só legislam em causa própria. Político honesto, por aqui, AINDA NÃO NASCEU. São todos uma súcia de safados e ladrões da pior espécie. Como odeio essa classe!

  4. Distorceram uma privatização necessária em prol dos seus “interésses”

    Como que iremos avançar no combate à corrupção e dos desvios do dinheiro dos contribuintes tendo este Congresso que só olha pro seu bolso e o dos seus conchavos políticos? E com ministros do Supremo agindo como militantes?

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site