Revista Oeste - Eleições 2022

Bandeira brasileira foi barrada em comemoração da seleção feminina

Jogadora foi impedida de levar objeto para cerimônia de premiação, em razão de regulamento oficial da Copa América
-Publicidade-
Jogadoras da seleção brasileira feminina comemoram título da Copa América
Jogadoras da seleção brasileira feminina comemoram título da Copa América | Foto: Staff Images Woman/Conmebol

Em tempos de debate sobre o significado da bandeira nacional na vida do brasileiro, um episódio chamou a atenção do público que acompanhou a conquista da seleção feminina de futebol na Copa América, torneio realizado na Colômbia, com desfecho no último fim de semana.

O Brasil conquistou o título, com a vitória sobre a equipe anfitriã na final, pelo placar de 1 a 0, com gol de Debinha, em cobrança de pênalti.

Depois, durante a cerimônia de premiação, a atacante reserva Giovana foi impedida de se dirigir ao pódio com a bandeira brasileira nas costas. A jogadora foi abordada por um membro credenciado do torneio no trajeto para receber a sua medalha de campeã e entregou o objeto. Não é possível identificar se o oficial em questão trabalha para a Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) ou para a Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

-Publicidade-

A cena incomodou alguns torcedores brasileiros, que usaram as redes sociais para levantar a hipótese de censura. Alguns políticos também externaram contrariedade, como o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) e os ex-ministros Onyx Lorenzoni e Damares Alves.

No entanto, a proibição de bandeiras nacionais durante a cerimônia de premiação consta no regulamento oficial da Copa América feminina.

Segundo o artigo 107 do documento elaborado pela Conmebol, “é obrigatório o uso do uniforme oficial da delegação na cerimônia de premiação. Não será permitida a entrada de atletas na cerimônia com o torso nu, com roupas que façam qualquer alusão comercial, portando bandeiras com alguma inscrição ou com as bandeiras de seus países.”

Bandeira brasileira presente no tetra e no penta

A prática de veto a bandeiras de países é uma novidade em competições internacionais de futebol. A cena, que remete ao patriotismo, faz parte de comemorações de títulos há décadas. Inclusive, os brasileiros usaram a bandeira do país nos festejos em campo nas últimas duas conquistas de Copas, no tetracampeonato mundial em 1994 e também no penta, em 2002.

Com a bandeira brasileira nas costas, Romário recebeu sua medalha de campeão em 1994, nos Estados Unidos. Já em 2002, no Japão, vários atletas usaram o objeto durante os festejos de campo, como o goleiro Marcos e o meio-campista Denílson.

Leia também: Vai ter bandeira, sim, artigo de Ana Paula Henkel na Edição 122 da Revista Oeste.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

22 comentários Ver comentários

  1. O cara eleito na Colômbia é esquerdista e portanto alinhado com o nosso judiciário, ou seja a bandeira brasileira usada pela direita e portanto tem que ser proibida.
    Vale lembrar que 42% dos eleitores da Colômbia não foram votar e então a esquerda assumiu o poder com pouco mais de 30% dos votos totais. Que isso sirva de exemplo para o Brasil

  2. Regulamento um tanto estranho, não. Impedir o uso da bandeira nacional dos países, afinal, elas estavam representando que ente, a CBF?

  3. Bom dia . Peço desculpas para me permitir fazer uma observação no que diz respeito ao termo utilizado para fazer referência à BANDEIRA NACIONAL no texto onde a BANDEIRA é tratada como “””objeto”””, quando a designação deve ser “”BANDEIRA NACIONAL”” . No entanto não deixo de repudiar a proibição, mesmo constando no regulamento, o qual deve ser alterado urgentemente . Patriotismo acima de tudo . Ari

  4. Enquanto nos USA a bandeira norte-americana é hasteada na porta das casas, uma organizaçãozinha de meia tigela, sul-americana, PROÍBE QUE O ATLETA CONDUZA A BANDEIRA DO SEU PAÍS. Ora, não seria o caso de o país não participar de uma organizaçãozinha desse naipe? Será que o DNA sul-americano só funciona para a corrupção, roubalheira e subdesenvolvimento? Isso vai ficar por isso mesmo ou o BRASIL VAI QUESTIONAR OFICIALMENTE ESSE FATO?

  5. Ora, ora, senhores. O mais impressionante nisso é que ninguém consegue identificar o autor do impedimento. Nem mesmo a atleta. Estamos falando de pessoas com inteligencia média ou analfabetas? Como é possível uma atleta ser impedida de conduzir a bandeira do seu país e não resistir a essa proibição?

  6. Ora, ora, senhores. E o pior disso tudo é que o fato acontece, todo mundo vê, mas ninguém sabe identificar a pessoa que impediu a atleta de portar a bandeira; seq

  7. Regulamento criado por algum comunista safado, sem vergonha , bandido que proíbe um atleta campeão ou não de agitar a bandeira do seu país.
    Eu não obedeceria esta ordem ridícula.
    E pau no c.. de quem achar ruim.

  8. Lembro que o futebol sul americano depende do Brasil em 50%. Daí com uma forma de pressão, no calo, este artigo deve ser apagado, extinto da letra do documento da Conmebol.

  9. A Bandeira é o símbolo maior de todo o País, a Bandeira Americana é venerada pelos seus nacionais, grande maioria das casas tem uma bandeira hasteada. Q Bandeira estão querem nos empurrar goela abaixo? Estamos vivendo “Tempos Modernos”, tão bem narrada no filme estrelado por Charles Chaplin.

  10. Podem até barrar a bandeira nacional mais creio que cantaram o hino nacional brasileiro na entrega das medalhas ou em cada partida, isso é suficiente, pois todos são simbolos nacional.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.