Bolsonaro: ‘Fechamento de empresas parte diretamente de quem pratica o lockdown’

Presidente voltou a criticar fechamento total decretado por prefeitos e governadores em várias regiões do país
-Publicidade-
Jair Bolsonaro voltou a criticar 'lockdown' imposto por prefeitos e governadores em várias regiões do país
Jair Bolsonaro voltou a criticar 'lockdown' imposto por prefeitos e governadores em várias regiões do país | Foto: Reprodução/YouTube

O presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar nesta quinta-feira, 25, o lockdown que vem sendo adotado por alguns prefeitos e governadores de várias regiões do país. Ao participar de uma cerimônia para o anúncio de novas medidas de apoio às Santas Casas e aos hospitais filantrópicos, ele lamentou o fechamento total como forma de combate ao coronavírus.

Leia mais: “Bolsonaro se encontra com Lira: ‘Não tem problema nenhum entre nós’”

-Publicidade-

“É o governo mostrando sua sensibilidade, sabendo que o desemprego, o fechamento de empresas parte diretamente de quem pratica o lockdown“, afirmou Bolsonaro, que destacou o pagamento do auxílio emergencial pelo governo federal durante a pandemia de covid-19. “Fazemos e faremos todo o possível para manter os empregos.”

Leia mais: “Governador do Espírito Santo decreta lockdown a partir de domingo”

Ao falar sobre o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte​ (Pronampe), Bolsonaro destacou a preocupação do governo com os setores que mais vêm sofrendo por causa do fechamento das atividades econômicas. “Também tem o nosso Pronampe, que foi idealizado lá atrás pelo senador Jorginho Mello, de Santa Catarina, e que vai atender, entre outras categorias, o pessoal de bares e restaurantes, que tem sofrido muito com decretos estaduais e municipais que tem fechado este comercio”, afirmou.

O presidente também disse que “é na dificuldade que um governo mostra sua força”. “O ano passado foi muito difícil para todos nós. Vida e emprego, essas foram preocupações do nosso governo desde o início da pandemia, quando ela deu os primeiros sinais, em fevereiro do ano passado.”

Leia também: “Guedes não descarta auxílio maior, mas pede venda de empresas públicas”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.