Câmara do RJ vai demitir servidores não vacinados contra a covid-19

Legislativo carioca prevê suspensão e, caso a 'reiteração da conduta' se mantenha, a demissão do funcionário
-Publicidade-
A resolução aprovada pelos membros da Mesa Diretora já está valendo
A resolução aprovada pelos membros da Mesa Diretora já está valendo | Foto: Divulgação/Câmara do Rio de Janeiro

Os funcionários da Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro poderão ser demitidos caso se recusem a tomar a vacina contra a covid-19. A resolução aprovada pelos membros da Mesa Diretora do parlamento carioca começou a valer na quarta-feira 10.

Segundo a determinação, a primeira medida será a suspensão por 30 dias do trabalhador que se recusar a tomar a vacina sem uma justificativa prévia. Caso esse funcionário insista em não se imunizar, ele poderá ser demitido.

-Publicidade-

“A recusa, sem justa causa, em submeter-se à vacinação contra a covid-19 caracteriza falta disciplinar”, apontou um trecho do decreto. “Depois de cumprida a penalidade, a reiteração da conduta de não se submeter à vacinação será considerada insubordinação grave em serviço sancionada com a pena de demissão” informou o documento assinado pelo presidente do legislativo, Carlo Caiado (Dem).

Atualmente, a Câmara de Vereadores tem cerca de 2,1 mil servidores e comissionados. Contudo, para serem demitidos, os servidores precisam antes passar por um processo administrativo. Já os comissionados, podem perder seus postos imediatamente.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários Ver comentários

  1. Não pode ser coincidência esta medida autoritária ser determinada após a visitação à Câmara Municipal do RJ pelos senadores da ex-CPI do Circo, Omar Aziz, Randolfe Rodrigues e Humberto Costa, quando saíram da Casa do Povo carioca com falácias e cheios de autoridades, como se os Estados que eles representam não tivessem nenhum problema na área de saúde.
    Os vereadores da ex-Cidade Maravilhosa deveriam ficar preocupados com a liberação do carnaval em 2022 que poderá repetir a desgraça de 2020.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.