Covid-19: Hemorio estuda tratamento com plasma de vacinados

Pacientes do Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul fazem parte da pesquisa
-Publicidade-
Plasma: estudo do Hemorio utiliza parte líquida do sangue no tratamento da covid-19
Plasma: estudo do Hemorio utiliza parte líquida do sangue no tratamento da covid-19 | Foto: Tasmanian.Kris/Divulgação/Flickr

O Instituto de Hematologia Arthur de Siqueira Cavalcanti (Hemorio) começa nesta semana a coleta de plasma (parte líquida do sangue) de doadores que tenham recebido as duas doses de vacina contra a covid-19, há pelo menos 14 dias, para um estudo inédito, que vai testar uma nova opção de tratamento contra o novo coronavírus.

A Immuneshar é a primeira pesquisa multicêntrica do país a utilizar o plasma de pessoas que tenham completado o esquema vacinal para tratar pacientes no estágio inicial da doença. O material será administrado em 380 pacientes com mais de 40 anos, atendidos nas redes de saúde públicas do Rio de Janeiro e do Rio Grande do Sul.

-Publicidade-

Estima-se que o estudo deva ser concluído em até três meses, informou a Agência Brasil, nesta segunda-feira, 24. Para o diretor do Hemorio, Luiz Amorim, caso os resultados do tratamento com plasma sejam positivos, ele poderá ser utilizado em um maior número de pessoas. Mais de 300 pessoas fizeram transfusão com plasma doado no Hemorio, desde o início da pandemia. Dados preliminares apontam  a eficácia da técnica, com neutralização do vírus, em pacientes em estágios iniciais de infecção.

Leia também: “Dimas Covas: burocracia da Anvisa dificulta aprovação de soro contra covid-19”

Sobre o estudo

O projeto, que utiliza o plasma convalescente, também conhecido como plasma hiperimune, tem financiamento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações. A técnica foi empregada na epidemia da gripe espanhola, em 1918.

De acordo com os pesquisadores, essa pode ser uma nova esperança de tratamento da covid-19, principalmente nos casos leves e moderados. Acreditam os estudiosos que o tratamento com o plasma pode reduzir as taxas de internação, já que a vacina produz um tipo específico de anticorpo que, na teoria, é mais eficiente no combate ao novo coronavírus.

A pesquisa vai ser realizada em conjunto com as universidades Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e Universidade Feevale (RS), além do Hospital Virvi Ramos (RS) e da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro (SES-RJ), à qual o Hemorio é vinculado, e da Secretaria Municipal de Saúde de Caxias do Sul.

Leia também: “Butantan prepara fábrica para produzir soro e transformar imunizante líquido em pó”

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site