Covid-19: Janaina Paschoal pede que secretário da Saúde explique gasto de R$ 572,5 milhões

Ministério da Saúde informa que foram repassados a São Paulo, em 2020, R$ 921,7 milhões, dos quais apenas R$ 349,2 milhões foram efetivamente utilizados
-Publicidade-
A deputada Janaina Paschoal cobra explicações do governo de São Paulo sobre gastos com leitos de UTI
A deputada Janaina Paschoal cobra explicações do governo de São Paulo sobre gastos com leitos de UTI | Foto: Divulgação/Alesp

A deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP) protocolou na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) um requerimento em que pede explicações do secretário da Saúde do governo paulista, Jean Gorinchteyn, sobre o gasto de R$ 572,5 milhões destinados pelo governo federal para o financiamento de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no Estado.

Leia mais: “Bolsonaro anuncia habilitação de 2,7 mil leitos de UTI em 22 Estados”

-Publicidade-

Segundo Janaina, o Ministério da Saúde informou que foram repassados a São Paulo, em 2020, R$ 921,7 milhões — dos quais apenas R$ 349,2 milhões foram efetivamente utilizados para esse fim. A deputada contou ainda que participou de uma reunião com representantes da Secretaria Estadual da Saúde “e, ao indagar sobre o recebimento desses valores, foi informada que o montante, entendido como saldo pelo ministério, foi utilizado para financiar outras demandas relacionadas ao coronavírus”.

Leia também: “Bolsonaro cobra governadores e diz que ‘leitos de UTI não faltam’”

Na petição, Janaina afirmou que “tem conhecimento do embate estabelecido entre o Ministério da Saúde e o governo do Estado”, mas não pretende “tomar parte entre uma tese e outra”. A deputada diz querer apenas “compreender, afinal, onde o montante foi empregado”.

Na quinta-feira 18, durante sua live semanal transmitida nas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro voltou a cobrar dos governadores a responsabilidade pela instalação de leitos de UTI. “A gente espera que não precise usar isso aí, mas está à disposição do governador de São Paulo esse recurso para leitos”, disse. Ele reiterou que “quem monta o leito, na ponta linha, não é o governo federal, não é o presidente da República nem o ministro da Saúde” mas “o respectivo governador, é o respectivo prefeito, através de seus secretários.”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.