Depois de três meses, China derruba embargo à carne brasileira

A informação foi divulgada hoje pela alfândega do país asiático
-Publicidade-
A demora na liberação das exportações pode ter causado um prejuízo de US$ 1,8 bilhão
A demora na liberação das exportações pode ter causado um prejuízo de US$ 1,8 bilhão | Foto: Divulgação

Depois de três meses, o veto da China às exportações da carne bovina brasileira chegou ao fim.

A informação foi confirmada a Oeste pela Associação Brasileira de Frigoríficos, que recebeu o comunicado oficial do Ministério da Agricultura.

A “atualização” foi publicada no site da alfândega chinesa nesta quarta-feira, 15. “Retomar a exportação da carne bovina desossada do Brasil”, determinou um trecho do comunicado.

-Publicidade-

O Brasil suspendeu as exportações de carne bovina para a China em 4 de setembro, depois de detectar dois casos atípicos de doença da vaca louca. Os casos foram considerados incomuns por serem de um tipo espontâneo, e não por transmissão no rebanho.

Especialistas e pecuaristas esperavam a retomada breve das atividades, mas, devido à relutância do governo chinês em liberar o embarque, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil estimou um prejuízo de até US$ 1,8 bilhão.

Em entrevista a Oeste, Maurício Palma Nogueira, diretor da consultoria Athenagro, disse que o veto chinês era uma pressão para forçar a queda no preço da carne.

A China é o principal comprador de carne bovina nacional e corresponde a 60% dos embarques feitos nos portos brasileiros.

A ministra da Agricultura, Teresa Cristina, comemorou a decisão. “É uma boa notícia que era esperada por nós há um bom tempo”, disse, em entrevista ao Jornal da Manhã, da rádio Jovem Pan.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

  1. O Brasil, graças ao espetacular agronegócio, é um gigantíssimo produtor de carne.
    É óbvio q o embargo chinês não passa de chantagem, a velha prática chinesa em tudo.
    A ditadura chinesa joga pesado, mas o agronegócio brasileiro tem cacife e mercado consumidor para pagar o blefe chinês. Enquanto isso, a China com seus 1,4 bilhão de habitantes, não.
    Não há país q consiga suprir a falta das exportações brasileiras à China.
    Além disso, tem outro coringa, Vladimir Putin, que tem uma chance de ouro, pois a Rússia por mais de uma vez se mostrou disposta a comprar até o excedente deste produto, o que deixa a China sem oferta de carne para sua população, embora tenhamos um desafio a vencer nos defensivos agrícolas, mercado dominado pela China.

    Por isso, na ida à Rússia, Bolsonaro precisa tratar este tema como importante barreira de proteção a embargos deste tipo.

    Felizmente, agradeço e parabenizo nossos compatriotas do campo por este belíssimo trabalho.
    Incluo neste agradecimento meu amigo da cidade de Castro (PR) que colabora grandemente no setor e pelo nosso amado Brasil.

    Permaneçam firmes com fé em Deus e trabalho. Venceremos.

    O Brasil está com vcs.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.