Dono da Precisa diz conhecer Barros, mas nega pedido de favorecimento

Francisco Maximiano afirma que não teve 'nenhum contato' com o líder do governo na Câmara para tratar da Covaxin
-Publicidade-
CPI da Covid ouve o sócio da Precisa Medicamentos, Francisco Maximiano
CPI da Covid ouve o sócio da Precisa Medicamentos, Francisco Maximiano | Foto: Flickr/Senado

Em depoimento à CPI da Covid nesta quinta-feira, 19, o sócio da Precisa Medicamentos, Francisco Maximiano, confirmou que conhece o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), mas negou que tenha feito qualquer pedido de favorecimento à empresa em negociações sobre aquisição de vacinas contra a covid-19.

Barros, que se tornou investigado pela CPI e teve seu sigilo fiscal quebrado pela comissão, é suspeito de ter atuado pela compra da vacina indiana Covaxin. A Precisa é apontada como a intermediária entre a fabricante da vacina, a Bharat Biotech, e o Ministério da Saúde.

Leia mais: “CPI da Covid quebra sigilo fiscal de Ricardo Barros e Frederick Wassef”

-Publicidade-

Segundo os integrantes da CPI, uma emenda apresentada pelo deputado tinha como objetivo facilitar a importação e a aplicação do imunizante no país.

“Por óbvio, ela [emenda] tornava a Covaxin elegível, assim como outras, de outras autoridades. Mas não houve absolutamente nenhum contato com o deputado Ricardo Barros, tampouco com outro para fazer essa inclusão”, disse Maximiano.

Leia também: “Líder do governo na Câmara é incluído em lista de investigados pela CPI”

A emenda elaborada pelo líder do governo foi incluída em um projeto que previa a autorização, por parte da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), para a importação e a distribuição de vacinas que tivessem sido aprovadas por autoridades sanitárias de outros países, entre os quais a Índia — que já havia liberado a Covaxin.

Em seu depoimento à CPI, na semana passada, Barros negou ter mantido “relação pessoal” com o dono da Precisa e disse que jamais conversou com Maximiano sobre a vacina indiana.

Leia também: “Advogado da Precisa passa de testemunha a investigado na CPI”

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário

  1. Pense num ladrão nos tempos desde Fernando Henrique e que o Bostonaro abraçou com toda a força e agora esse atoleiro de corrupção. Pensei que quando voltamos nesse paladino da nova política,o que vejo é a mesma política se toma lá, dá aqui. Um antro de ladrões, cadeia neles. A troco de milhares de vidas. Quaisquer países, estariam na prisão. Junto com o Lula e etc.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro