Estados que não seguirem plano nacional poderão ficar sem doses, diz Saúde

Mais cedo, governo de São Paulo anunciou calendário de vacinação de pessoas acima de 60 anos com a dose de reforço
-Publicidade-
Pasta comandada por Marcelo Queiroga exige cumprimento do Plano Nacional de Vacinação
Pasta comandada por Marcelo Queiroga exige cumprimento do Plano Nacional de Vacinação | Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

No dia em que o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou o calendário de vacinação de idosos com a terceira dose contra a covid-19, o Ministério da Saúde divulgou uma nota oficial em que afirma que não poderá garantir a entrega de doses suficientes aos Estados que não seguirem o cronograma e as diretrizes do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO) do governo federal.

Segundo o plano divulgado pela pasta no fim de agosto, o início da imunização de idosos com a chamada dose de reforço seria no dia 15 de setembro. Em São Paulo, de acordo com o calendário definido por Doria, a nova etapa começa já no dia 6.

Leia mais: “SP anuncia calendário da primeira etapa de vacinação com 3ª dose”

-Publicidade-

“O Ministério da Saúde adverte que não garantirá doses para os Estados e municípios que adotarem esquemas vacinais diferentes do que foi definido pelos representantes da União, Estados e municípios no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19”, diz a nota oficial divulgada pela pasta.

“As decisões sobre a aplicação das doses de reforço para idosos e a adicional para imunossuprimidos, redução de intervalo entre as doses, intercambialidade de vacinas, vacinação de gestantes e adolescentes, entre outras, são baseadas em evidências científicas, ampla discussão entre especialistas, cenário epidemiológico, população-alvo, disponibilidade de doses e autorização de órgãos regulatórios, como a Anvisa”, prossegue o texto.

Leia mais: “Doria anuncia vacinação com a 3ª dose a partir do dia 6 de setembro”

Na nota, o ministério afirma ainda que “essas alterações nas recomendações do PNO podem influenciar na segurança e eficácia das vacinas na população e podem ainda acarretar a falta de doses do Plano Nacional de Vacinação para completar o esquema vacinal na população brasileira”.

Em São Paulo, como Oeste noticiou mais cedo, o público-alvo serão as pessoas de 60 anos ou mais que tomaram a segunda dose ou a dose única há mais de seis meses, além dos imunossuprimidos maiores de 18 anos.

Leia também: “Doria contradiz Doria sobre 3ª dose da vacina contra a covid-19”

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários

  1. Corretíssimo, o mau caráter Doria esta sempre querendo o destaque de sair na frente e propõe vacinar crianças e adolescentes de 12 a 17 anos com a sua vacina CORONAVAC sequer testada nessa faixa etária e que tampouco tem registro definitivo no pais. Pior ainda é ter apoio de sua equipe de “CIENTISTAS” inclusive do diretor do Butantã.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro