Estudo da UFRGS garante que o isolamento social é ineficaz

Artigo foi publicado na revista científica Scientific Reports
-Publicidade-
Pesquisa está em harmonia com estudo do banco J. P. Morgan
Pesquisa está em harmonia com estudo do banco J. P. Morgan | Foto: Cristyan Costa/Revista Oeste

Pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) asseguram que o isolamento social é ineficaz contra o coronavírus. Em estudo publicado na revista científica Scientific Reports no mês passado, cientistas analisaram a relação entre o confinamento e o número de mortes por covid-19. Obtidas através do índice de mobilidade do Google, as estatísticas foram coletadas de fevereiro a agosto de 2020. A pesquisa abrangeu 87 locais diferentes: 51 países, 26 Estados — mais o Distrito Federal — e seis capitais no Brasil (Manaus, Fortaleza, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre), além de três grandes cidades de outros países (Tóquio, Berlim e Nova York).

“Lockdown e toque de recolher são inconstitucionais, afirma desembargador”

-Publicidade-

A associação entre o “fique em casa” e a redução de óbitos nas áreas estudadas não foi significativa para mais de 98% delas. E em apenas 63 (1,6%) amostras do total de 3.741 combinações foi encontrada uma diferença significativa. Depois da publicação do artigo, pesquisadores que refizeram os cálculos enviaram comentários para a Scientific Reports, que aguarda a tréplica dos autores. O levantamento da UFRGS concorda com similares. Em junho do ano passado, o banco J. P. Morgan publicou uma análise mostrando que o lockdown não tem efeito no enfrentamento da epidemia: “O patógeno tem sua própria dinâmica, não relacionada às medidas muitas vezes inconsistentes de lockdown.”

A derrota do confinamento

Publicado pela revista britânica The Lancet em julho de 2020, um estudo revelou que, em uma comparação entre 50 países, a covid-19 foi mais mortal em lugares com população mais velha e com maior taxa de obesidade, mas não se observou redução de mortalidade em países que fecharam suas fronteiras ou aplicaram o “bloqueio completo”. Na Universidade de Edimburgo, na Escócia, um pesquisador concluiu que as infecções na Grã-Bretanha já estavam diminuindo antes que o lockdown começasse no fim de março.

“Paralisação da economia não alterou a curva de contágio do coronavírus”

Uma análise realizada pelo Instituto de Tecnologia de Karlsruhe descobriu que as infecções na Alemanha estavam se reduzindo na maior parte do país antes do início das medidas de confinamento. Também foi provado que o toque de recolher imposto na Baviera e em outros Estados não surtiu efeito. Nos Estados Unidos, menos de 1% da população vive em lares de idosos, mas, em janeiro de 2021, essa pequena fração foi responsável por 36% das mortes por covid-19 no país. Até mesmo quem estava “protegido” entre muros não escapou do contágio.

Leia mais: “O fracasso do lockdown”, reportagem publicada na Edição 45 da Revista Oeste

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site