OCDE: Brasil é o país que fechou escolas por mais tempo na pandemia

Foram 178 dias sem aulas presenciais na pré-escola e nos anos iniciais do ensino fundamental em 2020
-Publicidade-
Sala de aula vazia: retrato do Brasil durante a pandemia de covid-19
Sala de aula vazia: retrato do Brasil durante a pandemia de covid-19 | Foto: Pixabay

Segundo um levantamento divulgado nesta quinta-feira, 16, pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o Brasil é o país que manteve as escolas fechadas por mais tempo no ano passado, durante a pandemia de covid-19.

De acordo com o relatório da entidade, o país ficou, em 2020, 178 dias sem aulas presenciais na pré-escola e nos anos iniciais do ensino fundamental. É um período três vezes superior à média dos países desenvolvidos.

Leia também: “O fracasso do lockdown”, reportagem de Branca Nunes e Paula Leal publicada na Edição 45 da Revista Oeste

-Publicidade-

Segundo o estudo da OCDE, entre janeiro de 2020 e maio de 2021, as escolas estiveram fechadas para pelo menos uma parte dos alunos em todos os países analisados. Entretanto, de acordo com o levantamento, os países que mantiveram as instituições fechadas no ano passado foram os que reabriram mais rapidamente para crianças mais novas neste segundo ano de pandemia.

Entrevista: “‘Se pudesse voltar no tempo, jamais teria fechado as escolas’”, diz secretário de Educação de São Paulo

“Em 2021, as pré-escolas eram muito menos propensas a fechar em quase todos os países da OCDE e países parceiros”, diz o relatório. “Em cerca de metade dos países com dados, as pré-escolas foram fechadas por dez dias ou menos entre janeiro e maio de 2021, incluindo países como Costa Rica ou Irlanda, onde a taxa de fechamento de escolas ficou entre as mais altas em 2020.”

Leia também: “‘Nossas crianças foram penalizadas com a falta de aulas’, diz ministro da Educação”

No ano passado, na média dos países pesquisados pela OCDE, as escolas pré-primárias (pré-escolas) ficaram totalmente fechadas por 44 dias. As de nível primário (primeiros anos do ensino fundamental) não funcionaram durante 58 dias. De acordo com o relatório, corroborado por especialistas da área, a interrupção no aprendizado traz grandes riscos para “o bem-estar econômico e social de pessoas de todas as idades”.

J.R. Guzzo: “Professores que se negam a ensinar”“Governo de SP pagará R$ 1 mil para alunos do ensino médio irem à escola”

Ainda de acordo com o estudo da OCDE, os países com os piores desempenhos no Programa Internacional de Avaliação dos Alunos (Pisa) em 2018 foram justamente aqueles que mantiveram as escolas fechadas por mais tempo, como o Brasil. Assim, sistemas educacionais com baixa performance perderam mais tempo e oportunidade de aulas presenciais no ano passado do que os de alto desempenho, o que deve aprofundar o abismo educacional entre os países.

Com informações do jornal O Estado de S. Paulo

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.