Politicamente correto é um ‘porre’, desabafa Gloria Maria

Jornalista critica que, hoje em dia, "tudo é racismo e preconceito"
-Publicidade-
Foto: Reprodução/Instagram
Foto: Reprodução/Instagram | Foto: Reprodução/Instagram

Jornalista critica a ideia de que, hoje em dia, “tudo é racismo e preconceito”

politicamente correto
“Os homens estão com medo. Eu quero ser paquerada ainda, gente, estou viva”, disse a comunicadora | Foto: Reprodução/Instagram
-Publicidade-

Durante entrevista a Joyce Pascowitch, a jornalista Gloria Maria teceu críticas ao politicamente correto. As declarações vieram depois que Pascowitch citou temas como assédio moral e sexual em várias esferas da sociedade, sobretudo a do trabalho. “Eu acho isso tudo um saco”, rebateu Gloria. “Por exemplo, hoje, tudo é racismo, tudo é preconceito. Eu, até hoje, na TV, tenho meus câmeras antigos, os técnicos que estão comigo há 40 anos, todos me chamam de ‘Neguinha’. Eu nunca me ofendi, nunca me senti discriminada. Me chamam de uma maneira amorosa, carinhosa”, acrescentou a jornalista, ao sugerir que é politicamente incorreta.

Leia também: “Para onde vai o jornalismo?”, artigo de Selma Santa Cruz publicado na edição n° 20 da Revista Oeste

“Está chato. Estou há mais de 40 anos na televisão. Já fui paquerada muitas vezes, mas nunca me senti assediada moralmente. Acho que o assédio moral é uma coisa clara, não tem dubiedade. Não tem como você interpretar. O assédio é uma coisa que te fere, é grosseiro, te machuca, te incomoda, te desmoraliza”, continuou Gloria. “Agora, a paquera, pelo amor de Deus. Eu estou cansada desse negócio. Os homens estão com medo. Eu quero ser paquerada ainda, gente, estou viva. Mas existe uma cultura hoje que ‘não pode’, e nós mulheres sabemos bem fazer a diferença de uma paquera para o assédio, um abuso sexual”, concluiu.

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

6 comments

  1. Luiz Antônio Feliciano Neguinho da Beija-Flor Marcondes, este é o nome da Fera, com quem tive a honra de desfilar na Beija Flor campeã. O vagabundo teve que fazer um desagravo à platéia, igual a competente Glorinha faz agora, abominando essa coisa que as ideologias nefastas que dominaram os últimos 20 anos fizeram. Unicamente destruir o nosso convívio, nos separar, separar famílias inteiras. Não associo a nossa repórter com a globolixo, artífice e representante mór destas mazelas, outro grande erro de quem já teve audiência nas alturas. Associo sim, a globolixo à esquerda, a Chico e Caetano, a Pedro Cardoso, a William Boner e Fátima. Lotou o saco meus amigos evitarem a me chamar de “bolão”, e assim não posso mandar-lhes de fuder pôrra!!!

  2. Grande Glória! Capacitada, humilde, e nunca destoa. Pena que está, AINDA, em uma emissora que não lhe dá o devido valor, e é contra um Brasil grande e igual para todos.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site