Projeto que libera compra de vacina pelo setor privado é ‘feito para trabalhador’, diz relatora

'Empresário vai ter que tirar a mão do bolso, imunizar trabalhador e ainda doar uma parte ao SUS. A fila vai andar mais rápido', afirmou a deputada Celina Leão
-Publicidade-
Celina Leão (PP-DF) é relatora do projeto aprovado pela Câmara que autoriza setor privado a comprar vacinas contra covid-19
Celina Leão (PP-DF) é relatora do projeto aprovado pela Câmara que autoriza setor privado a comprar vacinas contra covid-19 | Foto: Reprodução/YouTube

A deputada Celina Leão (PP-DF), relatora do projeto aprovado pela Câmara que permite a compra de vacinas contra a covid-19 pela iniciativa privada com doação de parte dos imunizantes ao Sistema Único de Saúde (SUS), defendeu que o texto seja chancelado pelo Senado e se torne lei. Segundo ela, o principal foco da proposta são os trabalhadores, e não os empresários.

A parlamentar foi entrevistada nesta quinta-feira, 8, no programa Opinião no Ar, exibido pela RedeTV! — que também recebeu o prefeito de Chapecó, João Rodrigues (PSD), como noticiamos. Silvio Navarro, editor-executivo de Oeste, e Rodrigo Constantino, colunista da revista, participaram da entrevista. O programa também contou com a participação da jornalista Amanda Klein.

-Publicidade-

Leia mais: “Bolsonaro ‘saiu daqui entusiasmado’, afirma prefeito de Chapecó”

“Nossa expectativa é que não haja resistência [no Senado] porque esse projeto tem um cunho social. É um projeto que foi feito para trabalhador. As narrativas criadas pela oposição não podem impedir que possamos trazer vacinas para o Brasil. Isso não tem como ser ruim para o Brasil”, afirmou Celina. “Há uma lógica no projeto. Foi uma semana bem difícil para nós, discutindo isso. O projeto foi aprovado ontem e acho que vai ajudar, e muito.”

Leia mais: “Justiça autoriza universidade particular a comprar vacinas sem doar ao SUS”

Indagada sobre as críticas que o projeto vem recebendo por supostamente levar pessoas a “furarem a fila” da vacinação, a deputada rechaçou a tese. “Se essa fila que nós temos no SUS não anda e eu estou abrindo uma nova possibilidade sem interferir nessa fila do SUS, eu crio uma segunda oportunidade do privado, que é bem mais rápido que o público”, disse. “É para vacinar trabalhador. Hoje em dia, o cara que mais se expõe não é o só o idoso, que pode ficar em casa, mas o trabalhador, que tem que ir para a rua e fica exposto ao vírus. Hoje não existe mais grupo de risco. Não é o cara de 35 anos ou o de 60, que pode ficar em casa. O de 35 tem que trabalhar.”

Celina também esclareceu que“ o projeto não prevê vacinação de empresário”. “Empresário vai ter que tirar a mão do bolso, imunizar trabalhador e ainda doar uma parte ao SUS. A fila vai andar mais rápido.”

Leia também: “Carlos Wizard defende a entrada do setor privado na vacinação contra a covid-19”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.