Falta de pagamentos faz funcionários do hospital de campanha do Maracanã protestarem

Segundo os manifestantes, já há famílias passando fome e em situação de despejo, além de 60 demissões terem ocorrido nos últimos dias.
-Publicidade-
Esvaziamento do hospital de campanha do Maracanã preocupa funcionários que já não recebem mesmo com ele funcionando | Foto: Governo do Estado do Rio
Esvaziamento do hospital de campanha do Maracanã preocupa funcionários que já não recebem mesmo com ele funcionando | Foto: Governo do Estado do Rio | protestaram, hospital de campanha do maracanã, falta de pagamentos, secretaria estadual de saúde do rio de janeiro, governo do estado do rio de janeiro, covidão fluminense, iabas

Segundo os manifestantes, já há famílias passando fome e em situação de despejo, além de 60 demissões terem ocorrido nos últimos dias

protestaram, hospital de campanha do maracanã, falta de pagamentos, secretaria estadual de saúde do rio de janeiro, governo do estado do rio de janeiro, covidão fluminense, iabas
Esvaziamento do hospital de campanha do Maracanã preocupa funcionários que já não recebem mesmo com ele funcionando | Foto: Governo do Estado do Rio

Funcionários do hospital de campanha do Maracanã, atualmente gerido pela Fundação Saúde, vinculada à Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro, protestaram nesta quinta-feira, 16, devido à falta de pagamento de salários.

-Publicidade-

De acordo com os profissionais, muitas famílias já passam fome e enfrentam ameaças de despejo por causa  dos atrasos.

“Nos últimos dias, mais de 60 funcionários foram mandados embora e não receberam seus salários que estavam atrasados, as verbas rescisórias e nenhum tipo de satisfação. Essas demissões são de funcionários de várias OSs. Hoje, temos problemas com todas as organizações”, diz a enfermeira e presidente do Sindicato dos Enfermeiros do Rio, Líbia Bellusci.

O hospital de campanha do Maracanã contabiliza hoje apenas 25 pacientes, com quatro podendo ter alta a qualquer momento, o que levaria o Estado a remover os outros pacientes a outras unidades de saúde e fechar a tenda do Maracanã.

Os profissionais temem, caso isso ocorra, jamais recebam os salários devidos.

Anteriormente, o hospital chegou a ser administrado pelo Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (Iabas), que está sob investigação por não ter entregados seis de sete unidades de campanha contratadas e ainda ter tentado entregar respiradores fora de padrão no Rio.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.