São Paulo reduz para 30 dias intervalo para 2ª dose de Pfizer e AstraZeneca na ‘xepa’

Quem recebeu a primeira aplicação dos imunizantes há um mês já pode se inscrever em qualquer unidade de saúde
-Publicidade-
Prefeitura de São Paulo antecipou intervalo entre doses da Pfizer e da AstraZeneca na chamada 'xepa' da vacina
Prefeitura de São Paulo antecipou intervalo entre doses da Pfizer e da AstraZeneca na chamada 'xepa' da vacina | Foto: Governo do Estado de São Paulo

A prefeitura de São Paulo anunciou a redução do intervalo mínimo entre a primeira e a segunda dose das vacinas contra a covid-19 da Pfizer e da AstraZeneca para os interessados em se inscreverem na chamada “xepa” da vacinação na capital paulista.

Segundo o prefeito Ricardo Nunes (MDB), a partir de agora quem recebeu a primeira dose desses imunizantes há 30 dias já pode se dirigir a uma Unidade Básica de Saúde (UBS) para se inscrever na “xepa”. Nesse caso, a imunização será feita com as doses remanescentes ao final do dia, para evitar desperdício de vacinas.

Leia mais: “Variante Delta preocupa, mas está ‘sob controle’ em São Paulo, diz prefeito”

-Publicidade-

Até então, a prefeitura estipulava um prazo mínimo de 60 dias de intervalo entre as doses. Atualmente, tanto a vacina da Pfizer quanto a da AstraZeneca vêm sendo aplicadas no Brasil com um intervalo de 12 semanas (três meses) entre as duas aplicações.

Leia mais: “Doria cobra envio de vacinas da Pfizer para reduzir intervalo entre doses”

Segundo o prefeito da capital, a diminuição do intervalo mínimo na “xepa” tem como objetivo, além de evitar que doses sejam desperdiçadas, imunizar mais rapidamente a população paulistana com as duas doses das vacinas.

Leia também: “Prefeitura de São Paulo anuncia ter vacinado 100% dos adultos com 1ª dose”

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário

  1. O Calcinha agora assessorado pelo Calção lado Rio, antecipou em 30 dias só para faltar vacinas da Pfizer e por a culpa no MS. Ninguém percebeu. Kkkkk. O PNI é claro. O Calcinha roubou 1,2 milhões de vacinas do Butantan só para o Estado de SÃO PAULO ser o primeiro em vacinação. Por isso o Calcinha mata mais de 27% dos brasileiros tendo apenas 22% da população em SP com relação ao Brasil. Governador genocida.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro