Senado vai destruir HD com informações da CPI da Covid

Os dados envolvem duas empresas que não foram citadas no relatório final da Comissão
-Publicidade-
Randolfe Rodrigues, Renan Calheiros e Omar Aziz na CPI da Covid | Foto: Agência Brasil
Randolfe Rodrigues, Renan Calheiros e Omar Aziz na CPI da Covid | Foto: Agência Brasil | Foto: Agência Brasil

Esta prevista para esta sexta-feira, 6, a destruição de um HD externo (disco rígido que armazena dados) com documentos sigilosos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid.

A destruição foi determinada pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Ela vai ocorrer em uma sala do Senado. O presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), mandou servidores destruírem o dispositivo com marreta e furadeira.

Os dados e as informações que serão destruídos envolvem a empresa OPT Incorporadora Imobiliária e Administração de Bens Próprios Ltda e a produtora Brasil Paralelo. Nenhuma das duas empresas foi citada no relatório final da CPI da Covid e seus representantes podem participar do ato.

-Publicidade-

Guardado pela Secretaria de Comissões do Senado, o HD contém todos os documentos sigilosos que só podem ser acessados pelo ex-presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM). Os dados que não foram atingidos pela ordem de destruição de Gilmar Mendes serão retirados e colocados em outro HD.

Essa é uma prática que nunca ocorreu, ao menos na última década no Senado. “Todo o ato de destruição será filmado, para evitar questionamento futuro”, afirmou Leandro Cunha Bueno, coordenador de Comissões Especiais Temporárias e Parlamentares de Inquérito da Casa ao jornal Estado de S. Paulo. “As imagens serão mantidas sob sigilo.”

A decisão

A decisão do ministro foi tomada em dois mandados de segurança da produtora Brasil Paralelo e da OPT.

Em agosto do ano passado, o portal e a empresa tiveram as quebras de sigilo telefônico, fiscal, bancário e telemático aprovadas pela CPI da Covid. No entanto, as duas empresas não foram citadas no relatório final do senador Renan Calheiros (MDB-AL), aprovado pela CPI da Covid em outubro do ano passado.

Em ambas as decisões, o ministro se baseou em uma lei de 1996 que regulou um trecho da Constituição. Segundo a legislação, “a gravação que não interessar à prova será inutilizada por decisão judicial, durante o inquérito, a instrução processual ou após esta, em virtude de requerimento do Ministério Público ou da parte interessada”.

Os documentos que Pacheco irá destruir estão guardados em um HD na sala-cofre do Senado. Com a extinção da CPI, segundo a Casa Legislativa, a decisão sobre documentos passa a ser de competência do presidente do Senado.

Leia também: “As conclusões da CPI da CPI”, texto de Augusto Nunes publicado na edição 84 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

10 comentários Ver comentários

  1. Tudo suspeito como sempre. Quebrou o sigilo das empresas e estas não estão no relatório final…. A impressão que nos dá, que queriam apenas intimidar estas empresas. Para se fazer isso tem de ter provas. E quem garante que não existe cópia??? O TSE fez o mesmo no caso do hacker. Marginais.

  2. O que esses covardes vagabundos , grupinho do qto pior melhor fazem é chamar o brasileiro a se interessar cada vez mais por política , entendendo o escárnio de gente que é os apoiadores do Lula ladrão..

  3. Esses cangaceiros logicamente ficaram com a informação contida nesse HD. Que estranho poder foi dado à esses inúteis senadores pelo STF impondo a abertura dessa CPI que covardemente Pacheco aceitou? Gente insana que quase quebrou a PREVENT SENIOR que possui mais de 500 mil vidas, grande parte de idosos que nunca reclamaram. Todo esse circo somente para destituir o governo Bolsonaro.
    Quando esses criminosos serão punidos?
    Vamos às ruas exigir uma REFORMA POLÍTICA e JUDICIÁRIA que reduza, no mínimo 1/3 da CÂMARA FEDERAL, ASSEMBLEIAS LEGISLATIVAS e CÂMARAS MUNICIPAIS e o SENADO FEDERAL à somente 1 inútil senador por Estado. No JUDICIÁRIO reduzir a montanha de inúteis 2800 funcionários, e extinguir os criativos TSE e TST.
    Isso para iniciar, a seguir inúteis Tribunais de Contas verdadeiro empregaço para ex politicos, reunificar prefeituras que não tem receita sequer para seu funcionalismo, enfim um saneamento geral.

    1. Isso mesmo sr. Antonio, está despertando a brasilidade em cada individuo nascido nessa terra. Vamos SIM exigir reformas politicas e judiciarias. CORTAR privilegios e o luxo que esses caras vivem sem precisar se preocupar de onde vem. Os petralhista jogam pedras em empreendedores, que trabalham dia e noite e mais aqueles que têm Iate pouco o usam , porque estão trabalhando. Enquanto isso há uma corja de safado que vivem de maneira bilhardaria sem ter trabalhado e ainda sustentam amantes, vícios e bandidos com o nosso dinheiro. ISSO TEM QUE ACABAR!

  4. Não tem problema, a essa alturas do campeonato o Renan Canalheiros já tem tudo gravado em algum HD externo e devidamente guardado apenas para chantagear as pessoas, apenas acho isso, depois das tais maletas, não duvido de mais nada. E quanto à destruição com furadeiras e marretas, não precisava tanto, vamos parar de fazer esse teatrinho, Pachecuzinho.

  5. Então, colheram dados dessas empresas baseados em quê? Teria sido uma mera ‘reportagem’ sem qualquer prova ou algum sonho revelador de João de ‘Deus’? E os documentos sigilosos vazados criminosamente, isso pode? Os eleitores dirão.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.