Sindicatos entram em greve por ‘risco de privatização’ da Petrobras

Movimento é deflagrado em seis Estados
-Publicidade-
Funcionários em greve
Funcionários em greve | Foto: Divulgação/FUP

Esta sexta-feira, 5, começou com greve no setor petrolífero do Brasil. Sindicatos de seis Estados paralisaram suas atividades profissionais. Para o movimento, as entidades criticam a possibilidade de privatização de ativos da Petrobras. Ou seja: o protesto é para que a companhia e suas divisões sigam bancadas diretamente pelos pagadores de impostos do país.

Leia mais: “Itaú demite funcionários que pediram auxílio emergencial”

-Publicidade-

O movimento grevista teve início a partir da militância dos sindicatos dos petroleiros no Amazonas, na Bahia, no Espírito Santo, em Minas Gerais, Pernambuco e São Paulo. Todas as seis entidades locais são vinculadas à Federação Única dos Petroleiros (FUP), que em nota justifica a paralisação devido ao que classifica de “riscos de privatização” da hoje estatal.

Apesar de lamentar a possibilidade de desestatização da companhia, a FUP aproveita o momento de greve para atacar a gestão do ainda diretor-presidente da Petrobras, o economista Roberto Castello Branco — a quem acusa de negligência em cuidados em relação à covid-19. Além disso, a entidade dispara críticas contra o presidente da República, Jair Bolsonaro.

“Trabalhadores contaminados semanalmente devido à incompetência e à negligência da gestão Castello Branco”

“Centenas de trabalhadores contaminados semanalmente devido à incompetência e à negligência da gestão Castello Branco. Sob o seu comando, os gerentes da empresa insistem em desrespeitar normas de segurança e protocolos estabelecidos por órgãos de saúde”, reclama a FUP. “É a política da negação, a mesma tática criminosa do governo Bolsonaro”, acusa a federação.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 comentários

  1. Funcionário público tem de ganhar de acordo com a sua produção. Trabalhou, ganha. Não trabalhou, não ganha. Simples assim. Estarão eles com saudades do Petrolão ?

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.