Sleeping Giants se diz ‘um movimento de combate aos discurso (sic) de ódio’

Grupo passa mais tempo perseguindo vozes dissonantes do establishment do que se preocupando com a língua portuguesa
-Publicidade-
O método do Sleeping Giants funciona principalmente nas redes sociais
O método do Sleeping Giants funciona principalmente nas redes sociais | Foto: Reprodução

Focado em patrulhar as redes sociais e a perseguir pessoas que pensam diferente, o movimento Sleeping Giants Brasil descreve a si mesmo em seu site como “um movimento de combate aos discurso (sic) de ódio e às fake news”.

Recentemente, o grupo de esquerda atacou o colunista da Revista Oeste Guilherme Fiuza, no Twitter. O Sleeping Giants resgatou posts do jornalista que tratavam dos efeitos colaterais das vacinas contra a covid-19.

sleeping giants

-Publicidade-

Para o grupo, as interpelações de Fiuza são notícias falsas. Além disso, o Sleeping Giants endossou uma hashtag na plataforma para que o Twitter se manifestasse contra pessoas que estariam divulgando fake news.

A iniciativa, contudo, não deu certo. Isso porque outras três hashtags alcançaram os assuntos mais comentados do Twitter, superando a do Sleeping Giants. Eis a ordem: #SomosTodosFiuza (68 mil tuítes), #TwitterOmisso (18 mil tuítes) e #SomosTodosBarbara (13 mil tuítes).

hashtag levantada pelo movimento, #TwitterApoiaFakeNews, deixou os assuntos mais comentados da rede.

Modus operandi do Sleeping Giants

Em novembro de 2020, o movimento de esquerda perseguiu anunciantes do jornal Gazeta do Povo para asfixiar a publicação. Além disso, fez parte de uma campanha na internet pela demissão do jornalista Rodrigo Constantino, colunista da Gazeta e da Revista Oeste.

O método do grupo funciona principalmente nas redes sociais. Os administradores do movimento “marcam” o perfil das empresas e pedem que deixem de anunciar no veículo até ter sua demanda atendida. Os anunciantes cedem ao pensar que podem estar à beira de uma crise de imagem.

Leia também: “A direita sob fogo cerrado”, reportagem publicada na Edição 27 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

7 comentários Ver comentários

  1. Saqueiam os cofres públicos com Fundo Parlamentar e Fundo Eleitoral e vem este grupeto aí falar em discurso de ódio e fake News. Isto, com certeza, é para desviar a atenção aos saques que os cofres públicos vêm sofrendo.

  2. Me combatam.
    Tenho verdadeiro e puro ódio pelos que gostam de dilapidar os recursos públicos; os que desviam verbas da saúde para fins políticos e em especial os que o fazem para fins políticos externos; tenho um rancor infindável pelos que recebem verbas públicas roubadas que foram armazenadas para posteriormente criar ferramentas de manipulação da informação e da verdade.
    Sou um ser feito de ódio e a verdadeira realidade das coisas me fez assim.
    Agora verdadeiramente entendi o significado do gigante adormecido, acordei, venham.

  3. Eu diria que são MILÍCIAS DIGITAIS pois agem na sombra do estado, muito embora o TSE, que é estado, por motivos óbvios tenha adotado a MILÍCIA como sua orientadora e checadora. Só num país onde a justiça é tendenciosa e comprada isto acontece.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.