TSE rebate Bolsonaro e afirma que invasão hacker de 2018 ‘não representou qualquer risco’

Segundo o ministro Luís Roberto Barroso, 'invasão investigada não teve qualquer impacto sobre o resultado das eleições'
-Publicidade-
Em nota, ministro Luís Roberto Barroso voltou a afirmar que as urnas eletrônicas são seguras
Em nota, ministro Luís Roberto Barroso voltou a afirmar que as urnas eletrônicas são seguras | Foto: Antonio Augusto/Ascom/TSE

Em nota divulgada no fim da noite de quarta-feira 4, pouco depois da entrevista à Jovem Pan em que Jair Bolsonaro apresentou evidências de que o sistema do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) foi invadido por um hacker durante as eleições de 2018, a corte rebateu as declarações do presidente e rechaçou interferência externa no pleito.

De acordo com o TSE, “o episódio de 2018 foi divulgado à época em veículos de comunicação diversos” e, “embora objeto de inquérito sigiloso, não se trata de informação nova”.

Leia mais: “Relatório do TSE admite invasão das urnas eletrônicas”

-Publicidade-

“O acesso indevido, objeto de investigação, não representou qualquer risco à integridade das eleições de 2018”, diz o tribunal. “Isso porque o código-fonte dos programas utilizados passa por sucessivas verificações e testes, aptos a identificar qualquer alteração ou manipulação. Nada de anormal ocorreu.”

Na nota do presidente da corte, Luís Roberto Barroso, o TSE afirma ainda que “encaminhou à Polícia Federal as informações necessárias à apuração dos fatos e prestou as informações disponíveis” e que “a investigação corre de forma sigilosa e nunca se comunicou ao TSE qualquer elemento indicativo de fraude”.

Leia também: “Políticos cobram CPI do TSE depois de denúncia de Bolsonaro”

O texto volta a insistir na tese de que as urnas eletrônicas são seguras e invioláveis porque não estão conectadas à internet. “Por não serem conectadas à internet, não são passíveis de acesso remoto, o que impede qualquer tipo de interferência externa no processo de votação e de apuração. Por essa razão, é possível afirmar, com margem de certeza, que a invasão investigada não teve qualquer impacto sobre o resultado das eleições”, diz o comunicado.

Leia também: “‘Não vai ganhar na canetada’, diz Bolsonaro sobre Barroso”

O caso ganhou o noticiário durante uma entrevista de Bolsonaro ao programa Os Pingos nos Is, da Jovem Pan, na noite de ontem. Ele estava ao lado do deputado Filipe Barros (PSL-PR), relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do voto verificável na comissão que analisa o tema.

Ao lado de Bolsonaro, Barros explicou, amparado em inquérito aberto pela PF, como as urnas eletrônicas de primeira geração, utilizadas nas eleições brasileiras desde 1996, podem ser fraudadas. O leitor de Oeste pode acompanhar a repercussão do tema neste link.

Telegram
-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro