Criptomoedas têm semana de perdas bilionárias e crise de confiança

Vendas em massa depois do colapso da TerraUSD desvalorizaram mercado, também impactado por alta dos juros nos EUA
-Publicidade-
Temor entre investidores gerou vendas em massa de ativos digitais
Temor entre investidores gerou vendas em massa de ativos digitais | Foto: Reprodução/Pexels

O universo das criptomoedas viveu uma semana de preocupação, com quedas e crise de confiança envolvendo ativos conhecidos do investidor. Segundo o site CoinMarketCap, foram cerca de US$ 260 bilhões em perdas somente entre quarta e quinta-feira.

O efeito em cascata de vendas foi deflagrado pelo colapso da TerraUSD, uma moeda digital ancorada no dólar e classificada como stablecoin, um tipo de ativo virtual com valor mais estável ao longo do tempo. É a quarta maior moeda desta categoria.

Criptomoeda desenvolvida para manter a paridade com dólar, com unidade equivalente a US$ 1, a TerraUSD sofreu na semana com ataque especulativo e chegou a cair para US$ 0,22. A negociação da moeda acabou suspensa na Binance, principal bolsa das criptos, e o tombo súbito gerou pressão nos demais ativos.

-Publicidade-

Investidores que apostavam em outras criptomoedas ficaram com medo de que acontecesse o mesmo com as suas aplicações. Assim, apressaram-se para negociar os ativos e tentar evitar prejuízos. O movimento em massa do mercado resultou em uma desvalorização de diversas moedas.

A perda de valor das criptomoedas nos últimos dias também está vinculada ao posicionamento do Federal Reserve, o Banco Central dos EUA, que vem adotando aumentos graduais de juros para conter a inflação. Como as moedas digitais são ativos de risco, muitos investidores vêm procurando apostas mais seguras, como a renda fixa.

Bitcoin tem perda de 30% no ano

O bitcoin é a moeda mais relevante do universo das cripto, com cerca de 40% do mercado. Nesta sexta-feira, 13, o ativo voltou a ultrapassar os US$ 30 mil.

Em 2022, no entanto, o bitcoin ainda acumula queda de mais de 30%, segundo dados da CoinDesk. Desde a sua maior cotação, em novembro do ano passado (US$ 69 mil), a perda da moeda é superior a 50%.

Na última terça-feira, o bitcoin caiu abaixo de US$ 30 mil, chegando aos US$ 29.76, em seu sexto dia de negócios seguido de baixa. Foi o menor patamar desde dezembro de 2020.

Em 2021, a criptomoeda havia ficado temporariamente abaixo dos US$ 30 mil, durante junho e julho, antes de se recuperar e registrar o máximo histórico em novembro.

Desde sua criação, em 2009, o bitcoin se desenvolveu em um contexto de taxas de juros muito reduzidas. Mas, neste momento, com o Banco Central norte-americano dando sinais de altas sucessivas para conter a inflação, a mais famosa das criptomoedas tende a enfrentar seu maior desafio.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

  1. Fiquei chocada com pessoas que não conhecem o mercado financeiro e investem todas as economias em empresas de extelionatários… Gente que arriscou até herança deixada pelo pai.. Segundo reportagem do “Jornal da Record”. inacreditável!!!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.