‘Alta eficácia’, diz estudo sobre combinação da 1ª dose da AstraZeneca com a 2ª da Pfizer

Levantamento foi realizado com mais de 144 mil pessoas na Dinamarca
-Publicidade-
Com combinação, risco de infecção do novo coronavírus é reduzido em 88% 
| Foto: Evandro Leal/Enquadrar/Estadão Conteúdo
Com combinação, risco de infecção do novo coronavírus é reduzido em 88% | Foto: Evandro Leal/Enquadrar/Estadão Conteúdo

A combinação da primeira dose da vacina da AstraZeneca contra a covid-19 com uma segunda dose de imunizante da Pfizer/BioNTech ou Moderna, que têm RNA mensageiro, fornece “boa proteção”, de acordo com o Instituto Estadual de Soro (SSI) da Dinamarca.

Leia mais: “Unifesp começa estudo sobre aplicação de terceira dose de vacina”

“O estudo mostra que, 14 dias após um programa de vacinação combinado, o risco de infecção com o Sars-CoV-2 [novo coronavírus] é reduzido em 88%, em comparação com indivíduos não vacinados”, disse o SSI. Essa é uma “alta eficácia”, acrescentou, comparando com a taxa de eficácia de 90% de duas doses da vacina da Pfizer/BioNTech, confirmada em outro estudo dinamarquês.

-Publicidade-

Leia também: “Covid-19: Fiocruz começa fabricação de vacinas com IFA nacional” 

Na Dinamarca, mais de 144 mil pessoas, a maioria funcionários do setor de saúde e idosos, receberam sua primeira injeção com a vacina da AstraZeneca, mas depois foram imunizadas com a vacina da Pfizer/BioNTech ou Moderna.

“Precisamos falar sobre a CoronaVac”, artigo publicado na Edição 67 da Revista Oeste 

Divulgado na semana passada, o levantamento foi realizado entre fevereiro e junho, período em que a variante Alfa do coronavírus, identificada originalmente no Reino Unido, teve maior presença. Não foi possível concluir se a mesma proteção se aplica à variante Delta, que é agora a mais registrada na Dinamarca e em outros países. Identificada originalmente na Índia, a variante é mais transmissível e tem impedido planos de reabertura no exterior.

Brasil

No Brasil, o imunizante da AstraZeneca só não é recomendado para grupos específicos, como gestantes. A restrição foi adotada após a morte de uma grávida no Rio de Janeiro que havia recebido uma dose da vacina no dia anterior. Para as gestantes que já tinham tomado a injeção, a recomendação do Ministério da Saúde foi aplicar como segunda dose o imunizante da Pfizer. A vacina da Moderna não é usada no país.

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro