-Publicidade-

Aumentam tensões entre Rússia e Ucrânia; Alemanha e França pedem ‘moderação’

Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, já prometeu ao governo de Kiev apoio "inabalável" frente à "agressão da Rússia"
Presidente da Rússia, Vladimir Putin | Foto: Reprodução/Kremlin
Presidente da Rússia, Vladimir Putin | Foto: Reprodução/Kremlin

A Rússia segue mobilizando milhares de soldados em direção a diversos pontos da fronteira com a Ucrânia, o que tem despertado preocupações do governo de Kiev e de seus aliados. Na sexta-feira 2, o exército russo anunciou manobras militares destinadas a simular uma defesa a um ataque com drones.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, prometeu à Ucrânia apoio “inabalável” frente à “agressão da Rússia”, considerada um parceiro militar de grupos separatistas, o que Moscou nega.

Leia mais: “Stuttgart, na Alemanha, registra manifestação contra medidas anti-covid”

No sábado 3, Alemanha e França, mediadoras nas tensões entre Rússia e Ucrânia, fizeram um apelo “à moderação” e à “desescalada imediata” entre os dois países e disseram estar “preocupados com o número crescente de violações do cessar-fogo” nas últimas semanas.

Em um comunicado conjunto, os diplomatas dos dois países reafirmaram “apoio à soberania e à integridade territorial da Ucrânia” e frisaram que a “situação no leste da Ucrânia estava estabilizada desde julho de 2020”.

Após trégua, o conflito no leste ucraniano registrou desde janeiro vários confrontos armados que causaram a morte de 21 soldados ucranianos.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.