Brasil é contra sanções e expulsão da Rússia do FMI, diz Guedes

O ministro da Economia também defendeu a entrada do país na OCDE
-Publicidade-
O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que chegou o momento de o Brasil ser aceito como membro da OCDE | Foto: Edu Andrade/Ascom/ME
O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que chegou o momento de o Brasil ser aceito como membro da OCDE | Foto: Edu Andrade/Ascom/ME

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta terça-feira, 19, que o Brasil é contra a expulsão da Rússia do Fundo Monetário Internacional (FMI) por causa da  guerra na Ucrânia. O ministro também afirmou que “o FMI deve revisar, para cima, a projeção de crescimento do Brasil”.

Em evento do Center for Strategic and International Studies (CSIS), durante viagem aos Estados Unidos, Guedes disse que o Brasil é a favor da construção de pontes de diálogo para convencer a Rússia a encerrar o conflito, acabando também com as sanções econômicas.

O ministro justificou que a Constituição brasileira não permite que o país apoie sanções que não tenham sido decididas pela Organização das Nações Unidas (ONU).

-Publicidade-

“Nós somos contra a guerra e contra as consequências econômicas da guerra, que são as sanções”, disse.

Guedes afirmou que a visita do presidente Jair Bolsonaro (PL) ao presidente russo Vladimir Putin, dias antes do início da guerra, foi feita “em momento apropriado”, mas ponderou que o Brasil votou em reuniões da ONU para condenar a Rússia.

“O Brasil disse claramente não à guerra”, afirmou.

Ele complementou afirmando que a expulsão da Rússia agravaria o quadro de crise econômica. “A única razão pela qual devo preservar a ponte (com a Rússia) é para convencê-los a cessar fogo. Se você os expulsa, você está estimulando a guerra econômica”, disse.

OCDE

O ministro ainda disse que chegou o momento de o Brasil ser aceito como membro da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), além de defender a formalização do acordo entre União Europeia e Mercosul. Para ele, o Brasil é parte da solução para demandas energéticas e alimentares do mundo.

“Se não fizermos algo agora, o acordo com União Europeia e a entrada na OCDE, estamos sendo empurrados em outra direção, temos outras opções, estamos vendendo mais para o Oriente Médio, Sudeste Asiático, China”, afirmou.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

4 comentários Ver comentários

  1. EU ACHO UMA ROUBADA ENTRAR NESSA OCDE!!
    vocês vão se arrepender de entrar nesse bloco de HIPÓCRITAS CRETINOS!
    Se aproximem e façam acordos com China, Oriente Médio, Russia/Leste Europeu

    Vocês estão chocando ovos de serpentes.. Noruega, Suécia Filandia França Alemanha EUA Canada Inglaterra holanda…NÃO SÃO PAÍSES CONFIÁVEIS E VÃO TENTAR METER PALPITE NA REGIÃO AMAZONICA e na politica interna brasileira…
    VÃO NOS AMEAÇAR COM BOICOTES E EXPULSÃO.

  2. Corretíssimo. Buscar a paz no fim quer, querem guerra e sangue, dos outros, que são os sofridos ucranianos. Essas lideranças mundiais são uma vergonha, um pior do que o outro. Todos fantoches nas mãos do mal.

  3. Sensata a posição do ministro Paulo Guedes, seguindo os padrões históricos do Itamaraty da neutralidade e da defesa dia interesses do Brasil!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.