Usuário de maconha tem mais chances de ataque cardíaco, segundo pesquisa

Estudo da Universidade de Stanford mostra que o THC, principal componente da droga, causa inflamação das células e dos vasos sanguíneos
-Publicidade-
Cerca de 500 mil pessoasforam submetidas ao estudo para confirmar a relação entre o uso da droga e o risco de doenças cardíacas
Cerca de 500 mil pessoasforam submetidas ao estudo para confirmar a relação entre o uso da droga e o risco de doenças cardíacas | Foto: Divulgação/Flickr

Um estudo liderado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford, nos EUA, apontou para um aumento do risco de ataque cardíaco em pessoas que usam maconha mais de uma vez por mês. A pesquisa foi publicada na revista científica Cell.

De acordo com os cientistas, o THC, principal componente psicoativo da maconha, pode causar aterosclerose, uma inflamação nas paredes das artérias e nas artérias que revestem os vasos sanguíneos.

“Há uma percepção pública crescente de que a maconha é inofensiva ou até benéfica. A maconha claramente tem usos medicinais importantes, mas os usuários recreativos devem pensar cuidadosamente sobre o uso excessivo”, alertou o diretor do Instituto Cardiovascular de Stanford, Joseph Wu, em nota.

-Publicidade-

Como se deu o estudo

Cerca de 500 mil pessoas, entre 40 e 69 anos de idade, foram submetidas ao estudo de Stanford para confirmar a relação entre o uso da droga e o risco aumentado de doenças cardíacas. Segundo o resultado obtido, os não usuários de maconha são menos propensos a ter um ataque cardíaco antes dos 50 anos, mesmo após a análise de fatores que influenciam o risco, como sexo, peso e idade.

“A maconha tem efeitos adversos significantes no sistema cardiovascular. Nossos estudos em células de humanos e ratos mostra claramente como a exposição ao TCH inicia uma cascata de dano molecular nos vasos sanguíneos”, afirma Mark Chandy, biólogo que participou da pesquisa.

Outras pesquisas

Pessoas que usam maconha regularmente e possuem no sangue citocinas inflamatórias têm até cinco vezes mais chances de desenvolver psicoses. É o que informou um estudo apresentado por pesquisadores da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto. A pesquisa foi publicada na revista científica Psychological Medicine.

De acordo com Cristina Marta Del-Ben, orientadora do estudo, a inflamação baixa no sangue e o uso regular da droga são capazes de aumentar a probabilidade de surtos psicóticos.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

  1. Está aí alguma coisa que na em minha época de adolescente não possuía muita visibilidade quanto ao mal que causava. Lembro que a atividade de fumar cigarro, cigarrilha, charuto e cachimbo, era bonito, até mesmo recomendado para integração social. Daí que muitos de nós entramos na droga mais psicotrópica: bolinha, LSD, heroína, maconha, …
    Hoje, com tanto estudo e comprovação do uso maléfico dessas drogas, compete a todos nós a luta constante contra o tráfico e o uso recreativo.
    Ou somos alguém que interage positivamente com o mundo que vivemos, ou não, apenas nos omitimos; depois não há a quem reclamar!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.