Ditadura cubana prende opositores e sabota protesto nas ruas da capital

A manifestação estava prevista para acontecer na segunda-feira e foi classificada como 'ilegal'
-Publicidade-
Policiais percorrem o Passeio do Prado, em Havana
Policiais percorrem o Passeio do Prado, em Havana | Foto: Yamil Lage/AFP

Previsto para ocorrer na segunda-feira 15, um protesto contra o regime cubano foi frustrado pelo ditador do país, Miguel Díaz-Canel. A manifestação tinha como bandeiras a libertação de presos políticos, o respeito aos direitos humanos e a defesa da democracia.

A presença policial nas ruas de Havana e em outras províncias, além da prisão de líderes da dissidência cubana, enfraqueceram o movimento organizado pelo grupo Arquipélago, que tem 37 mil membros.

Segundo os organizadores, o governo comunista cortou o sinal de internet em pontos específicos para evitar a comunicação entre os manifestantes. As casas dos líderes do movimento também foram monitoradas por agentes da ditadura.

-Publicidade-

Nas redes sociais, alguns cubanos postaram fotos vestidos de branco, como pedia a convocação do protesto, mas a grande manifestação planejada não aconteceu. Muitos policiais uniformizados e à paisana rondavam as ruas da capital.

O protesto foi proibido pelo governo cubano, que o classificou como “ilegal”, afirmando que por trás dele está a “estratégia imperialista” dos Estados Unidos.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.