OMS lança consulta pública para renomear varíola dos macacos

Dirigentes da entidade dizem que o nome da doença pode ser 'estigmatizante' para os primatas e para o continente africano
-Publicidade-
Entidade tem a atribuição de renomear doenças existentes e novas doenças
Entidade tem a atribuição de renomear doenças existentes e novas doenças | Foto: Divulgação/OMS

A Organização Mundial da Saúde (OMS), que já tinha expressado preocupação com o nome “estigmatizante” da varíola dos macacos, lançou uma consulta pública em que qualquer pessoa pode sugerir um novo nome para a doença. De acordo com dirigentes da organização, o nome pode estigmatizar primatas, que já foram agredidos no Brasil, e o próprio continente africano, com o qual os macacos são frequentemente associados.

Em nota, a OMS afirma que é sua a responsabilidade dar nome a doenças novas ou renomear doenças existentes, e que a designação de “varíola dos macacos” foi dada “antes que as melhores práticas atuais na nomeação de doenças e vírus fossem adotadas”.

Segundo nota, “a melhor prática atual é que vírus recém-identificados, doenças relacionadas e variantes de vírus devem receber nomes com o objetivo de evitar ofender qualquer grupo cultural, social, nacional, regional, profissional ou étnico e minimizar qualquer impacto negativo no comércio, viagens, turismo ou bem-estar animal”.

-Publicidade-

A varíola dos macacos, segundo a OMS, recebeu esse nome porque o vírus foi originalmente identificado em macacos mantidos para pesquisa na Dinamarca, em 1958, mas a doença é encontrada em vários animais e mais frequentemente em roedores. Foi diagnosticada em humanos, pela primeira vez, no Congo. Tornou-se endêmica na África Ocidental e Central e, recentemente, espalhou-se pelo mundo, começando pela Europa. A OMS declarou emergência global de saúde. Até agora, mais de 31 mil casos foram confirmados e 12 pessoas morreram.

Embora o vírus possa passar de animais para humanos, especialistas da OMS dizem que a recente disseminação global se deve à transmissão pelo contato próximo entre humanos. Mais de 97% dos infectados pela doença são gays, o que levou a OMS a pedir que esse público reduza o número de parceiros sexuais.

Como a atribuição de novos nomes a doenças existentes é responsabilidade da OMS, a organização resolveu fazer uma consulta pública, e qualquer pessoa pode participar com sugestões, neste site.

Já a nomeação de vírus é de responsabilidade do Comitê Internacional de Taxonomia de Vírus (ICTV), que tem um processo em andamento para renomear o vírus da varíola dos macacos, e a nomenclatura de variantes para patógenos existentes é normalmente o resultado de debate entre os cientistas. Em reunião realizada neste mês, ficou definido que as variantes serão nomeadas por um numeral romano, e as subvariantes por um caractere alfanumérico minúsculo.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

14 comentários Ver comentários

  1. A OMS, em vez de se preocupar com a doença em si, para proteger o ser humano, está muitos preocupada com o nome da doença, que já está consolidado no mundo inteiro. Que lixo. Caso o Brasil ainda gasta dinheiro com essa entidade, para sustentar as mordomias dos seus diretores, é hora de parar e usar o dinheiro para atender as necessidades de saúde do povo brasileiro.

  2. Confundir é viver. Segundo os bons dicionários – só para constar – a designação “primata” insere igualmente os seres humanos. Ora, “micose”, por exemplo deveria ser ofensiva para com os micos, mas a designação não é vista dessa maneira, o que abre o precedente para renomear a doença para “catapora de mico”, sem o risco de discriminar este ou aquele primata, beleza?

  3. “A varíola dos macacos, segundo a OMS, recebeu esse nome (…) para pesquisa na DINAMARCA, em 1958, (…) diagnosticada em humanos, pela primeira vez, no CONGO. Tornou-se endêmica na ÁFRICA (…) espalhou-se pelo mundo, começando pela EUROPA.”
    – Ora, se essa doença estava sendo pesquisada na Dinamarca, então é porque estavam provavelmente procurando a cura para essa doença que já era endêmica na África, mais precisamente no Congo. Então me expliquem por que ela se espalhou para o mundo a partir da Europa? Não seria da África? Então poderíamos chamar:
    – Mal do reino da Dinamarca
    – Varíola Africana
    Só para ilustrar, na África, mais precisamente nas selvas do Congo, existe uma espécie de chimpanzé que chamam de Bonobo que tem um costume peculiar de passarem o dia em orgias sexuais, masturbações, etc… em resumo são uns macacos depravados. Então não duvido de nada que tenham mantido relações sexuais com humanos, devido a esse costume, não me causaria estranheza a coincidência disso aparecer exatamente no Congo.

  4. E sai varíola do macaco e entra o marketing, dando a doença:

    – nome chique;
    – logotipo;
    – site próprio em diversas línguas;
    – hashtags própria e associadas;
    – pasta e responsáveis próprios na OMS;
    – fóruns de discussões sobre o combate organizados ao redor do mundo;
    – análise de possíveis riscos e como serão os distanciamentos;
    – informes diários e distribuição de informações pela imprensa “idônea”;
    – distribuição de dados para a produção de vacinas;
    – escolha das melhores fabricantes de vacinas;
    Etc, etc, etc …

    E por aí vai, é assim q se cria o caos e a facilitação do controle de pessoas!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.