Presidente da Argentina se prepara para fechar contrato bilionário com a China no setor energético

Alberto Fernández busca expandir usina nuclear do país
-Publicidade-
O prazo da construção da usina é de 8 anos, a partir da assinatura do contrato
O prazo da construção da usina é de 8 anos, a partir da assinatura do contrato | Fotomontagem/Internet

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, quer resolver o problema de energia do país com a expansão da usina nuclear Atuche, localizada na província de Buenos Aires. Para isso, estreitou ainda mais os laços com o secretário-geral do Partido Comunista da China (PCC), Xi Jinping.

No início desta semana, o peronista retomou o diálogo para tornar realidade um projeto que está no papel desde 2014: comprar novos reatores, contratar 5 mil trabalhadores e nivelar o solo, para suportar as novas instalações. Faz sete anos que o PCC está interessado no setor do país sul-americano.

Conforme as tratativas inicias, a parceria deve prever a injeção de US$ 6,8 bilhões de capital chinês, ou 85% dos US$ 8 bilhões totais previstos na obra. Em troca, o PCC terá participações acionárias através do Banco Industrial e Comercial da China. O prazo da construção da usina é de 8 anos.

-Publicidade-

Leia também: “O jogo do gigante”, reportagem publicada na Edição 58 da Revista Oeste

Telegram
-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro