Regras rígidas de isolamento não impedem covid, e ilhas no Pacífico vivem epidemia

Mais de 7% da população das Ilhas Marshall está com a doença
-Publicidade-
Em uma semana, mais de um décimo da população da capital contraiu covid
Em uma semana, mais de um décimo da população da capital contraiu covid | Foto: Reprodução/Flickr

As Ilhas Marshall, arquipélago no Pacífico, ao leste da Filipinas, estão vivendo tardiamente, em comparação com o restante do mundo, a epidemia de covid-19. Com regras rígidas de quarentena para moradores e estrangeiros, o país tinha conseguido evitar, até agora, a epidemia.

Porém, a doença chegou com força total nas últimas semanas. Em apenas sete dias, entre 8 e 15 de agosto, mais de um décimo da população da capital, Majuro, contraiu covid da variante Ômicron. “Estamos nos preparando para a fase mais difícil da epidemia agora em Majuro”, afirmou o ministro da Saúde, Jack Niedenthal, nesta segunda-feira, 15.

Depois que alguns casos foram confirmados em 8 de agosto, o número de infecções disparou, nesta segunda-feira, para 2,8 mil casos. A cidade tem 22,5 mil habitantes. Quase 75% dos testes são positivos. “O bom de ter todos esses outros países que a tiveram [a epidemia] antes de nós é que realmente entendemos como, do ponto de vista epidemiológico, essa variante do vírus se espalha: como um incêndio”, acrescentou o ministro.

-Publicidade-

Na sexta-feira 12, o presidente das Ilhas Marshall, David Kabua, assinou um decreto de “estado de desastre sanitário”, para permitir que o governo obtenha financiamento de emergência. O decreto foi publicado na conta oficial do governo no Twitter.

No total, o país — de 42 mil habitantes — registrou 3 mil casos positivos e três mortes. Várias agências internacionais, incluindo o Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, devem enviar ajuda às Ilhas Marshall, o que inclui médicos.

Desde a terça-feira 9, os voos domésticos da companhia Air Marshall Islands e o transporte público de navio para ilhas remotas do país estão suspensos. Um voo especial que deveria levar uma equipe médica a ilhas distantes da ilha principal, onde está a capital, não pôde decolar, porque todos os pilotos da companhia haviam testado positivo.

Autoridades de saúde do país acreditam que o recente relaxamento das regras de quarentena e o número sem precedentes de chegadas tenham sido a causa da epidemia. O governo planejava abrir suas fronteiras e abandonar a quarentena obrigatória na chegada a partir de 1º de outubro, medidas que estão suspensas.

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.