China condicionou envio de insumos de vacina a mudança de postura de Bolsonaro, revela documento

O presidente da Sinovac, Weidong Yan, pediu 'relação mais fluida' entre o Brasil e o Partido Comunista
-Publicidade-
O presidente Jair Bolsonaro recebe o secretário-geral do Partido Comunista da China, Xi Jinping, no Palácio do Itamaraty, em Brasília | Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
O presidente Jair Bolsonaro recebe o secretário-geral do Partido Comunista da China, Xi Jinping, no Palácio do Itamaraty, em Brasília | Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O presidente da Sinovac, Weidong Yan, insinuou que o Partido Comunista da China (PCC) poderia atrasar o envio de insumos de vacinas contra a covid-19 ao Brasil, caso o presidente Jair Bolsonaro não adotasse uma postura mais pacífica com o país asiático. É o que revelou uma carta da Embaixada do Brasil em Pequim, enviada ao Ministério das Relações Exteriores. O conteúdo do documento foi publicado nesta quarta-feira, 9, pelo jornal O Globo, e descreve uma reunião ocorrida em 19 de maio na capital chinesa entre diplomatas brasileiros e o CEO da farmacêutica.

No início do encontro, representantes do Itamaraty e do Instituto Butantan demonstraram preocupação com a quantidade baixa de matéria-prima para a produção de imunizantes. Ao ser questionado se a Sinovac conseguiria fornecer o estoque contratado pelo Brasil, Weidong disse: “Seria conveniente, para o processo, que o governo brasileiro buscasse desenvolver uma relação mais fluida e positiva com o governo chinês”. Conforme a papelada, quando o assunto é a aquisição de vacinas, o presidente da Sinovac “realçou a importância de um bom diálogo entre Brasília e Pequim”.

-Publicidade-

Em matéria publicada na Edição 58, a Revista Oeste mostrou como funciona o modus operandi do PCC. A ditadura mira em países emergentes e faz com que fiquem dependentes dela. As negociações geralmente envolvem chantagem. A diplomacia da vacina é uma das armas utilizadas para o atendimento das necessidades do PCC. Nesse contexto, o Brasil aparece como alvo importante. Trata-se, afinal, do único país com potencial de dobrar rapidamente a produção do agronegócio sem causar danos ao meio ambiente. A China precisará consumir cada vez mais alimentos.

Leia também: “O jogo do gigante”, reportagem publicada na Edição 58 da Revista Oeste

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site