Congresso vai publicar ato para dar ‘transparência’ a emendas de relator

Além disso, foi convocada uma sessão para analisar um projeto que define regras para os próximos anos
-Publicidade-
Congresso Nacional | Foto: Pedro França/Agência Senado
Congresso Nacional | Foto: Pedro França/Agência Senado

O Congresso Nacional vai publicar na sexta-feira 25 um ato conjunto da Câmara e do Senado que promove “a implementação de mecanismos para ampliar a publicidade e a transparência” das emendas de relator nos Orçamentos de 2020 e de 2021.

Segundo a Presidência do Senado, a medida busca “garantir o cumprimento da decisão do Supremo Tribunal Federal” que determinou transparência na destinação destes recursos. No início do mês, a corte manteve uma decisão da ministra Rosa Weber e suspendeu esse tipo de emenda.

-Publicidade-

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), afirmou que não há “ocultação” referente às emendas de relator. “Estamos propondo é uma adequação normativa para atender a essência da decisão do Supremo, que é garantir a transparência no emprego do orçamento”, afirmou.

“Vou apresentar à ministra Rosa Weber o trabalho que foi realizado e estabelecer as diretrizes do porvir em relação ao Orçamento, mas sobretudo os orçamentos de 2020 e 2021 porque o Congresso está atento à determinação judicial e irá cumpri-la”.

Além disso, foi convocada para amanhã uma sessão do Congresso Nacional para analisar um Projeto de Resolução “alterando normas regimentais” para ampliar a publicidade e a transparência da apresentação, aprovação e execução das emendas de relator para as próximas leis orçamentárias.

O texto limita o valor das emendas de relator, que passariam a ser direcionadas apenas para políticas públicas previstas em parecer preliminar.

O projeto também define regras objetivas para a publicação das indicações feitas pelo relator, bem como das solicitações de recursos que as tiverem fundamentado.

O relator da projeto, senador Marcelo Castro (MDB-PI), disse que vai cumprir à risca a decisão liminar do Supremo Tribunal Federal que suspendeu as emendas de relator até que o Congresso reveja essa modalidade de despesa.

“Não se pode demonizar as emendas de relator, que sempre existiram e continuarão existindo, na minha percepção”, afirmou.

As novas regras previstas na proposta, se aprovadas, devem valer já para a lei orçamentária de 2022 e vão normalizar as emendas de 2021 que já foram previstas, executadas e estão suspensas por determinação do Supremo.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.