CPI da Petrobras: líder do PL vai apresentar proposta de investigação

Deputados querem maior participação do governo federal para conter alta no preço dos combustíveis
-Publicidade-
Pedido de CPI será apresentado na Câmara | Foto: André Motta de Souza/Agência Petrobras
Pedido de CPI será apresentado na Câmara | Foto: André Motta de Souza/Agência Petrobras

O deputado Altineu Cortês (PL-RJ) vai apresentar um pedido de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a gestão da Petrobras, depois de um novo aumento no preço dos combustíveis. O assunto foi debatido nesta segunda-feira, 20, em reunião dos líderes partidários com o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL).

Os parlamentares discutiram ainda sobre taxação de lucros e política de preços praticada pela estatal. Sem a presença de todos os líderes, Lira definiu um novo encontro para debater o assunto nesta terça-feira, 21, às 8 horas. O presidente da Casa não respondeu perguntas de jornalistas durante a coletiva.

A proposta de CPI foi levantada pelo presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), que questionou o aumento de preços da Petrobras, que começou a valer no sábado 18. O reajuste do litro da gasolina vendido às distribuidoras passou de R$ 3,86 para R$ 4,06 (um aumento de 5,2%). O diesel teve reajuste de 14,2%, saindo de R$ 4,91 para R$ 5,61.

-Publicidade-

De acordo com Arthur Lira, “os líderes vão conversar com seus deputados para dar respaldo ou não ao pedido de CPI”.

Deputados querem maior participação do governo na discussão

O presidente da Câmara afirmou que os deputados concordaram em cobrar uma maior participação do governo federal no debate sobre a gestão da Petrobras. “Sentimento quase unânime dos líderes. O  Ministério da Economia e o governo federal devem participar mais de perto dessas discussões.”

A movimentação no Congresso Nacional contra a Petrobras ocorre porque a estatal aumentou o preço dos combustíveis na mesma semana em que os parlamentares aprovaram projeto para tentar diminuir os valores.

A principal proposta diminui a alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) sobre combustíveis para 17%. Hoje, Estados cobram até mais de 30%. O projeto foi encaminhado ao Palácio do Planalto. Bolsonaro tem 15 dias para sancioná-lo ou vetá-lo.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

  1. Para privatizar a Petrobras rapidamente, é só aprovar uma lei que autorize a Petrobrás a transformar as suas ações preferenciais em ações ordinárias, pois assim a União passará a ter apenas 36,76% das ações com direito a voto, e assim a Petrobrás deixará de ser uma empresa estatal, e a União continuará recebendo 36,76% dos dividendos da Petrobrás como já recebe atualmente.

  2. A solução para o problema da alta dos preços dos combustíveis é as pessoas converterem os seus veículos em elétricos, ou trocarem seus veículos a combustível por veículos elétricos. O que o governo pode fazer para ajudar é fazer com que haja linhas de crédito com juros baixos para que os caminhoneiros, taxistas, motoristas de aplicativo e demais proprietários de veículos a combustível possam converter seus veículos em elétricos ou trocá-los por veículos elétricos, e reduzir impostos sobre veículos elétricos, kits de conversão para elétrico, baterias e carregadores para veículos elétricos. Não se deve interferir nos preços cobrados pela Petrobrás pelos combustíveis, porque ninguém sabe quais serão os preços internacionais do petróleo no futuro, e se eles subirem muito, serão em vão os esforços para baixar os preços dos combustíveis. Além disso, a interferência em preços causa um desequilíbrio econômico gravíssimo, cujas consequências são o desabastecimento e preços maiores ainda no mercado paralelo ilegal.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.