Mandatos coletivos ao Senado ‘afundam’

Nestas eleições foram quatro candidaturas que não deram certo
-Publicidade-
Dos quatro grupos, nenhum coletivo foi eleito ao Senado
Dos quatro grupos, nenhum coletivo foi eleito ao Senado | Foto: Divulgação

Nestas eleições, o Senado recebeu quatro candidaturas de mandatos chamados “coletivos”, um movimento capitaneado, principalmente, pelos partidos de esquerda. Apesar da iniciativa, os candidatos que concorreram com o modelo ao Parlamento não obtiveram êxito, sendo derrotados nos respectivos Estados.

No Rio Grande do Sul, a chapa encabeçada por Olívio Dutra (PT) — que prometeu exercer o mandato em conjunto com dois suplentes — foi mais longe. O candidato recebeu 2,2 milhões de votos, mas acabou superado pelo vice-presidente da República, Hamilton Mourão (Republicanos), que obteve quase 2,6 milhões de votos e se elegeu ao Senado.

No Distrito Federal, o candidato Pedro Ivo Mandato Coletivo (Rede) ficou na sétima posição. Ele conseguiu apenas 8,1 mil votos (0,51% da preferência).

-Publicidade-

São Paulo, o maior Estado do país, teve a chapa Mancha Coletivo Socialista (PSTU), encabeçada por Luiz Carlos Prates. O grupo recebeu 14,5 mil votos (0,07%) amargando a décima posição.

Já no Espírito Santo, Gilberto Campos Coletiva (Psol) também não foi eleito e ficou em quarto lugar, com cerca de 20 mil votos (1,03%).

Leia também: “Ao centro, volver!”, reportagem de Silvio Navarro publicado na Edição 36 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

5 comentários Ver comentários

  1. Vamos avançando com estratégia, tirando rede e pt da frente.
    Tem muita gente aí que não luta desde 2.013 nas ruas, prá reduzir essa esquerda incompetente, que aparelhou principalmente o STF.
    2020 foram eleições importantíssimas. 2.022 estamos mudando realmente a cara do senado, e fazendo uma boa faxina no congresso. Alguns bostas malfeitores conseguiram passar entre os dedos, assim como o rodrigo pacheco foi em 2.014, entrou enquanto saía o peido da dilmanta.
    Os consórcios têm mesmo que ficar preocupados. Mais 3 governos e emplacando o Jair, estará oficializada a derrocada definitiva do stablisment.

  2. Inventaram essa suruba partidária…afim de deixar existir estas siglas irrelevantes. Tudo pelo dinheiro fácil, tudo pelo parasitismo executado nas verbas públicas destinadas ao fundo partidário, a vergonha nacional…

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.