‘Fake News’, diz Toffoli sobre repasses da Odebrecht

Esta é a segunda vez que o nome do presidente do STF é envolvido direta ou indiretamente em suspeitas de casos de corrupção
-Publicidade-

Esta é a segunda vez que o nome do presidente do STF é envolvido direta ou indiretamente em suspeitas de casos de corrupção

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, classificou como “fake news” a informação de que teria recebido repasses da Odebrecht entre 2007 e 2009, quando era Advogado-Geral da União, durante a gestão do ex-presidente Lula.

-Publicidade-

Na noite desta sexta-feira, 10, segundo reportagem do site VortexMedia, Marcelo Odebrecht afirmou durante um depoimento prestado em maio aos procuradores da Força Tarefa da Lava Jato que um diretor da empreiteira e um advogado ligado ao PT acertaram pagamentos para Toffoli na reta final do governo Lula. Apesar disso, Odebrecht não soube informar os detalhes operacionais dos pagamentos nem a sua finalidade.

A reportagem de Oeste confirmou o teor do depoimento de Odebrecht e a informação de que o delator entregou documentos aos integrantes do Ministério Público Federal. Entre eles, e-mails e comunicações que, para o empreiteiro, confirmam a proximidade entre o presidente do Supremo e integrantes da empresa. O caso está sob análise da Procuradoria-Geral da República para abertura ou não de inquérito contra Toffoli. Há suspeitas de que o presidente do Supremo cometeu crime de corrupção passiva.

Durante a noite desta sexta-feira e manhã deste sábado, Toffoli classificou a denúncia de Odebrecht como “fake news” a colegas do Supremo e assessores judiciários. Para ele, não há provas ou qualquer tipo de indício que o ligue a pagamentos ilegais por parte da empreiteira. Ministros da Suprema Corte pediram maiores explicações a Toffoli. Oeste apurou que o clima no STF é de total constrangimento.

Esta é a segunda vez que o nome de Toffoli é envolvido direta ou indiretamente em suspeitas de casos de corrupção. Os assessores do STF lembraram que a nova revelação ratifica um e-mail (anexado aos autos da Lava Jato) enviado por Odebrecht a dois colegas de trabalho em 13 de julho de 2007 com a mensagem: “Afinal vocês fecharam com o amigo do amigo do meu pai?”.

Na época, o advogado Adriano Maia, um dos integrantes do corpo jurídico da Odebrecht, respondeu. “Em curso”. A troca de e-mails estava relacionada a entraves jurídicos envolvendo as hidrelétricas do Rio Madeira, de responsabilidade da Odebrecht. O amigo do amigo do meu pai seria, teoricamente, o presidente do STF, Dias Toffoli, quando atuava pela AGU.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

24 comentários Ver comentários

  1. O problema desse impasse está na Presidência do Senado, que abriga um corrupto q não cumpre seu papel constitucional. Esses ministros lobistas corruptos do supremo precisam ter seus impeachments pautados .

  2. Não vai dar em nada. Se tiver denuncia ele será julgado pelo STF, e já sabemos o resultado. O mesmo vale para os corruptos do Senado, nunca irão pautar impeachment de ministros do Supremo. Esse é o país que temos.

  3. Fica aí sugestão de reportagem para próxima edição da revista. Oeste poderia investigar mais a fundo essa acusação do Odebretch.

    1. Fake News agora serve para tudo e para não se explicar nada.a palavra magica-biombo, onde se escondem os que simplesmente argumentam com a negativa.

      1. Esse senhor já não deveria edtar no STF, por falta do famoso “notório saber jurídico”, já que o cara não passou em concurso pra juiz, por duas vezes. Um incompetente.
        Agora vem mais essa.
        Senadores de Minas, Viana, Rodrigo Pacheco e Anastasia, cadê o saco roxo pra assinar a lava-toga???

    1. Eis o grande perigo de aprovação do PL 2630, pois o conceito de fake News fica muito genérico. Neste caso, como a notícia é em desfavor do ministro, logo ele se vale do termo. Uma pergunta simples não tem resposta nem pode ter. Quem estará autorizado a dar autenticidade ou dar como falsa as notícias. Viu o perigo? Não tem como não censurar seletivamente.

    1. Se o Marcelo Odebtecht fez delação premiada, mas não comprova o que delatou, se é fake news – como o ministro diz, segundo a matéria publicada -, por que o benefício dessa delação não é cancelado? Há seletividade no combate às fake news?Todas as fake news não devem ser combatidas? Não seria prudente punir o sr. Marcelo Odebrecht?

      1. Meu filho, se o Marcelo Odebrecht falar sem prova, ele perde a liberdade dele. Logo, se ele abriu a boca é pq tem como provar. E pelo que ouvi, há registros num dos HDs que ele entregou a PF.

      2. Mas a Crusoé voltou a circular com o toffoli na capa depois que foi provado que a matéria era verdadeira. Então a verdade já foi apurada. Você tem que renunciar ao cargo supremo que ocupa, pois lhe falta dignidade para tanto.

      3. Entao ANTONIO JOSÉ MONTEIRO ROCHA, o presidente do SFT precisa falar que Fake News e a fala do Marcelo Odebrecht, o presidente diz que a materia e falsa, o jornal teve acesso ao inquerido. Ja é a segunda-vez que o nome do presidente aparece ligado a Odebrech.. Precisa vim a puplico e falar que o dono da empreiteira mente e nao as materais.

    2. Será que Toffoli vai acionar o Alexandre Torquemada para enquadrar os editores da Vortex Mídia no inquérito inconstitucional das fake news e mandar prendê-los também ou censurar o site como o fez com a Crusoé?

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.