Fux suspende eleição indireta para o governo de Alagoas

Por trás da disputa, o presidente da Câmara, Arthur Lira, e o senador Renan Calheiros
-Publicidade-
O ministro Luiz Fux,  presidente do STF, suspendeu o processo de sucessão estadual em Alagoas | Foto: Nelson Jr./SCO/STF
O ministro Luiz Fux, presidente do STF, suspendeu o processo de sucessão estadual em Alagoas | Foto: Nelson Jr./SCO/STF

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, suspendeu a eleição indireta para governador de Alagoas, marcada para esta segunda-feira (2). A decisão é provisória, e vale até o relator do caso, ministro Gilmar Mendes, se manifestar.

A eleição indireta foi marcada pela Assembleia Legislativa depois de uma sucessão de problemas que foram parar na Justiça. Renan Filho (MDB), governador eleito em 2018 e filho do senador Renan Calheiros, também do MDB e um dos chamados caciques políticos alagoanos, renunciou no início de abril para poder disputar uma vaga ao Senado nas eleições de 2 de outubro.

-Publicidade-

Na sequência, os sucessores naturais não assumiram: nem o vice-governador Luciano Barbosa, eleito em 2018, que se tornou prefeito de Arapiraca em 2020, nem o presidente da Assembleia Legislativa, Marcelo Victor, que é candidato à reeleição e ficaria impedido de concorrer se fosse para o mandato tampão no Executivo.

Assumiu temporariamente o presidente do Tribunal de Justiça, Klever Loureiro, por 30 dias, e a Assembleia, cumprindo a lei, marcou a eleição de um novo governador, pelos próprios deputados, para terminar o mandato de Renan Filho, até o fim do ano.

Alagoas: Lira x Renan

O PSB de Alagoas recorreu à Justiça. Alegou que a eleição indireta é “notadamente incompatível com os ditames das Constituições Federal e Estadual, eis que contraria as mais basilares garantias correspondentes à legitimidade do pleito”. Ganhou em primeira instância, mas na sexta-feira, 29, o Tribunal de Justiça derrubou a liminar, e confirmou a escolha do governador tampão para esta segunda-feira, 2.

O PSB ainda tentou reverter a situação no Superior Tribunal de Justiça, sem êxito. Agora, com a manifestação de Fux, tudo fica parado de novo. Quem também tem muito interesse nessa questão levada ao STF é o PP, partido do presidente da Câmara dos Deputados, o alagoano Arthur Lira, aliado do presidente Jair Bolsonaro (PL) na campanha para a reeleição. E quem tenta manter sob controle a política em Alagoas é o senador Renan Calheiros, que está do lado oposto, apoia o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). 

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.