Geraldo Alckmin vira réu na Lava Jato

Justiça Eleitoral aceita denúncia contra o ex-governador de SP
-Publicidade-
O ex-governador paulista Geraldo Alckmin | Foto: REPRODUÇÃO/FOLHA RONDONIENSE
O ex-governador paulista Geraldo Alckmin | Foto: REPRODUÇÃO/FOLHA RONDONIENSE | geraldo alckmin - reú - lava jato - justiça eleitoral

Justiça Eleitoral aceita denúncia do Ministério Público contra o ex-governador de São Paulo

geraldo alckmin - reú - lava jato - justiça eleitoral
O ex-governador paulista Geraldo Alckmin | Foto: REPRODUÇÃO/FOLHA RONDONIENSE

Réu em processo que investiga os crimes de caixa dois, corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Assim pode ser definido Geraldo Alckmin desde o início da noite desta quinta-feira, 30. Isso porque a Justiça Eleitoral de São Paulo acatou denúncia feita pelo Ministério Público paulista.

-Publicidade-

Leia mais: “Após decisão de Toffoli, juiz suspende ação que tornou José Serra réu

De acordo com os procuradores, o ex-governador de São Paulo e candidato do PSDB à presidência da República em 2018 teria recebido mais de R$ 11 milhões em propina financiada pela Odebrecht. Conforme acusação formulada pelo MP, o montante teria sido parcelado em duas campanhas eleitorais. Primeiramente, em 2010, o tucano teria recebido R$ 2 milhões. Quatro anos mais tarde, a suspeita é de que a empreiteira tenha desembolsado ilegalmente R$ 9,3 milhões.

“Indícios suficientes de materialidade [de crimes]

Alckmin torna-se réu pois o juiz Marco Antonio Martin Vargas, titular da 1ª Zona Eleitoral da capital, entendeu que a denúncia do MP precisa ser apreciada pelo Poder Judiciário. Em sua decisão, o magistrado afirma, por exemplo, que há “indícios suficientes de materialidade [de crimes]” contra o ex-governador.

Apelidos

Além de ter se tornado réu no âmbito Lava Jato, uma vez que as denúncias são relativas à operação conduzida pela Polícia Federal, Geraldo Alckmin vê seus supostos apelidos junto ao departamento de propina da Odebrecht serem revelados. A denúncia do MP afirma que executivos da empresa se referiam ao político do PSDB como “Belém”, “Bolero”, “Meia”, “Pastel” e “Pudim”. Em outro momento, o codinome dele chegou a ser ventilado como “Santo”.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

  1. Demorou muito !
    Ou será que seria Santo ?
    Sempre são pegos no caixa 2 para eleições futuras !
    E tudo isso sempre será desta forma,pois uma reeleição custa muito dinheiro !
    Imaginar que o atual presidente elegeu se com uma soma ínfima de dinheiro !
    A exceção da exceção!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.