O STF se prepara para agredir a religião

O alvo são os templos evangélicos, um dos piores pesadelos da esquerda, do 'centro liberal' e das classes pensantes deste país
-Publicidade-
Já estão sendo agredidas, há mais de um ano, as liberdades de ir e vir dos brasileiros
Já estão sendo agredidas, há mais de um ano, as liberdades de ir e vir dos brasileiros | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

(J.R. Guzzo, artigo publicado no jornal O Estado de S. Paulo em 7 de abril de 2021)

Supremo Tribunal Federal (STF), com a cumplicidade ativa de governadores, prefeitos e a militância em favor do “fecha tudo” geral, e com o amplo apoio da mídia e do restante da elite nacional, se prepara para executar o pior ataque contra a liberdade de religião que o Brasil já sofreu — pelo menos desde que foi estabelecido por lei que Estado e Igreja são separados, não podem interferir um no outro e cada cidadão é livre para praticar as suas crenças religiosas e frequentar os cultos que bem entender. A desculpa deste último ataque aos direitos do cidadão é, mais uma vez, a covid — para “evitar aglomerações”, o STF pode proibir que o público frequente missas, orações e cerimônias espirituais de qualquer natureza.

O ministro Gilmar Mendes abriu o tiroteio, votando pelo fechamento das igrejas na sessão plenária que vai decidir sobre a questão. Alegou que o Brasil se tornou um “pária” mundial no tratamento da covid e, por isso, as pessoas não podem mais fazer suas devoções em público. Não explicou por que, objetivamente, o Brasil é um “pária” comparado a outros países de primeira linha — mas desde quando um ministro do STF precisa apresentar algum motivo decente para baixar os seus decretos? O Supremo só decide; todos os demais só obedecem. A votação começou, foi suspensa e recomeça nesta quinta-feira.

-Publicidade-

A parceria da alta hierarquia da Igreja Católica no voto de Gilmar, as profissões de fé dos comissários do coronavírus e as piedosas garantias dos políticos de que a liberdade religiosa está “garantida” só mostram o quanto é hipócrita a ofensiva contra o culto — o alvo real, de novo, são os templos evangélicos, um dos piores pesadelos atuais da esquerda, do “centro liberal” e das classes bem pensantes deste país. As entidades religiosas “chapa branca” podem divulgar notas de apoio à proibição, mas nada disso muda a natureza do que está sendo feito: uma agressão direta e aberta às igrejas mais frequentadas hoje pela maioria da população brasileira. Serão os seus fiéis — e não os católicos, budistas ou muçulmanos, que formam a minoria do universo religioso do Brasil — os mais atingidos pela proibição.

Se ir ao templo é “aglomeração” e provoca contágio, porque viajar todos os dias de metrô, ônibus e trens urbanos continua sendo permitido? O vírus, por acaso, não frequenta o transporte coletivo? Só em São Paulo, cerca de 8 milhões de pessoas viajam diariamente no sistema ferroviário metropolitano. Tudo bem, aí? O fato é que os mandarins do “distanciamento social” precisam que o metrô funcione para garantir o seu bem-estar pessoal — afinal das contas, os trabalhadores do supermercado, da farmácia, dos serviços públicos e milhões de outros têm de suprir as necessidades de quem manda. Isso exige que eles continuem comparecendo diariamente ao local de trabalho; para tanto, são obrigados a se amontoar no transporte coletivo. Mas nesse caso não é “aglomeração”.

Já estão sendo agredidas, há mais de um ano, as liberdades de ir e vir, de reunião, de exercício legal da atividade econômica e tantas outras, sempre em nome da “segurança sanitária”, e com o alto propósito de “salvar vidas”. A cada dia vai ficando mais difícil recuperar cada uma delas: muitos dos que são responsáveis pela atual supressão de direitos estão bem pouco interessados em sua volta.

Leia também: “As arbitrariedades do lockdown, reportagem publicada na Edição 54 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

34 comentários Ver comentários

  1. A coisa parece que agora ficou preta para os líderes religiosos. Ou “partem para cima”, dando testemunho de tudo o que pregam brilhantemente nas igrejas, ou então “se calem para sempre”.

  2. Alguém, por acaso, em um singelo e inofensivo exercício de conjectura, já parou para considerar a possibilidade, ainda que remota, acerca da importância que recai sobre os ombros da população, e não de OUTROS, em assumir a responsabilidade sobre o que testemunhamos em termos de deformação social no Brasil? O Presidente isso… o STF aquilo… o Congresso aquilo outro… Deslocar o eixo de responsabilidades só revela mais uma faceta lamentável do quadro de degradação moral vigente, e que vem sendo aprimorado nos últimos 50 anos; infelizmente, sem data para interrupção.

    Francamente me escapa a compreensão para solucionar a grande dificuldade em se dizer: “Chega, Kalil! Acabou para você, Doria! Chega, Grecca!”. Aparentemente, aqueles com meios (notoriedade e recursos financeiros) para fazê-lo decidiram cruzar os braços, seja por “não ser tarefa deles, já que apenas constroem uma análise política do fenômeno”, ou pela plácida conveniência de esperar o surgimento de alguma mobilização, visto que seria arriscado assumir um protagonismo.

    Bem, senhores, os ratos estão fazendo apenas aquilo que lhes permite sua natureza. Mas, cabe a cada um de nós lembrar que todos foram eleitos e, por sua vez, endossaram o panorama grotesco que nos aflige e desola como nação.

  3. Mais de ano de lockdowns, quarentenas, “distanciamento social”, álcool gel, máscaras obrigatórias, e a doença AUMENTOU. Vai ver é que nem os comunistas falam, não funcionou porque não fizeram bastante, tem de continuar a trancar tudo, usar três máscaras (não importa que não dê pra respirar), passar álcool gel até no rabo e ficar em casa por mais uns cinco anos. E se continuar a não funcionar, a solução é ficar fazendo a mesma coisa…

  4. O STF é um esgoto tão fedorento, mas tão fedorento, que do Oiapoque ao Chuí dá para sentir o cheiro de carniça que exala daquele antro.

  5. Ontem um jurista comentou nos “Pingos nos I´s”, da Jovem Pan, que o Ministro Gilmar Mendes discorreu em suas 2 horas de voto sobre diversos assuntos, mas curiosamente não atentou para o Artigo 5° da CFB: “VI – é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;” que seria a questão jurídica a ser levada em conta no debate.
    É triste constatar nos fatos que as liberdades invioláveis e asseguradas em Constituição podem ser relativizadas tão facilmente, por motivos que levam em conta tudo menos nós, o povo brasileiro.

  6. Torço muito por um ataque cardíaco, AVC ou covid, venha a fatalizar esse verme do STF, só assim nós veremos livres da canalhice.

  7. Deus, o que está acontecendo com o Brasil? Homens maus parecem prosperar cada vez mais contra as coisas mais sagradas que temos, a liberdade, a crença, a fé…Onde está a bancada evangélica da Câmara? Onde estão os senadores que se dizem evangélicos? E os políticos católicos? Onde estão? O que está acontecendo com a imprensa, que por uma aversão ao presidente da República, abriu mão de todos os mais virtuosos valores de uma democracia? Está muito difícil. Esse rolo compressor de direitos me lembra Estados autoritários, regimes de exceção, o nazismo, fascismo, comunismo. Nossa democracia desfalece a cada dia… 🙁

  8. “A Religião é a guardiã da Moral”; um grande número de pessoas concorda com isso. Os templos religiosos oferecem esta guarda, além de proporcionar conforto espiritual e a sensação de “contribuição ativa” aos fiéis quando depositam seus dízimos. Contudo (separando um exemplo isolado em meio a outros tantos na mesma condição), a Dinamarca, uma monarquia escandinava apresenta um fenômeno intrigante, qual seja, seus templos para cultos religiosos ou práticas de crenças diversas estão fechados. Uma das mais fortes, senão a predominante razão é que a Dinamarca está entre os países (em sua maioria monarquias parlamentares) com elevado IDH – Índice de Desenvolvimento Humano, pois os Estado supre o conforto moral, espiritual, dogmático, filosófico, psicológico, numa palavra, o povo vive contente e satisfeito em um país que não necessariamente deva ser socialista. O Brasil está bem distante desses “índices elevados”, o povo não está contente, não está satisfeito e não tem para onde correr a não ser para o refúgio de um templo espiritual. E é aqui que os doutos “supremacistas da toga” do STF, nesta nossa democracia “iliberal” erram, para ficar claro desacertam nas suas dosimetrias delirantes de jalecos negros na seara que é de competência exclusiva dos jalecos brancos.

  9. Parabéns, Guzzo! Trata-se de clara perseguição a cristãos crentes conservadores. Nada mais. A omissão da CNBB, tão falante sobre tudo, diz tudo.

  10. Como pode o país ter um ministro desse ?
    Gilmar quer fazer politica e oposição ao governo , tem que se candidatar !
    mas isso ele não tem coragem e nem é homem para isso , se esconde atrás do falso poder de STF !
    Até quando o povo vai aguentar isso ?

  11. ABRA OS OLHOS POVÃO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! QUEM SABE FAZER AS QUATRO OPERAÇÕES ARITMÉTICAS PERCEBE, COM CLAREZA SOLAR, A MANIPULAÇÃO IMPOSTA A TÍTULO DE SE SALVAR VIDAS. EXPLICAÇÃO: TOME-SE O NÚMERO TOTAL ATUALIZADO DOS MORTOS PUBLICADOS PELA IMPRENSA, SUPONDO-SE QUE TODOS TENHAM MORRIDO DE COVID. DEPOIS DIVIDE-SE POR 365, QUE EQUIVALE A TODOS OS DIAS DO ANO. CHEGA-SE ENTÃO AO NÚMERO MÉDIO DIÁRIO DE MORTOS. DEPOIS DIVIDE-SE POR 27, QUE EQUIVALE AO NÚMERO TOTAL DE ESTADOS DO PAÍS, MAIS O DISTRITO FEDERAL. CHEGA-SE AO NÚMERO MÉDIO DE MORTOS POR ESTADO E DISTRITO FEDERAL!!!!! A MANIPULAÇÃO FICA ENTÃO ESCANCARADA!!!!!PODE-SE, AINDA, DIVIDIR O NÚMERO MÉDIO DE MORTOS POR ESTADO POR 5500, EQUIVALENTE A POUCO MENOS DO NÚMERO DE MUNICÍPIOS BRASILEIROS E SE COMPROVARÁ QUE É M A T E M A T I C A M E N T E IMPOSSÍVEL QUE ESSA PANDEMIA TENHA SE ALASTRADO POR TODOS OS MUNICÍPIOS DO PAÍS !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  12. A cada momento a liberdade é aniquilada. O presidente Jair Messias Bolsonaro acho que já deveria ter renunciado em favor do General Mourão, que já teria implantado um ditadura de direita. Pelo menos essa ditadura não teríamos a obrigaçãode sermos bandidos, viados, sapatões e tudo que não presta. Sendo uma ditadura de esquerda todos seremos obrigados a ser tudo que não presta..

  13. Foi Gilmar Mendes quando Advogado Geral da União quem disse que as decisões do STF são de um “manicômio judiciário”, e assim que foi indicado por FHC para ministro dessa Corte, foi recebido por seus pares com um, “bem vindo ao manicômio”.
    Suas decisões tem representado bem esse comportamento, tanto que o ministro Barroso, também de estranhos comportamentos e que se julga SUPERIOR assim o atacou: “você é uma pessoa horrível, uma mistura do mal com o atraso e pitadas de PSICOPATIA”.
    Afinal, com semelhante comportamento da maioria dos ministros, nosso STF não é também um PÁRIA nas Cortes Jurídicas Internacionais?

  14. O STF, além de facção criminosa, é um órgão composto por esquerdopatas autoritários e ditatoriais. Assim como acontece na ditadura chinesa, esse tipo de gentalha odeia as religiões pois a única religião que eles gostam, o único deus que adoram, é o marxismo, é o estado totalitário onde nenhuma liberdade é permitida (menos para eles, é claro, que continuarão a comer lagostas e beber vinhos caríssimos durante o expediente – tudo pago por nós).

  15. O níveo dos ataques subiram, bem alto, e atingiu os CÉUS. A guerra não é mais nossa, mas de DEUS. Pobre STF!!
    #ElShaddai (Deus Todo Poderoso)
    #Shaphatar (JUIZ)
    #Tsidikenu (Minha Justiça)

  16. Toda orquestração contra os direitos civis nasceram dentro do Supremo Tribunal Lula da Silva Federal. Este Tribunal deveria ser implodido com todos os Ministros dentro, exceto por alguns!

  17. Tem como amenizar a pandemia é só seguir o protocolo de Porto Feliz e Porto Seguro, estou seguindo á um ano e posso afirmar com certeza que eles são eficientes. Mas na maioria preferem seguir o Dória e o Mandetta que são adeptos da “Ciência que mata “

  18. Gostaria que o presidente fosse enérgico o suficiente para garantir ao povo, pelo menos aos que depositaram seu voto nele, como eu, o direito de ir e vir, de trabalhar, de rezar, etc. Agradeço muito pelo excelente trabalho técnico da maioria dos ministros nomeados, pela ética quanto ao tema corrupção, pela resiliência de lutar contra um congresso omisso, um judiciário corrompido e uma mídia militante e vendida. Mas, infelizmente, continuamos sem os direitos básicos que a constituição nos garante. Literalmente. Portanto, Sr Presidente, suba alguns degraus e assuma o papel do garantidor máximo dos nossos direitos, uma vez que só podemos contar com você, caso contrário, em breve, mas precisamente em 2022, quando o Sr for deposto por um golpe, todo o trabalho digno feito e escrito acima cairá no esquecimento da história brasileira. A máxima “estou fazendo minha parte”, não vale para o Sr, faça para os mais de 57 milhões de brasileiros que acreditaram e depositaram a confiança no Sr, que torcem por um Brasil melhor e que estão ao seu lado, pelo jeito o último bastião da nossa triste e sofrida nação.

    1. A pergunta é: o presidente tem como meter a mão na mesa? Temos uma força militar disposta a agir pra garantir a Constituição, caso seja acionada? Não temos, infelizmente! E os nossos inimigos já sabem disso.

      1. As portas do inferno não prevalecerão contra a igreja do senhor Jesus.
        Estes militantes de toga irão pagar caro por esta afronta.
        Mais vale obedecer a Deus do que agradar aos homens.
        A igreja evangélica brasileira deverá enfrentar esta ditadura. Há vários pastores que já estão pregando que se houver uma perseguição a fé cristã, os crentes deverão desobedecer o estado. Que assim seja.
        Tomara que o presidente Bolsonaro tome atitudes contra este bando que estão roubando a fé, o trabalho e a liberdade do povo.
        Que Deus nos ajude!

    2. Tenho 65 anos e jamais imaginei ver a nação brasileira passar por uma coisa dessas: democracia e ditadura convivendo juntas, lado a lado. Eu sempre pensei que eram excludentes entre si. Agora estou convicto de que o problema de nosso país já não é mais a pandemia, é a falta de grandes homens.

  19. A pergunta é: Uma vez que os senadores, os responsáveis por parar a sanha assassina do stf é omisso por genuflexão ou medo de represália, ou covardia mesmo, por que o povo não parte para desobediência civil? “Na eventualidade de um governo vigente não satisfazer as exigências de sua população, esta tem o direito de desobedecê-lo” (wikipedia). Eis a solução!

      1. Concordo 100%. Porem, como dizem que o “traído é o ultimo a saber”, mas quando sabe reage, quem sabe se o povo, tal e qual, não mais suportando tanto descaso comece mesmo sem liderança? Tudo é possível, inclusive nada!

    1. Quando quase todos os focos de comando de uma nação estão podres, realmente restaria ao povo uma última tentativa: desobediência civil ou revolução armada. O problema é que a podridão dos comandantes também já contagiou grande parcela do povo. Homens fracos criam tempos difíceis.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.