Perto da campanha eleitoral, governadores planejam reajuste salarial dos servidores

Elevação no rendimento do funcionalismo público está impedida até o último dia de 2021
-Publicidade-
O governador do Amazonas, Wilson Lima (PSL-AM)
O governador do Amazonas, Wilson Lima (PSL-AM) | Foto: Reprodução/Twitter

Em 2022, pelo menos 14 governadores pretendem promover o aumento dos salários do funcionalismo público. As categorias mais beneficiadas devem ser professores e policiais. A elevação no rendimento dos servidores está impedida até o último dia de 2021. A medida foi adotada em razão do socorro de R$ 125 bilhões feito a Estados e municípios para o enfrentamento da pandemia.

Leia também: “Governador petista inaugura semáforo no Piauí”

De acordo com o jornal o Estado de S.Paulo, 17 governadores devem tentar a reeleição no próximo ano. Entre eles, nove já manifestaram a intenção de fazer os reajustes. Na lista, o governador Wilson Lima (PSL-AM) assume que as pressões crescem em ano eleitoral.

-Publicidade-

“Estamos finalizando os estudos para definirmos os porcentuais do reajuste, que será concedido para todas as categorias”, disse Lima, que pretende anunciar o aumento dos salários no Dia do Servidor. “Ao menos a correção inflacionária vamos dar, é inevitável. Em ano eleitoral, as pressões pelo aumento vêm de todos os lados”.

O recorde gastos está no Rio de Janeiro. A Assembleia Legislativa aprovou um projeto que autoriza a elevação de 22% para os vencimentos de 432 mil servidores que estão sem recomposição desde 2014. A proposta terá o impacto de R$ 6 bilhões nos cofres fluminenses e teve o apoio do governador Claudio Castro (PSC-RJ), no poder desde o impeachment de Wilson Witzel (PSC-RJ).

O deputado estadual Luiz Paulo (Cidadania-RJ), um dos autores da medida, vê na proposta a forma de mitigar as perdas ao logo dos anos. Contudo, nega o cunho eleitoral. “É evidente que existe um conteúdo político eleitoral atrás de tudo”, comenta. “Já viu algum governador que é candidato à reeleição que não tenha um conteúdo neste sentido?”.

Em Santa Catarina, Carlos Moises (PSL-SC), enviou dos projetos para a Assembleia do Estado com o intuito de providenciar os reajustes salariais dos servidores. O custo estimado ficou em R$ 1,2 bilhão. Depois de resistir a duas tentavas de impeachment, o político ainda procura um partido para tentar a reeleição.

No Mato Grosso, a Lei Orçamentará aprovada para 2022 inclui R$ 500 milhões para serem gastos nos aumentos remunerações. Tudo dentro da “capacidade financeira e de pagamento”, afirma o secretário da Fazenda do Estado, Rogério Gallo.

Até mesmo governo mineiro, sob a condução do liberal Romeu Zema (Novo-MG), flerta com a elevação salarial. Contudo, a secretária de Planejamento e Gestão de Minas Gerais, Luísa Barreto, alerta que a decisão está condicionada a dois fatores: a aprovação pela Assembleia Legislativa do projeto de adesão ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF) e a manutenção da suspensão do pagamento da dívida do Estado com a União.

“Nossa situação fiscal é muito complexa”, disse Luísa. “Só agora estamos conseguindo pagar os salários em dia. Sabemos, no entanto, que a inflação reduziu muito o poder de compra dos funcionários e, por isso, analisamos com cautela a possibilidade de correção pela inflação. Mas só vamos resolver isso ano que vem, depois de sabermos se seguimos com a liminar que suspende a nossa dívida”.

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.