-Publicidade-

Polícias reagem ao STF e alertam para aumento de mortes em favelas

Corporações garantem que, depois da decisão da Corte de limitar a atividade dos agentes em comunidades, cresceram os assassinatos e as disputas entre facções
Suprema Corte entendeu que as operações da polícia têm de ser limitadas nas favelas durante a pandemia de coronavírus | Foto: TÂNIA REGO/AGÊNCIA BRASIL
Suprema Corte entendeu que as operações da polícia têm de ser limitadas nas favelas durante a pandemia de coronavírus | Foto: TÂNIA REGO/AGÊNCIA BRASIL | Suprema Corte entendeu que as operações da polícia têm de ser limitadas nas favelas durante a pandemia de coronavírus | Foto: TÂNIA REGO/AGÊNCIA BRASIL

Corporações garantem que, depois da decisão da Corte de limitar a atividade dos agentes em comunidades, cresceram os assassinatos e as disputas entre facções

polícias
Suprema Corte entendeu que as ações da polícia têm de ser limitadas nas favelas durante a pandemia de coronavírus | Foto: TÂNIA REGO/AGÊNCIA BRASIL

Depois de o Supremo Tribunal Federal (STF) confirmar a decisão liminar do ministro Luiz Edson Fachin que restringiu operações da polícia em favelas, as polícias Civil e Militar do Rio de Janeiro divulgaram uma nota conjunta em que manifestam preocupação com a medida.

Conforme o documento redigido pelas duas corporações, desde a limitação da atividade policial nas comunidades houve “aumento no número de confrontos entre grupos rivais por domínio de território”. Oeste noticiou que traficantes iniciaram a expansão de seus domínios.

Ainda de acordo com a nota, um levantamento da Polícia Civil aponta que, nos 60 dias da vigência da liminar de Fachin, pelo menos 10 pessoas foram mortas — incluindo dois policiais em serviço e crianças. Além disso, 13 pessoas ficaram feridas em 50 confrontos entre facções criminosas no Rio.

Leia o documento das Polícias Civil e Militar do Rio

“As Polícias Civil e Militar respeitam a decisão do STF e informam que cumprirão integralmente o que foi determinado. No entanto, veem com extrema preocupação a restrição à operacionalidade em territórios disputados entre grupos de criminosos, que impõem o terror a milhares de pessoas.

Levantamento da Secretaria de Polícia Civil aponta que, em 60 dias de vigência da decisão do STF, pelo menos dez pessoas foram mortas. Incluem-se dois policiais militares em serviço e crianças, e ao menos 13 foram feridas, em virtude de cerca de 50 guerras territoriais entre facções criminosas. Ainda segundo a Polícia Civil, de 1.413 comunidades em todo o Estado, 81% têm atuação de grupos que exploram o tráfico de drogas. E 19% são exploradas por milicianos, com disputas territoriais frequentes entre quatro organizações criminosas.

A análise mostrou ainda que existem 56.620 criminosos em liberdade portando armas de fogo de grosso calibre. E trabalhando para o tráfico de drogas ou grupos milicianos em todo o Rio de Janeiro.

De acordo com informações da Polícia Militar, após a restrição das ações policiais, houve um aumento significativo do número de confrontos entre grupos rivais por domínio de território. A quantidade de barricadas erguidas por criminosos também aumentou e estão se expandido para as vias urbanizadas.

Por fim, vale ressaltar que as polícias já realizam suas operações dentro da excepcionalidade prevista, cumprindo todas as exigências legais e os protocolos técnicos, para preservar vidas de moradores e dos policiais”.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

10 comentários

  1. Alguem tem que tomar uma atitude contra essa vergonha que e o STF eles tao protegendo seus amigos traficantes cade os senadores eu ja sou a favor de fechar essa tres casas de luz vermelha e prender todo eles e mandar esses tralhas quebrarem pedra

    1. Nao sera uma resposta ofensiva porem sincera, quando ou sempre que hoverem mortes nas favelas, inveis de chamarem o rabecao para resgate dos corpos, requisitem o STF para esse translado, so isso deixe se aclomeraren, apesar que sao vidas perdidas de seres humanos, mas perdidas e niquem pode fazer voltar.

  2. Fachin era advogado do MST, por aí, avaliem. Até nisso o STF se mete. Toda hora eles aprontam alguma, e não vejo ninguém falar na orquestração adredemente preparada, sim… E os ventríloquos estão se lixando para a opinião da sociedade, seus projetos deletérios estão plenamente em curso, e ninguém faz nada de concreto para deter o estado de coisas. Senado??? Senado??? Sistema bicameral para quê? Calhordas.

    1. Os ministros ainda vão dizer que a decisão não proíbe a atuação da Polícia Militar nas favelas e a realização de investigações pela Polícia Civil, que não proíbe o combate à criminalidade. A responsabilidade é do Presidente, do Governador, etc. Deles, não.

  3. A realidade é de que o stf está liberando para os TRAFICANTES e milicianos guerrearem entre si, e assim firmar uma FACÇÃO mais forte e coesa, pois é assim , entre um combate d OUTRO que CRIMINOSOS se acertam e se apoiam, é o que ocorreu e ocorre nas mafias italianas , russas, chinesa, japonesas e agora está ocorrendo no Brasil com autorização do stf……..querem eliminar o CRIME ou querem fortalecer está corja?????

  4. Mais uma decisão irresponsável dessa corte que não se cansa de afrontar o povo brasileiro. Espero que um dia a justiça de Deus cobre esses ministros por cada uma dessas mortes.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês