Presidente do Inep é exonerado do governo federal

Órgão é o responsável por realizar o Enem
-Publicidade-
Alexandre Lopes, agora ex-presidente do Inep
Alexandre Lopes, agora ex-presidente do Inep | Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Mudança na equipe do Ministério da Educação (MEC). Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), órgão vinculado à pasta e que é responsável pela realização do Enem, Alexandre Lopes foi exonerado. A saída dele do cargo foi publicada na edição desta sexta-feira, 26, do Diário Oficial da União (DOU).

Leia mais: “Empresa de Jorge Paulo Lemann compra 51 escolas de uma só vez”

-Publicidade-

Lopes estava na função desde maio de 2019. A presidência do Inep foi a segunda missão exercida por ele durante o governo do presidente Jair Bolsonaro. De janeiro a maio de 2019, desempenhou a função de diretor legislativo da Casa Civil da Presidência da República.

Antes de assumir cargos no governo Bolsonaro, o agora ex-presidente do Inep tinha bagagem na política. Foi chefe de gabinete do governador do Distrito Federal e subsecretário de Políticas Públicas da Secretaria de Estado da Casa Civil e Relações Institucionais e Sociais do governo do Distrito Federal.

Bacharel em Direito pela Universidade de Brasília, Alexandre Lopes também conta com graduação em Engenharia Química pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. O nome de seu substituto na presidência do Inep ainda não foi divulgado.

Projetos apresentados

De saída do Inep, Alexandre Lopes realizou ações no decorrer dos últimos dias. De acordo com a Agência Brasil, ele apresentou o cronograma de 2021 do órgão para o Conselho Nacional de Educação. Além disso, organizou apresentação para defender atualização da lei do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior.

“Iniciar um debate em torno do tema [ensino superior]

A apresentação organizada por ele definia o objetivo de “iniciar um debate em torno do tema [ensino superior]” para, consequentemente, ajudar o governo federal a chegar “a uma minuta de projeto de lei que reúna os consensos em relação a possíveis avanços na legislação”.

Leia também: “A formação que deforma”, matéria da editora Branca Nunes publicada na capa da Edição 37 da Revista Oeste

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.