Saída de Weintraub não deixa saudades no Congresso

À exceção de deputados bolsonaristas, saída de Weintraub é vista até como alívio por parlamentares. Expectativa é de que sucessor tenha articulação com o Parlamento
-Publicidade-
Senador Izalci Lucas (PSDB-DF): na mira do governo 
Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado
Senador Izalci Lucas (PSDB-DF): na mira do governo Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

À exceção de deputados bolsonaristas, saída de Weintraub é vista até como alívio por parlamentares. Expectativa é de que sucessor tenha articulação com o Parlamento

contas-bolsonaro-izalci-lucas
O senador Izalci Lucas (PSDB-DF) avalia que saída de Weintraub abre espaço para a escolha de alguém comprometido com a educação
Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado
-Publicidade-

A saída de Abraham Weintraub do governo gerou uma rápida repercussão política. À exceção de aliados do presidente Jair Bolsonaro, é quase unânime o sentimento de que ele não deixará saudades. A análise é de que a educação brasileira está estagnada e precisa de um novo comando capaz de conduzir a pasta com equilíbrio e bom relacionamento junto aos demais poderes.

O deputado federal Carlos Jordy (PSL-RJ), vice-líder do governo na Câmara, é um dos que se posicionou em tom de gratidão a Weintraub. Parlamentar da base de apoio direto a Bolsonaro, ele agradeceu os feitos do agora ex-ministro. “Obrigado por tudo que o senhor fez pela educação, pelo governo e pelo Brasil”, destacou.

O elogio foi sucedido de uma alfinetada a Sérgio Moro, ex-ministro da Segurança Pública. Jordy não o citou nominalmente, optando por uma critica velada. “Entrou desconhecido e saiu um gigante. Diferentemente de um falso herói que tivemos entre nós, saiu com postura e hombridade. Boa sorte em sua nova jornada!”, sustentou.

O deputado Tiago Mitraud (Novo-SP) considera tardia a exoneração de Weintraub
Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Saída tardia

A análise feita por Jordy ficou limitada aos parlamentares mais ligados a ele. O deputado Tiago Mitraud (Novo-MG), responsável por capitanear as pautas de educação no partido, avalia que Weintraub não deixará saudades, sendo, portanto, até um alívio. “A saída já é tardia. Praticamente desde que chegou, não demonstrou ser capaz de conduzir a educação do país, tanto do ponto de vista técnico, quanto do ponto de vista comportamental”, destacou a Oeste.

O deputado não manifestou, entretanto, opção e apreço por um substituto específico. Os nomes cotados nos bastidores são os dos secretários de Educação Básica, Ilona Becskeházy, e de Alfabetização, Carlos Nadalim. Mitraud demonstrou conhecimento sobre o trabalho de Becskeházy, mas não fez uma defesa enfática.

“É uma educadora que tem muito conhecimento sobre a educação básica, mas não consigo dizer se seriam as melhores opções, ou mesmo outros nomes. O importante, ao contrário das outras duas primeiras opções de Bolsonaro, onde a questão de guerra ideológica, ao meu ver, foi priorizada, é garantir que as crianças brasileiras e jovens vão aprender o essencial na escola”, destacou Mitraud.

Comprometimento

A avaliação do senador Izalci Lucas (PSDB-DF) é semelhante. Primeiro-vice-líder do partido e vice-líder do governo no Senado, ele considera que o importante é avançar. “Agora, é a gente torcer para que entre uma pessoa comprometida com a educação e consigamos, realmente, avançar”, sustentou.

A pandemia evidenciou as claras deficiências da educação brasileira. A exemplo do acesso à tecnologia para crianças poderem estudar, quando necessário, em casa. “Temos milhões de crianças sem aula exatamente por não termos instrumentos adequados para dar a eles as condições de fazer educação à distância. Sequer tem internet, portanto, temos que recuperar esse tempo todo e tocar as propostas”, avaliou.

Membro titular da Comissão de Educação do Senado, Izalci chegou a ser cotado para ser ministro da Educação nas duas ocasiões. Durante o governo de transição, quando o escolhido foi o educador Ricardo Vélez, e antes da opção por Weintraub. O senador disse, contudo, que não recebeu nenhum convite.

“Falaram no início do governo que as bancadas da educação, da ciência e tecnologia e a evangélica manifestaram essa possibilidade. E aí foi ventilado. Mas não tive nenhum convite do presidente. É uma questão da confiança do presidente. Cabe exclusivamente a ele nomear e exonerar, não a mim ou a qualquer outro parlamentar”, comentou a Oeste.

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 comments

  1. mitraud é uma decepção que estaria mais a vontade no psdb. Weintraub foi um excelente ministro da educação e a guerra ideológica a que o sujeito do novo se referiu se chama tirar nossas crianças das garras da doutrinação globalista esquerdopata. Precisamos de mais ministros que entendam isso. E mais congressistas também.

  2. Pode até entrar uma pessoa mas moderada, porém, a linha ideológica não vai mudar, apenas vai ser exercida sem estardalhaço, e na ponta o que importa é o resultado. Acredito que o presidente vá indicar um interino e deixar a poeira abaixar como fez na saúde.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site