Pular para o conteúdo
publicidade
Foto: Shutterstock
Edição 117

Imprensa em campanha

O ódio a Jair Bolsonaro transformou as redações em comitês político-eleitorais empenhados em levar de volta ao poder um ex-presidente condenado por corrupção

Branca Nunes
Silvio Navarro
-

Na terça-feira 7, leitores dos principais jornais impressos ou os que navegam por grandes portais de notícias toparam com a novidade: uma tarja preta no alto das páginas com os dizeres “Dia Nacional da Liberdade de Imprensa — Uma campanha em defesa do jornalismo profissional”. Mais uma ideia do “consórcio” — um aleijão jornalístico que, durante a pandemia de coronavírus, unificou o noticiário e as opiniões dos principais veículos de comunicação.

A efeméride era o que menos importava nessa campanha. Nenhum jornal ou emissora de TV jamais celebrou esse dia. A data nunca foi lembrada nas salas das faculdades de jornalismo. A comemoração insincera não passava de outra provocação ao presidente Jair Bolsonaro, alvo da maior perseguição coletiva registrada nas redações desde o violento antagonismo que levaria Getúlio Vargas ao suicídio.

Capa da Edição 117ª da Revista Oeste | Foto: Montagem Revista Oeste

Também foi um ataque aos novos produtores de conteúdo que hoje predominam nas redes sociais e deixaram a velha imprensa para trás: os “blogueiros” — como são chamados pejorativamente. A perda de mercado publicitário em novas plataformas perturba os ex-gigantes da imprensa, que não sabem como reverter o quadro. Daí a soberba na frase: “Em defesa do jornalismo profissional”.

Foto: Reprodução

A abertura do Jornal Nacional, da TV Globo, naquela terça-feira foi um retrato de como os jornalistas vivem num mundo paralelo. Heraldo Pereira e Renata Vasconcellos ficaram em silêncio durante um minuto. Não anunciaram a tradicional escalada de manchetes e entreolharam-se duas vezes. Parte do público certamente não entendeu nada. Provavelmente, alguns telespectadores tentaram, sem sucesso, aumentar o volume do televisor.

Para o brasileiro que não frequenta redações, aquilo não fez o menor sentido. Mas, para os editores da Globo, o intuito era comover colegas de profissão — e tentar irritar Jair Bolsonaro.

Foto: Reprodução


“Despiora”

Depois de toda a histeria com as manchetes de festim da covid, tem chamado a atenção o malabarismo da imprensa com o noticiário econômico. O país reagiu com resiliência ao lockdown político de governantes determinados a sangrar o governo federal. O fôlego da economia surpreendeu bancos e consultorias de investimentos, e, apesar dos prognósticos dos especialistas de redação, não houve a anunciada recessão. O Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 1% e deve chegar a 2% em dezembro. Esse número pode ser ainda melhor, porque houve reaquecimento da indústria; depois de um período de falta de insumos chineses, o setor de serviços está a todo vapor e o agronegócio espera por uma safra boa nos próximos meses.

Outro dado importante: o desemprego caiu e o volume de empregos com carteira assinada está aumentando — foram 200 mil contratações em abril. As contas públicas também estão em ordem: o superávit primário foi de R$ 39 bilhões até abril. Segundo o Banco Central, o saldo positivo em 12 meses foi de R$ 138 bilhões — 1,5% do PIB. São números que mostram resistência ante a inflação galopante, um drama global pós-pandemia e uma guerra em curso na Europa há três meses.

Foto: Reprodução

É aí que começa o festival de conjunções adversativas que precede algo desagradável. Tornou-se quase impossível encontrar uma manchete sem “mas”, “porém”, “entretanto”. Surgem aberrações como “despiora” da economia e a tristeza no semblante da apresentadora da CNN ao comunicar que, “infelizmente, vamos falar de notícia boa”.

YouTube video

A politização da morte

Durante dois anos, os jornais estamparam nas primeiras páginas os números de mortos pela covid e destacaram o que havia de mais mortal no vírus chinês. Em nenhum outro país do mundo o presidente da República foi responsabilizado pelas mortes decorrentes da pandemia de coronavírus. No Brasil, o jornalismo de necrotério colocou na conta de Bolsonaro os mais de 600 mil mortos. Nessa época, o adjetivo genocida foi acrescentado aos já usados fascista, racista, misógino e homofóbico, fora o resto.

Com o arrefecimento da pandemia, os veículos de comunicação saíram em busca de novas acusações. O presidente foi acusado pelas secas no Sul, pelas enchentes no Nordeste, pela alta no preço dos combustíveis, pela chegada da varíola dos macacos, pela teimosia da Ômicron, pelo que não deu certo na Cúpula das Américas e pela pobreza e pela fome que nunca abandonaram o país.

A mais recente acusação responsabilizou o chefe do Executivo pela morte do jornalista Dom Phillips e do indigenista Bruno Araújo Pereira, assassinados por praticantes da pesca ilegal numa reserva indígena da Amazônia. Mesmo quando o caso foi solucionado, os jornais continuaram a insinuar que Bolsonaro era o culpado pelo crime.

Foto: Reprodução Folha de S.Paulo

Desde sempre a Amazônia sofre com o narcotráfico e tem a presença de garimpeiros e pescadores ilegais. Como lembrou Rodrigo Constantino nesta edição de Oeste, “quando a missionária Dorothy Stang foi morta, com sete tiros, em 2005, ninguém achou prudente culpar o então presidente Lula pelo episódio”.

Indulto a Lula

Em maio, a edição 112 de Oeste relembrou o memorial de escândalos que marcou a era petista no Palácio do Planalto. Não é exagero afirmar que nunca se roubou tanto dos cofres públicos. A reportagem citava personagens que um eleitor de 16 anos, apto a votar pela primeira vez em outubro, não conheceu. Mas os jornalistas sabem — ou têm a obrigação de saber — quem são esses personagens do submundo do poder: Delúbio Soares, Marcos Valério, João Vaccari Neto, Pedro Barusco, Nestor Cerveró, Renato Duque e tantos outros.

Na quarta-feira 15, a Folha publicou em seu site uma reportagem que tentava explicar por que Lula era inocente sem ter sido inocentado

Como pode um articulista que assistiu a horas de depoimentos da CPI dos Correios aceitar a volta de Lula e do PT ao poder? Como é possível um jornalista que acompanhou sete anos e 79 fases da Operação Lava Jato aceitar que o grupo condenado por formação de quadrilha retorne à cena do crime? Qual a lógica em defender a liberdade de imprensa e apoiar um candidato que promete censurar os meios de comunicação em seu programa de governo?

Há duas possibilidades de respostas: 1) os jornais, as rádios e as TVs viveram mais de uma década de bonança com as verbas de publicidade da Secretaria de Comunicação da Presidência repassadas por Lula e Dilma Rousseff; 2) #EleNão — o discurso de que Bolsonaro não pode exercer a Presidência da República simplesmente porque os jornalistas não gostam do jeito dele.

A aversão ao presidente nas redações é tamanha que o termo “bolsonarista” é usado como uma espécie de xingamento. Por exemplo: o deputado condenado é “bolsonarista”, o empresário, o blogueiro, o cineasta cujo filme o crítico não aprova etc. Não há arquivo de textos da velha imprensa citando empresários “lulistas” ou banqueiros “dilmistas”.

Foto: Reprodução Folha de S.Paulo

Na quarta-feira 15, a Folha publicou em seu site uma reportagem que tentava explicar por que Lula era inocente sem ter sido inocentado. “Lula é inocente? Sim. Não há nenhuma sentença válida atualmente contra o ex-presidente.” Segundo o palavrório, o ex-presidente chegou a ser condenado pelo então juiz Sergio Moro e por Tribunais Superiores na Operação Lava Jato, mas os processos foram anulados pelo STF. O jornal avisa que se amparou em “razões técnicas”: 1) “a parcialidade de Moro para punir o petista”; 2) “as causas deveriam ter tramitado no Distrito Federal, não no Paraná”.

Foto: Reprodução Folha de S.Paulo

O parágrafo seguinte pergunta e responde: “Lula foi inocentado? Não. Nos principais casos contra o ex-presidente e na acepção mais comum da palavra ‘inocentado’, que corresponde a absolvido, não é correto empregar o termo para se referir à situação de Lula”.

Como observou o jornalista J.R. Guzzo nesta edição de Oeste, sempre que você ler no jornal ou ouvir na televisão algo que não entende, ou que lhe parece uma cretinice, fique tranquilo — é você quem está com a razão, e não eles.

Em maio deste ano, a revista Piauí foi ainda mais explícita na campanha pelo ex-presidente. “Quando anoitecer será tarde demais para descobrir que Jair Bolsonaro cortou a energia da democracia e mergulhou o país na escuridão do autoritarismo”, afirma o texto de abertura. Depois de reconhecer que existem apenas dois candidatos com chances de ganhar as eleições, o articulista conclui que, “se ganhar, Bolsonaro não convidará seus adversários para a noite de autógrafos”. São quase 1,4 mil palavras. Não há uma única explicação para que a redação da Piauí enxergue em Bolsonaro o carrasco da democracia.

Pesquisa do dia

Outro fenômeno desta eleição é a multiplicação de pesquisas eleitorais — algo jamais visto no noticiário. São vários levantamentos semanais, feitos por institutos de todas as partes do país, alguns deles absolutamente desconhecidos, financiados por bancos, consultorias, corretoras do mercado financeiro, empresas de comunicação e até do ramo imobiliário. Os registros são feitos praticamente todos os dias no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Na quarta-feira 8, havia mais de cem pesquisas registradas em seis meses.

Se no passado esses resultados eram guardados a sete chaves por jornais e emissoras de televisão até o horário nobre para ser divulgados, hoje são publicados a qualquer hora do dia nas redes sociais. Tampouco são exclusivos para os jornalistas — clientes de bancos e consultorias, por exemplo, recebem os números via WhatsApp ou conta de e-mail, de acordo com o seu perfil.

A quantidade de números é tamanha que o UOL criou um “selo de qualidade”. O portal considera confiáveis, por exemplo, as pesquisas do Datafolha, que faz parte do mesmo grupo empresarial. O jornal O Estado de S. Paulo fez pior: inventou o que foi batizado de “agregador” de pesquisas. É uma espécie de liquidificador das diversas sondagens realizadas em determinado período. Feita a mistura, chega-se a um número mágico. Em seis meses, foram trituradas 60 pesquisas de 14 institutos.

Tudo somado, fica evidente que Lula seria eleito no primeiro turno se a eleição fosse hoje. O problema é que está marcada para outubro. Caso ocorra o contrário, os fabricantes de porcentagens dirão que pesquisa é um retrato do momento. Sairão de cena por alguns meses para retomar a sequência de erros grosseiros na eleição seguinte.

Foto: Reprodução Veja

Leia também “O golpe que nunca existiu”

45 comentários
  1. VINICIUS VIDON CARNEIRO DA ROCHA
    VINICIUS VIDON CARNEIRO DA ROCHA

    Absurdo o que ocorre no país. Um criminoso sendo aclamado.

  2. Mozart
    Mozart

    É lamentável o nível baixíssimo do caráter de determinados “jornalistas” que se deixam envolver num corporativismo insano, que somente visa impedir a reeleição do presidente, para recuperar as tetas oferecidas em passado recente!

  3. FRANCISCO H
    FRANCISCO H

    E o assassinato do Celso Daniel? Esqueceram?

  4. JHONATAN PAIVA SURDINI VIEIRA NOGUEIRA
    JHONATAN PAIVA SURDINI VIEIRA NOGUEIRA

    Triste realidade dessa mídia! Já caiu em descrédito por minha parte há tempo.

  5. Amarildo Souza De Almeida
    Amarildo Souza De Almeida

    Se não tivesse lido a reportagem de OESTE, não teria ficado sabendo da campanha do consórcio pelo “dia nacional da liberdade de imprensa” com “tarja preta” expressa nos veículos consorciados. Perguntei aqui no escritório, meu local de trabalho, e ninguém, absolutamente ninguém soube me informar desse episódio. Estaria eu no “mundo da lua”?

  6. Jeanne Abuhid
    Jeanne Abuhid

    Excelente matéria.
    Não fazem jornalismo. Fazem fofoca e militância.
    Acabou a mamata. Simples assim!!!!!

  7. Agnelo A. Borghi
    Agnelo A. Borghi

    Consorcio de canalhas.

  8. Robson Oliveira Aires
    Robson Oliveira Aires

    Excelente reportagem. Parabéns. Uma pergunta: quem ainda dá audiência para essa dita “grande imprensa” que para mim não passa de lixo imprestável?

  9. Erasmo Silvestre da Silva
    Erasmo Silvestre da Silva

    Essa grande imprensa ou velha imprensa aprendeu tudo da política, só não aprendeu sobre massa de pão

  10. Valesca Frois Nassif
    Valesca Frois Nassif

    Agradeço muito e parabenizo vcs pelo altíssimo nível e qualidade da matéria. Vcs são admiráveis! Me considero uma grande privilegiada por ter acesso a uma revista de tamanho gabarito! Obrigada de verdade!

  11. Marcelo Rocha Cardozo
    Marcelo Rocha Cardozo

    Tetas secas!

  12. Paulo Fernando Vogel
    Paulo Fernando Vogel

    Tudo se resume aos dois PTs que se uniram contra o Presidente. Há os petistas de raiz, conjunto formado por políticos ideólogos, corruptos ou não, aplaudidos pelo necessário bando de inocentes úteis, e há os petistas de ocasião, os Perdedores de Têtas, conjunto formado por todos os que se locupletam com o poder – independente de ideologia -, de juristas a banqueiros, de jornais a rede de lojas de varejo, e que tiveram seus intere$$e$ contrariados e afastados do poder por Bolsonaro. Não vai ser fácil, mas cresce dia a dia o exército dos Estoicos da Resistência à Corrupção da Inteligência. Oeste entre estes.

  13. marise neves
    marise neves

    Até 31/12/2019 eu lia o jornal o globo, aí veio a pandemia e o meu entregador entrou em Lockdown e pra minha felicidade deixei de ler esse jornal asqueroso. E descobri por acaso a revista Oeste em março de 2020 e me tornei assinante. É um oásis nesse mar de lama que a imprensa se tornou.

  14. Breno De Luca
    Breno De Luca

    Os veículos de comunicação tradicionais, STF, STE, parte do legislativo, estão criando um pano de fundo para fraudar as eleições, isso é evidente. Como evitar isso?? Esse antídoto ante fraude deverá na minha visão ser colocado em prática imediatamente!!!

    1. Laudares Capella
      Laudares Capella

      Eu aindo penso que no dia das eleições, devemos todos bolsonaristas vestir uma camisa amarela e se puder levar uma bandeira Brasileira. Será um mar de amarelo que a oposição não poderá desmentir a preferencia do eleitor

      1. Manfred Trennepohl
        Manfred Trennepohl

        Excelente idéia. Se existe a possibilidade, desde que não haja impedimento legal, após sairmos do local de votação, deveríamos todos declarar publicamente o nosso voto.

  15. LUCIANO MACHADO
    LUCIANO MACHADO

    Parabens pela materia.

  16. José Antonio Braz Sola
    José Antonio Braz Sola

    Parabéns, Branca Nunes e Sílvio Navarro, dois excelentes jornalistas, pela excepcional matéria !

  17. Érico Ribeiro
    Érico Ribeiro

    É como diz aquela frase, cujo autor não me recordo no momento: pesquisa eleitoral é que nem biquini. Mostra tudo, menos o essencial.
    Isso tudo é porque as redações são infestadas de gente que vive numa realidade paralela, enxerga tudo conforme essa realidade e quer nos fazer enxergar tudo da mesma forma.

  18. Julio Pereira Lima
    Julio Pereira Lima

    Acho q o ladrao ganhará tamanha a campanha asquerosa da imprensa

  19. JAIR VIEIRA
    JAIR VIEIRA

    Excelente trabalho. Isso sim é mídia pra valer. Parabéns. Continuem.

  20. Antonio Araújo Da Silva Lopes
    Antonio Araújo Da Silva Lopes

    É com profundo pesar q anunciamos o falecimento da velha imprensa; o falecimento não foi por causas naturais em razão da idade, foi por suicídio. A velha imprensa deixou um bilhete informando a razão pela qual suicidou-se: “Não suportar o Jair, pelo fato de ele fechar o cofre da nação e entregar a chave aos conservadores;

  21. Almir Nicolau Perius
    Almir Nicolau Perius

    Editorial perfeito!!!

  22. CARLOS FLORESTA DE OLIVEIRA
    CARLOS FLORESTA DE OLIVEIRA

    Parabéns, para mim; EXPLICO : Eu era assinante de veja( minúsculo mesmo), quando procurei a ultima pagina e vi que J.R.Guzzo, tinha ” saído”, vi que a CREDIBILIDADE tinha saído também. Procurei, procurei, procurei e depois de um tempo achei OESTE e quem J.R. GUZZO e Cia. Ltda., ai vi que ainda existia uma imprensa que valia a pena ler e ser acreditada. Vi muitas vejas da vida, meterem o pau no Cara motivo da lava Jato, hoje vejo a mesma veja da vida, beijando os pés do Cara como se fosse a ALMA MAIS “ONESTA ” do consorcio de notícias do pais. Ô tempo perdido, ô dinheiro jogado fora.
    Estou com vocês de OESTE, como meu CREDO de notícias. Obrigado por existirem.

  23. Luiz Wargha
    Luiz Wargha

    Dificil entender o que acontece com esta velha imprensa. É desprezível ler ou ouvir as mentiras ou mesmo assistir reportagens com viés ideológico para quadrilhas que por muitos anos assaltaram o Brasil, o papel do imprensa (consórcio) é vergonhoso.

  24. Fábio Geralde Araújo
    Fábio Geralde Araújo

    Lula seria eleito presidente dos presídios no primeiro turno! Presidente do crime organizado !

    1. Luiz Carlos
      Luiz Carlos

      Parabéns pela grande reportagem. É a pura verdade, não sei quem banca estes jornais e revistas citados, no meu convívio, familiares e amigos, cancelaram assinaturas desta imprensa esquerdista.

  25. Lucia Mesak Quintiliano
    Lucia Mesak Quintiliano

    Sinto-me envergonhada por não ter percebido que estava sendo ludibriada pela imprensa tradicional: Veja, O Globo, Estadão, Crusoé e Folha, veículos dos quais fui assinante durante muito tempo. Joguei meu tempo e meu dinheiro fora. Eles não respeitam o assinante ao dar aos fatos a versão que lhes interessa.

  26. JOSE FERNANDO CHAIM
    JOSE FERNANDO CHAIM

    Quem diria, que um dia ficaríamos enojados da classe jornalística!!! Essa mídia velha e arcaica fede a esgoto!!!!

  27. José Luiz Moraes Passos
    José Luiz Moraes Passos

    Stf e imprensa. Dois tumores altamente malignos que podem levar o Brasil à morte.

  28. José Antônio Batalha Zocccoler
    José Antônio Batalha Zocccoler

    Antes o dinheiro sujo corria solto nas redações desses jornais, para falar bem de um governo comprometido com a corrupção, agora Td isso acabou, então , numa empreitada sem fim querem a volta de um criminoso a todo custo…..QUEREM É DINHEIRO.

  29. Daniel BG
    Daniel BG

    No excerto:
    “Há duas possibilidades de respostas: 1) os jornais, as rádios e as TVs viveram mais de uma década de bonança com as verbas de publicidade da Secretaria de Comunicação da Presidência repassadas por Lula e Dilma Rousseff; 2) #EleNão — o discurso de que Bolsonaro não pode exercer a Presidência da República simplesmente porque os jornalistas não gostam do jeito dele.”
    Eu, sem maldade da minha parte, fico com a resposta número um.

  30. Glecio Goncalves de sena
    Glecio Goncalves de sena

    A imprensa está tão desacreditada , tão podre que fede a esgoto.
    Não é atoa o crescimento de jovem pan, oeste, gazeta do povo empresas que preferem se pautar em jornalismo ético e confiável

    1. José Antônio Batalha Zocccoler
      José Antônio Batalha Zocccoler

      A cada dia esses meios de comunicação marrom, coitado do marrom, ficam mais desacreditadas, é o fim disso já sabemos, o fechamento, ficando somente meios isentos e comprometidos com a democracia.

    2. José Luiz Moraes Passos
      José Luiz Moraes Passos

      Totalmente de acordo.

  31. Mario Jose Javarys
    Mario Jose Javarys

    Esperamos ansiosos que as autoridades lúcidas não deixem isso acontecer em outubro. Que não nos abandone para o convívio com escárnio.

    1. Gustavo H R Costa
      Gustavo H R Costa

      Exatamente isso

  32. Jorge Sakamoto
    Jorge Sakamoto

    A imprensa velha ou o consórcio é a mídia da mortadela!

  33. Luzia Helena Lacetda Nunes Da Silva
    Luzia Helena Lacetda Nunes Da Silva

    Jornalista que mente ou omite fato deveria ser preso por crime hediondo.

  34. Marcelo de Souza
    Marcelo de Souza

    Infelizmente no Brasil a imprensa resolveu em se travestir com o manto da mentira e da calunia. Só notícia aquilo que eles querem que se transforme em verdade.
    “Diga imprensa mentira quantas vezes forem necessária até que ela se transforme em verdade”. Goeblles.

    1. Marcelo de Souza
      Marcelo de Souza

      Correção é “Goebbels”

    2. Rui Licinio Filho
      Rui Licinio Filho

      Que a imprensa queria se opor ao governo, tudo bem. Faz parte do jogo. Ninguém é obrigado a gostar do Bolsonaro. O que me deixa indignado é que esses militantes travestidos de jornalistas, em vez de fazer uma oposição responsável, tentam fazer o povo de idiota. Cabe a nós, o povo, mostrar para essa corja que não somos idiotas!

  35. Marcelo Gurgel
    Marcelo Gurgel

    A velha mídia gosta de dinheiro fácil, esse fim justifica qq meio.

    1. Jenielson Sousa Lopes
      Jenielson Sousa Lopes

      Um dos meus maiores acertos recentes foi assinar a Oeste.

      Obrigado a toda equipe da revista.

Anterior:
‘O estado de espírito modula o sistema imunológico’
Próximo:
Carta ao Leitor — Edição 225
Newsletter

Seja o primeiro a saber sobre notícias, acontecimentos e eventos semanais no seu e-mail.