O escritor Eça de Queiroz (à esquerda) e Rodrigo Pacheco, presidente do senado | Foto:Montagem Revista Oeste/Wikimedia Commons/PMDB Nacional
O escritor Eça de Queiroz (à esquerda) e Rodrigo Pacheco, presidente do senado | Foto:Montagem Revista Oeste/Wikimedia Commons/PMDB Nacional

O ‘imenso talento’ de Pacheco

Como a frouxidão de Rodrigo Pacheco colocou o Congresso de joelhos e desequilibrou os Poderes da República

Em fevereiro do ano passado, um grupo majoritário de 57 senadores elegeu o mineiro Rodrigo Pacheco para presidir o Congresso Nacional por dois anos. O Senado se preparava para abrir uma CPI da pandemia, formatada pela oposição para fabricar manchetes contra o governo Jair Bolsonaro. Paralelamente, o Supremo Tribunal Federal (STF) perdia de vez o controle do que acontecia no gabinete do ministro Alexandre de Moraes. Foi quando lembraram de Pacheco e seu “imenso  talento”: não criar problemas para ninguém.

Assim como o personagem da crônica de Eça de Queiroz (A Correspondência de Fradique Mendes), Pacheco é um parlamentar aplaudido pelo que nunca fez. Foi eleito deputado em 2015 e assumiu o mandato já como um dos coordenadores da bancada do MDB. O partido, aliás, enxergava nele tantas virtudes que foi lançado candidato a prefeito de Belo Horizonte no ano seguinte. Derrotado nas urnas, foi agraciado com o comando da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), a mais importante da Câmara. Depois, concorreu ao Senado em 2018 e logo chegou à presidência da Casa — o terceiro cargo mais importante na hierarquia da República.

Qual o grande projeto apresentado por Pacheco no Congresso? Nenhum. Tampouco é um orador brilhante, o que justificaria sua atuação na tribuna. É um nome que representa um partido? Não. Do MDB, passou pelo extinto DEM e agora está filiado ao PSD, pelas mãos de Gilberto Kassab. Não foi deputado estadual nem vereador.

Como advogado criminalista, fez parte do conselho federal da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e foi sócio, até se eleger deputado, de Maurício de Oliveira Campos Junior. O escritório atuou na defesa do Banco Rural na época do escândalo do Mensalão, do ex-governador Eduardo Azeredo (PSDB) e da Vale do Rio Doce na tragédia de Brumadinho.

Por pouco, Pacheco não tentou um voo ainda maior neste ano. Quando ainda se falava numa “terceira via” eleitoral para disputar a Presidência, alguns colunistas de Brasília mais uma vez lembraram de Pacheco. Ele passou a ser citado como “o novo Tancredo Neves”. Pacheco gostou tanto da ideia que se comparou ao presidente no discurso de filiação ao PSD: “Alguém capaz de provocar sempre o consenso”. O senador nasceu em Rondônia, mas mudou-se para Minas na infância.

Notícia veiculada no O Estado de Minas | Fonte: Reprodução
Notícia veiculada na revista Veja | Fonte: Reprodução

Senado de joelhos

Desde o dia 1º de fevereiro do ano passado, Pacheco permaneceu sentado placidamente na cadeira de presidente do Senado, enquanto ministros do Supremo tentam instalar um Poder Moderador no país. O uso do termo não é exagero. Foi dito diante de câmeras pelo ministro Dias Toffoli em novembro, durante um evento em Lisboa: “Nós já temos um semipresidencialismo com controle de Poder Moderador, que hoje é exercido pelo Supremo Tribunal Federal. Basta verificar todo esse período da pandemia”, disse.

Embora a afirmação remeta à Constituição Imperial de 1824, redigida em benefício de Dom Pedro II, faz algum sentido no Brasil de hoje. De fato, foi o Supremo quem mandou o Senado abrir uma CPI da Covid. O funcionamento da comissão era um assunto interna corporis. Mas Pacheco observou e obedeceu à interferência do Judiciário no Legislativo.

Os crimes de responsabilidade

A frouxidão do senador mineiro é ainda mais gritante quando o tema envolve o Supremo. Ele recebeu dezenas de pedidos de impeachment dos ministros da Corte. O principal deles foi enviado pelo presidente Jair Bolsonaro contra a perseguição de Alexandre de Moraes aos seus apoiadores no inquérito perpétuo dos “atos antidemocráticos”. Pacheco não fez nada.

O inciso II do artigo 52 da Constituição diz que compete ao Senado processar e julgar ministros do STF quanto a crimes de responsabilidade. É a única Casa com prerrogativa para frear excessos e até crimes cometidos por um dos 11 ministros da Corte.

O pedido apresentado por Bolsonaro enquadra as ações de Moraes na Lei do Impeachment (Lei 1.079/1950). Diz o artigo 39 que são crimes de responsabilidade: 1) alterar, por qualquer forma, exceto por via de recurso, a decisão ou o voto já proferidos em sessão do Tribunal; 2) proferir julgamento, quando, por lei, seja suspeito na causa; 3) exercer atividade político-partidária; 4) ser patentemente desidioso no cumprimento dos deveres do cargo; e 5) proceder de modo incompatível com a honra, a dignidade e o decoro de suas funções.

A partir desse pedido, o papel de Pacheco seria simplesmente deixar que os demais 80 senadores analisassem o caso. O artigo 44 da Lei do Impeachment diz: “Recebida a denúncia pela Mesa do Senado, será lida no expediente da sessão seguinte e despachada a uma comissão especial, eleita para opinar sobre a mesma”.

O requerimento não foi lido nem encaminhado para uma comissão.

“O instituto do impeachment não pode ser banalizado”, disse Pacheco. “Não pode ser mal usado, até porque ele representa algo muito grave, acaba sendo uma ruptura, algo de exceção. Mais do que um movimento político, há um critério jurídico, há uma lei de 1950 que disciplina o impeachment no Brasil, que tem um rol muito taxativo de situações em que pode haver impeachment de ministro do Supremo”

Diante da conivência de Pacheco, o ministro Alexandre de Moraes seguiu dobrando a aposta. Depois de mandar prender o deputado Daniel Silveira (RJ) no exercício do mandato, um jornalista, o líder de caminhoneiros e o presidente do PTB, Roberto Jefferson, estrangulou financeiramente canais de YouTube e sites conservadores. Sua última investida foi enviar a Polícia Federal, às 6 da manhã, para apreender computadores e telefones de um grupo de empresários que apoia o governo Bolsonaro.

Nem uma obra, nem uma ideia

A paranoia golpista de Moraes, que censurou empresários com base em trocas de mensagens de WhatsApp, chocou até o consórcio de imprensa. Juristas apontaram abusos. Qual foi a reação de Pacheco? “Não tem como dizer a respeito de uma busca e apreensão se ela foi justa, se não foi justa. Se foi excessiva ou não. É muito difícil essa avaliação de quem está de fora.”

A uma semana do primeiro turno das eleições, o presidente do Senado também fez chegar às redações da velha imprensa a informação de que “já articula sua permanência na cadeira em 2023, independentemente do resultado das urnas”. Segundo o regimento interno, ele pode concorrer a mais dois anos no cargo. Seu plano pode se concretizar se a renovação da Casa for pequena — somente 27 vagas estão em jogo nas eleições deste ano.

Notícia veiculada na CNN Brasil | Fonte: Reprodução

Como na crônica Eça de Queiroz, o Brasil “casualmente” conheceu o personagem. “Pacheco não deu nada ao seu país, nem uma obra, nem uma fundação, nem um livro, nem uma ideia. Pacheco era entre nós superior e ilustre unicamente porque tinha um imenso talento”, diz um trecho do texto. Foi escrito no final do século 19, mas cai bem em 2022.

Leia também “O fantasma de 2014”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

28 comentários Ver comentários

  1. Rodrigo Pacheco me lembra também outro personagem de Eça de Queiroz, o Conselheiro Acácio, que se dava ares de sabedoria mas só dizia banalidades inócuas. Como alguém já disse, Acácio/Pacheco é um exemplo de pompa balofa e pseudo-intelectualidade. Em duas palavras, um vaidoso medíocre.

  2. Obrigado Silvio Navarro por nos dar a chance de conhecer melhor esse sujeito desprezível, repugnante, asqueroso, satânico, vil, abjeto e lixo inútil em forma humana chamado Rodrigo Pacheco. Que o fim dele chegue logo.

  3. Não se enganem. Pacheco não é incompetente. Pacheco está desempenhando com brilho o papel ao qual foi destinado pelos que comandam nossos país neste pântano de vergonhas, privilégios e desigualdades. Se tudo correr como previsto, ele fica lá por 4 anos …

  4. Pacheco é um “corajoso” defensor de seus interesses, afinal o processo de Brumadinho está nas mãos do STF e ele não mediu e não mede esforços para ver seus interesses atendidos. Já para o país é um traídor, um inútil que deve ser retirado o quando antes da vida pública por aqueles que o elegeram. Difícil será para o país aguentar mais 4 anos de um político que deu as costas para o conclamo popular de milhares de pessoas que encheram as ruas no 7 de setembro.

  5. Este sr. é o principal culpado do desrespeito a constituição permeada pelo ativismo judicial, pois o mesmo tendo o leme do senado, abdicou covardemente de frear o mesmo. Como sem vento a poeira não levanta, deve ter um real motivo para nem mesmo a pequena brisa soprar, será a Vale?

  6. Lupa no contrato do ‘teórico’ EX-escritório ; A rejeição do processo foi de Pachecu ou da Mesa ? ; Mineirada , faça-nos um favor, POR FAVOR ! – never more !!

  7. Quando envio um texto da Oeste para um grupo de pessoas de bom nível intelectual, a Oeste nada perde, o que poderia ocorrer seria alguns leitores se tornarem assinantes…
    Já pensaram nisso?

  8. Silvio, não esta na hora da boa e verdadeira imprensa da revista oeste, jovem pan, gazeta do povo, e outras mídias conservadoras, enfatizarem uma urgente REFORMA POLITICA, que reduza essa cambada de politicos em todas as casas legislativas do pais? Por exemplo, para que precisamos de 3 INÚTEIS RANDOLFES por Estado? Manifestações urgentes verde amarelas, pacificas e democráticas tem que PAUTAR redução de 3 para somente um INUTIL SENADOR por Estado, e a redução de no mínimo 1/3 das cadeiras das demais CASAS LEGISLATIVAS nacionais (Câmara Federal, Assembleias Legislativas e Câmaras Municipais. Vale lembrar que somente nosso CONGRESSO NACIONAL (Senado Federal e Câmara Federal) nos custam R$12 bi anuais.

  9. Quanto mais leio a respeito mais indignada fico. Como pode um senado desses Senhor?!!! Considero a eleição para Senado e Câmera as principais esse ano.

  10. O maior bananão que já chegou à Brasília. Só é superior no tamanho mesmo. Precisa ser processado por prevaricação e interesses escusos ao não desempenhar suas funções de forma correta.

  11. Nunca imaginei que tivesse político mais incompetente que a Dilma. Me enganei, lhes apresento a maior desonra de Minas Gerais, Rodrigo Pacheco, o covarde. Ele é tão covarde e vassalo do STF que quando observa em casa pela tv a figura de algum ministro, já de prosta de quatro.

  12. Nao voto em Minas mas tenho muitos amigos eleitores daquele estado. Em nossas conversas é flagrante o desgosto que estao tendo com Pacheco. Nenhum até agora me disse alguma coisa positiva sobre o Senador que eles elegeram e, muito pelo contrario, o taxam como o pior politico eleito pelas urnas de Minas. Arrependimento alí nao falta e sem dúvida alguma nao vão incorrer no mesmo erro, caso haja uma pretensa intenção desse medíocre politico se candidatar à reeleição.

  13. Há comentários que apontam Kerensky, o russo, como o homem que aplainou o terreno para que os bolcheviques dessem o golpe de estado. Guardadas as devidas proporções, Rodrigo Pacheco faz o mesmo papel. Pior, sabedor que estamos numa ditadura togada onde ministros sem ter um único voto declaram estar escrevendo uma nova constituição a revelia do sentimento do povo brasileiro. Se acontecer o pior, Kerensky já ensinou o caminho para Pacheco. Pega o seu boné, vai para Paris, depois Nova York e torne-se um historiador ou escritor, claro que sem nenhuma glória, do tremendo canalha que esta sendo com todo o povo brasileiro. Esse cidadão me dá nojo.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.