Ives Gandra Martins, jurista e membro da Academia Brasileira de Filosofia | Foto: Divulgação
Ives Gandra Martins, jurista e membro da Academia Brasileira de Filosofia | Foto: Divulgação

‘Não podemos ficar calados’

Ives Gandra Martins vê com preocupação a interferência do Judiciário no debate político brasileiro

Dentro do avião, os passageiros estavam acomodados à espera da decolagem. Chega a comissária de bordo entrelaçada com um cidadão bem-vestido e que usava óculos escuros. O viajante curioso, sentado à primeira fileira, pergunta: “Quem é esse homem?”. “É o piloto”, diz a comissária. “Mas por que os óculos escuros?”, questiona o passageiro. “Ele é cego. Mas fique tranquilo. Ele é o melhor piloto da nossa companhia aérea”. Dali a pouco, chega o copiloto, também de óculos escuros. O passageiro, já desesperado, pergunta novamente quem é o homem. A comissária responde: “É o copiloto. Ele também é cego, mas é o melhor profissional que temos na empresa”. O pânico se espalha pela aeronave. Com as portas travadas, o avião taxia até a cabeceira da pista e liga os motores. A aeronave começa a tomar velocidade. Os passageiros, apavorados, olham pela janela e percebem que ainda não saíram do chão. Quando o avião chega ao fim da pista, começa a gritaria. De repente, a aeronave levanta voo serenamente. Dentro da cabine, o comandante vira para o copiloto e diz: “No dia em que eles não gritarem, não sei o que será de nós”.

Com essa piada, repleta de simbologia dos tempos atuais, o jurista Ives Gandra Martins encerrou o discurso de abertura em um evento no Conselho Superior de Direito, na quarta-feira 19, na cidade de São Paulo. E emendou: “Nós temos de gritar por um país melhor”.

Gandra Martins é uma das raras vozes do campo do Direito a se manifestar contra os abusos praticados por ministros das Cortes Superiores do país. Aos 87 anos de idade, o jurista e professor emérito da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie participou durante 20 meses das discussões da Assembleia Constituinte. Conhece como poucos os meandros da elaboração da Constituição Federal de 1988. Talvez por isso sua decepção com a atuação dos ministros seja tão aguda e contumaz. Gandra Martins lembra que até mesmo durante o período militar, quando o jurista foi perseguido, havia independência e respeito entre os Poderes.

“Nunca vi o Poder Judiciário interferir tão diretamente no processo político a favor de uma corrente ideológica como hoje”, diz o advogado, que recebeu a reportagem de Oeste em seu escritório, no bairro do Jardim Paulista. Em meio a livros, múltiplas homenagens decorando as paredes revestidas de madeira escura, porta-retratos com recordações pessoais (em especial da mulher, dona Ruth, que morreu de covid-19, em 2021) o jurista vai todas as tardes ao escritório para renovar sua paixão pela advocacia. Já são 64 anos de profissão.

ives gandra bolsonaro
O jurista Ives Gandra da Silva Martins, em seu escritório na cidade de São Paulo | Foto: Andreia Tarelow/Divulgação

Ives Gandra Martins é guardião de memórias que merecem, sempre, ser reativadas. Mais ainda nos tempos atuais, em que o Supremo Tribunal Federal se transformou num poder político, e partidos de esquerda querem o cerceamento da liberdade de expressão e de imprensa no país. O PT chegou a pedir o bloqueio do site da Revista Oeste, entre outros portais de notícias, até o encerramento das eleições.

O jurista criticou a interferência do Judiciário em outros Poderes e vê com preocupação o debate eleitoral mediado pela Justiça. O advogado reforçou que, numa democracia, a liberdade de imprensa deve ser preservada, conforme garante a Carta Cidadã. E condenou a censura.

A conversa com o jurista, de pouco mais de meia hora, reforça a certeza de que a gritaria não pode parar.

Independência do Poder Judiciário

Durante o período militar, sofri uma ação pesada do então ministro Delfim Neto, que pediu o confisco dos meus bens e a abertura de um IPM [inquérito policial militar] contra mim. Foi notícia em todos os jornais da época. O fato ocorreu em 13 de fevereiro de 1969, dois meses depois do Ato Institucional nº 5. Eu era advogado da Sudan, e eles acusavam a Sudan de ser sonegadora. Eles entenderam que os honorários advocatícios que eu tinha declarado no meu Imposto de Renda [IR] só poderiam ter sido produto do crime, da sonegação. Veja, fui investigado por honorários advocatícios declarados no meu IR, numa época em que poucos advogados declaravam o que ganhavam. Conto essa história porque, dois anos depois, como advogado, ganhei uma causa no Supremo Tribunal Federal, por 5 votos a 3. Apesar da abertura de um IPM contra mim, continuei advogando. Isso mostra a independência do Poder Judiciário à época, que não interferia e não aceitava intervenção do sistema militar.

Recorte do jornal O Estado de S. Paulo, 14/2/1969 | Foto: Divulgação

Debate eleitoral mediado pelo Judiciário

Nunca vi o Poder Judiciário interferir tão diretamente no processo político a favor de uma corrente ideológica como hoje. A Rede, partido do senador Randolfe Rodrigues, não faz outra coisa a não ser protocolar ações no STF. Vejo com muita preocupação o que está acontecendo no Brasil. Porque há uma intenção deliberada de não permitir que Bolsonaro seja reeleito. E por essa razão estão unidas a imprensa, a oposição que apoia Lula, e a Justiça decididamente tomou partido.

Invasão de competências

O Poder Judiciário tem avançado o sinal na invasão de competência. Durante minha trajetória jurídica, aprendi que uma democracia só se sustenta se há respeito à Constituição, e não por vontade de um magistrado de mudá-la. Trabalhamos 20 meses para elaborar uma nova Constituição, e o que vemos hoje é uma distorção profunda do que foi proposto. O aspecto mais importante dos debates da Constituinte foi que tivéssemos a representação popular como o poder soberano. Quem pode representar a democracia no Brasil é o povo. E o povo é representado fundamentalmente por dois Poderes — o Legislativo e o Executivo. O Judiciário é Poder representativo de uma lei que não elabora, quem faz são os outros Poderes, e sua função é fazer com que essa lei seja cumprida.

Orientação ideológica no STF

Sete ministros do STF foram indicados pelo PT. Respeito os ministros, eles são competentes, tenho livros publicados com todos, não coloco em dúvida a honestidade deles. Mas o problema é que eles têm preferência por um candidato. Hoje, temos praticamente metade da nação ou conservadora ou de esquerda. Há uma nítida preferência de que os conservadores têm de ser afastados, como se metade da população, mais de 100 milhões de brasileiros, não devesse ter voz porque 11 cidadãos entendem que 100 milhões de brasileiros não valem nada e representam um pensamento não democrático. Os ministros estão convencidos de que cabe ao Poder Judiciário definir o que é melhor para o país.

Liberdade de imprensa

No momento em que órgãos de imprensa são proibidos de se manifestar no período pré-eleitoral, em que se pode dizer ‘não publique essa notícia’, ainda mais por antecipação, e retirar, inclusive, o aspecto financeiro de alguns veículos, como ocorreu no caso da Brasil Paralelo [a produtora foi proibida de veicular o documentário Quem Mandou Matar Jair Bolsonaro? e seu canal no YouTube foi desmonetizado], isto é censura. O artigo 220 da Constituição Federal fala da liberdade absoluta de comunicação. Quando vemos o Judiciário inclinado a impedir mais de 40 perfis nas redes sociais de se manifestarem sobre qualquer candidato até o fim das eleições, alegando que isso é contra a democracia, é preocupante. Sete cidadãos do TSE dizem o que é e o que não é democracia, pessoas que não foram eleitas pelo povo. Tenho a impressão de que vivemos um momento terrível para a democracia brasileira.

Fato ou fake?

Estamos numa campanha eleitoral em que temos de conhecer todos os aspectos. Lula apoiou Daniel Ortega [ditador da Nicarágua]. É verdade. Se uma notícia é falsa, pode retirar aquela notícia em específico, mas não impedir, por antecipação, que se possa falar sobre o assunto. Isto nunca vi, com 87 anos e 64 de advocacia, mesmo no período militar, quando fui perseguido. Sempre disse o que pensava. Advogado tem de ter a coragem para dizer, nos piores momentos, aquilo que lhe parece certo.

Silêncio dos advogados

Eu, que sou um velho professor e um velho advogado, deveria ficar calado. Mas digo no meu decálogo [dez preceitos que Ives entregava aos alunos enquanto professor de Direito] que é neste momento que nós, advogados, não podemos ficar calados. Temos de dizer, com respeito, que o que os ministros fazem não é bom para a democracia no Brasil. A maior parte dos advogados tem receio de se indispor com os Tribunais Superiores, tem medo de se manifestar. A Ordem dos Advogados do Brasil, que teria de defender a prerrogativa do direito de livre expressão, parece estar apavorada. O pessoal da Brasil Paralelo está com dificuldade para encontrar um advogado que aceite defendê-los. Estamos observando um silêncio. E pior. Os ministros estão amedrontando o cidadão normal a se manifestar. Qualquer coisa que se diga hoje pode levar a uma prisão, uma investigação, uma invasão da sua casa, uma paralisação de contas. Nunca vi isso no país.

Futuro do Brasil

Estou preocupado pelo Brasil, pela estabilidade das instituições, pela democracia. Observamos hoje uma imposição de um dos Poderes, que se considera dono do Direito e dono da democracia. Essa situação me causa desconforto, porque o conceito de democracia está sendo dado por eles, e não pelo povo, que é o verdadeiro poder soberano, segundo a Constituição Federal. Hoje, a democracia é o que os ministros permitem.

Leia também “O PT coloca em prática o plano de amordaçar a imprensa”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

16 comentários Ver comentários

  1. TODOS os ministros do STF deveriam ser juízes togados e somente quando fossem desembargadores. Nos EUA não existe este absurdo de indicar juízes para a Suprema Corte.

  2. O processo eleitoral brasileiro de 2022 foi irremediavelmente maculado, sua idoneidade foi perdida e não há a menor condição de que seja respeitado em suas decisões.
    A validade desta eleição como instrumento democrático da vontade popular foi derrubada pelo tribunal que deveria ser isento, mas se transformou num escritório, num bunker da campanha petista.

  3. Entendo o professor Dr. Ives Gandra por ser ético, respeitoso e de boa fé para com os ministros do supremo, contudo a população brasileira não vai respeitar os que não a respeitam naquilo que nos é mais caro nesta terra que são Deus, família, Patria e liberdade e sobretudo o cumprimento da nossa Constituição. Certamente que Deus não está alheio à tudo isso, e no seu tempo levantará a nação que cobrará dos responsáveis, incluindo aí o Senado Federal pelo descaso e pela irresponsabilidade daqueles que foram eleitos pra resolverem estas questões sem a interferência e a exposição da população que, em tendo que resolver diretamente o fará, inclusive contra os senadores inúteis representados na essência pelo covarde e inútil Sr RODRIGO PACHECO. Esperem pra ver e verão.

  4. Parabéns professor, poucos juristas tem a coragem, ética e competência para repreender as inconstitucionalidades de nossos iluminados notáveis da Corte Suprema. Como podem esses notáveis agir sem temer possível revolta da população como vem ocorrendo. Suprimiram o voto impresso acoplado a urna eletrônica, interferindo no Congresso e desinformando a sociedade que as urnas eletrônicas são seguras e auditáveis e que a volta do voto impresso seria um retrocesso. Houve juristas que afirmaram que o voto impresso serviria como um comprovante ao cacique político, desconhecendo “ou por má fé”, que o voto impresso é BLINDADO e portanto não é levado para casa pelo eleitor. Como se chama essa conduta do jurista no DIREITO?

  5. “Sete ministros do STF foram indicados pelo PT. Respeito os ministros, eles são competentes, tenho livros publicados com todos, não coloco em dúvida a honestidade deles. Mas o problema é que eles têm preferência por um candidato.”
    Como assim? Este boca-mole ficou gagá?

  6. PROFESSOR!!!
    Nâo ficaremos calados estamos aguardando o pleito para estrategicamente sabermos o local que deveremos nos POVO agir.

  7. Tenho muito apreço por Sua. Exc. mas, o seu tratamento a esse ministros me assusta: “gente boa”, “meus amigos”. Sei não. São 9 canalhas, corruptos. Não merecem respeito de NINGUEM.

  8. Dr Ives , entendi tudo , mas, o que o cidadão comum precisa fazer para acabar com esta interferência do STS e TSE ? E colocá-los no seu devido lugar ?

  9. “mais de 100 milhões de brasileiros, não devesse ter voz porque 11 cidadãos entendem que 100 milhões de brasileiros não valem nada e representam um pensamento não democrático” – é de tirar o fôlego. Traduz nossa realidade.

  10. merecedores de efusivos aplausos para a articulista e para o Professor Ives Gandra Martins. Permito-me, porém, mui respeitosamente, manifestar uma pequena discordância, precisamente quando o Mestre diz “não coloco em dúvida a honestidade deles”. Ninguém pode negar que eles são, no mínimo, INTELECTUALMENTE DESONESTOS. Desonestidade que, pelo que se extrai das certeiras palavras do emérito Jurista, vem fazendo muito mal ao País.

  11. Talvez eu não esteja entendendo direito o que anda acontecendo no Brasil ultimamente, mas falar não custa nada. Não posso admitir como 11 integrantes de uma entidade, gente que não dá para encher uma Kombi, esteja causando tanto furor em um país de mais de 200 milhões. Deve estar acontecendo uma crise de proporcionalidade. Gostei muito da história do Dr. Ives, mas também quero contar uma: Relatam os fuxiqueiros que na época da Guerra Fria os americanos estavam gastando bilhões de dólares tentando inventar uma caneta que escrevesse no espaço, fora da gravidade terrestre. Entretanto, os russos, seus rivais, encontraram uma maneira muito mais simples de resolver o problema e ainda por cima, sem gastar nada; preferiram levar um lápis. Ora, ao contrário de toda essa história de caneta, caneta, caneta que existe nas redes sociais, tem alguém por aí usando é o lápis. Será que fui claro?

  12. imagine o PT eleito implantando seu controle de mídea; precisa ou já estámos sendo controlando via TSE (STF). É bom fundar uma sucursal do Jornal Gramma de Havana aqui no Brasil, pois eles já tem expertise nesse tipo de controle.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.