Loquidau, a hipnose

Nenhum dos estagiários de Coreia do Norte é tratado como ditador. São todos 'empáticos'

A epidemia de coronavírus enfeitiçou as sociedades. Parte desse feitiço está nas palavras mágicas “pandemia” e “covid” — por isso elas foram deliberadamente evitadas na frase anterior. Não que tenhamos aqui o poder de desfazer esse feitiço. É só uma pequena desobediência aos ditames de um senso comum adoecido. A covid (citando pela última vez, por razões psicossemânticas) é real. E também é hipnótica. Aparentemente, pronunciando essa palavra você adquire poderes extraordinários sobre o seu semelhante.

A hipótese acima ainda não tem confirmação científica. Mas… Dane-se. Quem transformou a ciência em licença poética não fomos nós. Já vimos de tudo, até a Organização Mundial da Saúde empurrando pomposamente a humanidade para um gueto existencial chamado loquidau (se virar ciência a gente ajeita a grafia). Enfim, foram eles que começaram.

O tal feitiço está solidamente fundado num tabu. O fato de que o vírus se espalha rapidamente pelo mundo inteiro e realmente pode ser letal em milhares de casos foi transformado na seguinte armadilha: ou você aceita todo o repertório de salvacionismos estúpidos e inócuos que se espalhou igualmente pelo mundo inteiro, ou você é uma criatura horrenda que despreza a vida dos outros. Fotografar alguém andando de bicicleta para denunciar descumprimento de loquidau e falta de empatia é o diagnóstico inequívoco dessa outra doença que se espalhou junto com a c…

Essa epidemia de dedos-duros, patrulheiros, x-9 e como mais se queira chamar os empáticos de video game se tornou o combustível perfeito para a ascensão dos tiranetes. Se uma grande parte da sociedade está disposta a linchar moralmente um vizinho ou um irmão que não se sujeite a qualquer boçalidade apresentada como segurança sanitária, o caminho está livre para o autoritarismo envergonhado sair do armário. E ele perdeu mesmo a vergonha.

Governadores e prefeitos que se apresentam como democratas limpinhos já fizeram as seguintes bondades dizendo que estão “salvando vidas”: toque de recolher ilegal supostamente contra aglomerações noturnas (mantendo aglomerações diurnas nos transportes); bloqueio de gôndolas de supermercados fingindo que a restrição ao consumo de parte dos produtos diminuirá o contágio; proibição de pessoas nas ruas mesmo durante o dia se o motivo da circulação for protesto contra essas falsas medidas sanitárias; fechamento de comércio à força soldando portas de lojas; proibição a lojista de expor na vitrine número de telefone para delivery; agressão física por parte de forças de segurança pública contra cidadãos (incluindo mulheres e adolescentes) que estavam circulando sem aglomeração (eventualmente sozinhas) por espaços abertos como orlas e praças; invasão a residências para contar o número de pessoas presentes em reuniões particulares; proibição ao trabalho de vendedores ambulantes ao ar livre sem restrição aos que se espremem no ambiente fechado dos ônibus; rodízios de automóveis que aumentaram aglomeração nos transportes públicos e até rodízio de pessoas por número de CPF.

Mas nenhum desses estagiários de Coreia do Norte é tratado como ditador. São todos “empáticos”.

Decide aí. Se você quer continuar sendo enxotado para dentro de casa que nem rato porque te dizem que assim você é um empático contra a c…, fique à vontade. Você preferia não entregar sua liberdade de bandeja a tiranetes brandindo falsa ciência, mas e a c…? Você não se importa com a c…?? É horrível ficar na berlinda dos negacionistas, fascistas e terraplanistas, né? Então chega disso. Veste logo a sua ética de butique e sai rastejando aliviado, que ser rato não é tão ruim assim.

Não se esqueça de calar a boca para sempre sobre os estudos em torno do tratamento precoce — esse que médicos medalhões de São Paulo e Rio prescrevem discretamente aos seus pacientes, com todo o cuidado para não atrapalhar a ação dos senhores da verdade que perseguem, insultam, estigmatizam e banem como charlatões desgraçados os que fazem referência a essa terapêutica. O que salva é o loquidau.

Leia também “O novo totalitarismo”

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

35 comentários

  1. Excelente texto…Parabens Fiuza…. Sempre é bom saber que algumas cabeças pensantes ainda se destacam no universo de mediocridade que mergulhamos

    1. Pois é, trepanação era utilizada na antiguidade para “curar” loucura. E ai de quem desafiasse a dita ciência. Canalhas, isso é o que esses caras são.

  2. Falou tudo, Fiuza !
    Posso até me resguardar, mas não abro mão de minha caminhada diária e de ir comprar pessoalmente o que necessito em supermercados e farmácias. Sou idoso e procuro me cuidar, mas sem entrar nessa neurose pregada por essa patota apoiada pela grande mídia; são todos lunáticos.
    Parabéns, Fiuza !

  3. Sem perder a linha ou a fleuma, disse o que todo brasileiro gostaria de dizer, esses políticos não passam de reles vagabundos. Mas, nada como um dia atrás do outro.

  4. Vivenciei e trabalhei em todo período do governo dos militantes, sempre fui e vim, de onde eu quiz e como quiz. Eu, Vanica e os meninos viajamos, praticamente, todos os meses, nunca fomos parados ou abordados, por qualquer motivo. Hoje, em dia, estão tentando me prender em casa, só que não conseguem, saio para trabalhar, todos os dias, com saude, meus funcionários precisam do emprego, para sobreviverem.

  5. Nessa distopia o prefeito de São Lourenço, que alega que diminuiu a gravidade dos sintomas com um tratamento precoce, ao invéz de receber a visita de uma comissão de médicos e cientistas, recebeu uma intimação da promotoria pública. Provavelmente o excelentíssimo promotor estivesse em seu ócio improdutivo no “romofiz” (novo neologismo adicionado ao mineirês por conta da pandemia) quando resolveu tirar de casa (já que nem todos podem fazer romofiz) um oficial de justiça prá incomodar o prefeito em sua tranquila gestão.

  6. O que é mais triste nessa “estória” toda é que boa parte da imprensa militante – outrora um serviço essencial!, coloca mais gasolina nessa fogueira justamente pra ajudar esses tiranetes, tudo em nome da “siênçia”! Mas, como disse outro dia uma tele-jornalista dessa patota aí “é o que temos pra hoje! O choro é livre!”

  7. Excelente texto. Confirmando o que ouvi hoje da boca de um médico, que disse que preferia um pouco de ditadura com “segurança” do que a democracia. Não há salvação para esse país.

  8. O Ser Humano está deixando de usar um bem precioso que a natureza lhe proporcionou: a mente! O medo que a imprensa tóxica impõe desde às 6h da manhã, por ocasião do primeiro noticiário, até às 23h no último, faz com que percamos a capacidade de pensar e passamos a decidir pelo medo. O medo nos paralisa, nos emburrece, e nos acovarda. Desse modo viramos marionetes nas mãos desses tirantes insanos e medíocres, infelizmente. Parabéns Fiúza! As vossas cabeças pensantes são um bálsamo para todos aqueles que desejam e querem sair dessa letargia..

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro