Mais uma vacina contra a covid-19 avança no Brasil

Já são três trabalhos brasileiros que visam desenvolver antídotos contra o vírus chinês
-Publicidade-
Fiocruz avança no combabte à covid-19 | Foto: CANVA
Fiocruz avança no combabte à covid-19 | Foto: CANVA | mais uma vacina brasileira contra a covid-19 - fiocruz

Já são três trabalhos brasileiros que visam desenvolver antídotos contra o vírus chinês

mais uma vacina brasileira contra a covid-19 - fiocruz
Fiocruz avança no combate à covid-19 | Foto: CANVA

O Brasil conta com pesquisa que visa desenvolver mais uma vacina na luta contra o novo coronavírus. Nesta quarta-feira, 10, a equipe da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) avisou que o seu protótipo de antídoto avançará. A partir de agora, animais vivos serão testados.

-Publicidade-

Leia mais:Dez fatos sobre a vacina candidata de Oxford

Dessa forma, a Fiocruz se torna responsável por anunciar que trabalha para o desenvolvimento de uma vacina na luta diante da pandemia da covid-19. Isso porque há outros dois estudos genuinamente brasileiros em ação. Nesse sentido, o país já conta com a pesquisa da USP em parceria com o InCor. Há, ainda, o projeto que visa criar um antídoto em formato de spray.

Assim como a pesquisa relacionada à mais nova vacina brasileira contra a covid-19, os outros dois projetos já haviam anunciado testes em animais. Conforme noticiou Oeste, os dois casos anteriores aplicarão testes em camundongos. Diferentemente dos outros estudos, o liderado pela Fiocruz não avisou em quais animais a testagem será realizada.

Vacina sintética

Por outro lado, a equipe da Fiocruz destaca que a mais nova vacina brasileira contra o novo coronavírus poderá ser desenvolvida rapidamente. Isso porque ela vem sendo trabalhada de forma sintética. O princípio, contudo, segue o mesmo: aplicar pequenas proteínas do vírus para que o corpo crie resistência.

“Rapidez no desenvolvimento em comparação às metodologias tradicionais”

“As vantagens da abordagem vacinal sintética são a rapidez no desenvolvimento em comparação às metodologias tradicionais e o não requerimento de instalações de biossegurança nível 3 para as primeiras etapas de desenvolvimento (sendo necessárias somente a partir dos estudos pré-clínicos)”, afirma a Fiocruz em nota. “Bem como o custo reduzido de produção e a estabilidade da vacina para armazenagem”, complementa a fundação.

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro