A cegueira ideológica da imprensa

Decisão que determinou a retirada da tarja de Fake News de duas reportagens de Oeste é motivo de orgulho para qualquer veículo de comunicação que preza a liberdade de imprensa
-Publicidade-
Foto: Freepik
Foto: Freepik

Em 23 de abril, uma sexta-feira, o juiz Marcelo Augusto Oliveira, da 41ª Vara Cível de São Paulo, determinou a exclusão dos textos da agência de checagem Aos Fatos que tachavam de fake news duas reportagens da Revista Oeste que não continham um único erro do começo ao fim. Na ação, a primeira do gênero no Brasil, ficou provado que grande parte das agências do tipo atua como controladora do conteúdo publicado nas redes sociais e na imprensa, decidindo o que pode ser lido e classificando como “mentira” tudo o que contradiz o que considera uma verdade absoluta.

O desfecho do episódio deve ser motivo de orgulho para qualquer veículo de comunicação que preze a liberdade de imprensa. Previsivelmente, registraram-se reações favoráveis ao autoritarismo absurdo. Alguns sites e jornais relataram o caso da mesma maneira como costumam construir suas reportagens: ouvindo apenas um lado, “investigando” o fato a partir de ideias preconcebidas e consultando apenas os que consideram falsas quaisquer verdades que lhes cause desconforto. Tudo isso sem abdicar da pose de isentos.

-Publicidade-

Vamos aos fatos:

1) Segundo a Folha de S. Paulo, a agência “desmentiu que imagens da Nasa mostrariam menos focos de incêndio do que os dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), já que a imagem da Nasa se referia a um dia de julho de 2020 e os dados do Inpe contemplavam todo o mês de junho”.

Numa detalhada resposta endereçada à Aos Fatos na época em que o texto foi tachado de falso, Oeste explicou que em nenhum momento usara o satélite da Nasa para contestar os dados do Inpe. “A imagem do satélite foi usada para mostrar que a Floresta Amazônica, diferentemente do que tem sido divulgado pela chamada grande imprensa, não estava em chamas — por isso as manchetes destacadas no início no texto.”

De qualquer forma, mesmo observando os dados do Inpe (o que, vale repetir, não era o objetivo da reportagem), pôde-se constatar que, no bioma amazônico, havia 2.248 focos de queimadas registrados pelos satélites em junho de 2020. Um número abaixo da média para o mês, que é de 2.724 — e bem abaixo do máximo, registrado em 2004 (9.179 focos). O caso também foi esmiuçado na reportagem “Facebook comete ‘fake news’ ao tachar de ‘fake news’ uma matéria verídica”, publicada na edição 42 da Revista Oeste.

2) O texto da Folha afirma ainda que, ao contrário do que mostrava a reportagem “Cidade mineira não tem um único doente internado por covid-19”, a Aos Fatos garantiu que “houve casos na cidade mineira no período, além de os remédios do ‘tratamento precoce’ serem comprovadamente sem eficácia para Covid-19”.

De acordo com o boletim emitido pela prefeitura de São Lourenço no dia ao qual a reportagem de Oeste se referiu, não havia um só paciente internado na UTI por conta da covid-19. A matéria trazia ainda uma declaração do prefeito, Walter Lessa (PTB), relatando a adoção do tratamento precoce em casos de suspeita da doença. A contestação da agência, entretanto, concentrou-se na validade do tratamento precoce. De novo: não foi esse o objetivo da reportagem de Oeste.

A Folha limitou-se a ouvir Tai Nalon, diretora-executiva da Aos Fatos, Marcelo Träsel, presidente da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), Maria José Braga, presidente da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e o diretor do Observatório da Liberdade de Imprensa da OAB, Pierpaolo Cruz Bottini, que foi advogado de réus da Operação Lava Jato. Todos os que opinaram sobre o caso pensam de forma semelhante. Pelas declarações, nenhum parece ter lido as reportagens de Oeste classificadas como Fake News, muito menos as 56 páginas da argumentação impecável exposta por Alexandre Fidalgo, advogado da revista.

O Portal dos Jornalistas e o site da Associação Brasileira de Imprensa apenas reproduziram trechos da reportagem da Folha. Já o Congresso em Foco conseguiu, com a manchete “Site de notícias falsas censura agência que comprovou suas fake news“, usar 11 palavras para contar uma mentira grosseira.

O título escolhido pelo Congresso em Foco é tão tendencioso quanto alguns dos seus mais recentes destaques: Vacinado, Lula chega a Brasília para reuniões políticas; Lira diz ao STF que impeachment depende de ‘oportunidade política‘; Bolsonaristas fazem atos em apoio ao governo federal e ignoram pandemia; Lula encontra Fabiano Contarato e convida senador para se filiar ao PT.

“Como bem salientou o ilustre magistrado Marcelo Augusto Oliveira, uma coisa é reportar fatos distintos, inalienável direito de todo jornalista nas democracias, e outra é a mera adjetivação acrimoniosa, que muitas vezes serve apenas para tentar esconder a cegueira ideológica”, observou o jurista Modesto Carvalhosa, ao comentar a decisão em favor de Oeste. “Que a Revista Oeste prossiga livremente fazendo o bom jornalismo que a distingue”.

Nenhum dos veículos de comunicação que comentou o episódio envolvendo a Aos Fatos conseguiu explicar por que classificou como censura o fato de uma agência de checagem ter sido acusada de fake news, mas não considerou censura uma agência ter classificado como fake news reportagens verídicas. De todos os envolvidos no caso, apenas Oeste não foi ouvida. Censura é isso.

A Revista Oeste reafirma o seu compromisso com a defesa do liberalismo, da democracia e de todas as liberdades. Principalmente a liberdade de imprensa.

Leia também: As reportagens de ‘Oeste’ censuradas pelas agências de checagem de fatos e Checadores de ideias

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

23 comments

    1. São sempre os mesmos que tem interesse em classificar certos assuntos como fake news. Mas o povo está acordando. Essas narrativas não colam mais.
      A Revista Oeste é um dos poucos veículos de comunicação com credibilidade no Brasil. Parabéns a todos vocês.

  1. Parabéns ao ÚNICO veículo de Informação e Opinião livre, decente e honesto existente hoje no Brasil desde fins de 2019: a Revista Oeste. O resto é simplesmente isso mesmo, RESTO.
    E o destino de restos sempre foi o lixo.

  2. Qual a respeitabilidade dessa agência Aos Fatos? Qual o òrgão governamental que tornou essa agência autoridade para checar o trabalho jornnalístico da Revista Oeste e de outros sites dde notícias, revistas, jornais……?

  3. Parabéns pelo jornalismo que merece o nome. Eu que CANCALEI minha assinatura há muito, da Cru$oé/Antagoni$ta, e assinei Oeste, sugiro que republiquem a matéria.

    1. Fiz a mesma coisa que você, Lourival. Como diria o mestre Guilherme Fiúza, quando vi o que tinha por trás das máscaras, a cena não foi bonita. Cancelei tudo, nem fiz questão de reembolso. Revista Oeste e Gazeta do Povo são dos poucos sobreviventes morais que restaram da imprensa brasileira.

  4. Escancarando a canalhice jornalística a soldo de interesses obscuros, negacionista de fatos, passadeira de pano para os meliantes que lhe garante o fausto, Uol, Folha e comandita associada, continua quietinha.

  5. Vamos Aos Fatos. (sem trocadilhos)

    Essas ditas “agencias de checagem” não passam de uma inutilidade distópica e maniqueísta, em busca do titulo de “juiz da verdade e fé”, os “novos Notários”, como se disso houvesse alguma necessidade, os “mamadores de tetas secas”, portavozes dessa imprensa capenga e moribunda que já está morta.

    Estão mortos. Apenas não aceitaram isso. São almas penadas, como o personagem do filme Ghost, tentam chamar atenção de todos ao seu redor, do seu modo, porém são invisiveis aos olhos da multidão. O máximo que conseguem é assustar bichanos ou vez e outra derrubar uma lata no chão ou uma vassoura mal encostada na parede…

  6. Parabéns por enfrentarem essa hidra censuradora. Somente a esquerda poderia conceber e implantar um descalabro vergonhoso como esse.

  7. A Crusoé não gosta de reportagens e sim de buscar alguns fatos que permitam aflorar o lado gaiato( eles dizem que são irreverentes) de seus idealizadores. É piadinha e trocadilho o tempo todo…

  8. Muito tristes esses tempos onde um casal que se auto denomina “gigantes”, sem formação acadêmica comprovada em absolutamente nada passa a pressionar grandes empresas a reverem suas políticas de publicidade e querem determinar o que é aceitável ao povo brasileiro.
    Até quando vamos aceitar moleques como esses querendo determinar nosso futuro e nossas vidas?

    1. O verdadeiro inimigo é quem está por trás do tal casal, grandes empresas de marketing e mídia internacionais e alguns pseudo-filantropos bilionários metidos a imperadores do mundo.

  9. Parabéns Oeste, pela seriedade e isenção no trabalho de voces. Continuem coerentes com os seus principios e seus valores, sem jamais se dobrarem a caprichos de Maamon (mercado/dinheiro).

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site