Censura contra a cloroquina: vídeo já tinha 17 milhões de ‘views’ ao ser tirado do ar

Imagens feitas pelo site de direita Breitbart eram as mais vistas no mundo na última segunda-feira quando Facebook proibiu divulgação.
-Publicidade-
Vídeo censurado em defesa da hidroxicloroquina era o mais visto do Facebook na tarde da última segunda-feira, 27| Foto: Reprodução/Breitbart
Vídeo censurado em defesa da hidroxicloroquina era o mais visto do Facebook na tarde da última segunda-feira, 27| Foto: Reprodução/Breitbart | censura, hidroxicloroquina, breitbart, facebook, youtube, twitter, redes sociais, covid-19, coronavírus

Imagens feitas pelo site de direita Breitbart eram as mais vistas no mundo na última segunda-feira quando o Facebook proibiu sua divulgação

censura, hidroxicloroquina, breitbart, facebook, youtube, twitter, redes sociais, covid-19, coronavírus
Vídeo censurado em que se defende a hidroxicloroquina era o mais visto do Facebook na tarde da última segunda-feira, 27 | Foto: Reprodução/Breitbart

O vídeo em que um grupo de médicos norte-americanos defende o uso da hidroxicloroquina para o tratamento da covid-19 do site Breitbart era o mais visto no mundo na tarde da última segunda-feira, 27, com mais de 17 milhões de visualizações, quando foi retirado do ar pelo Facebook.

-Publicidade-

A publicação ganhou mais força que a de nomes preeminentes da mídia americana, como Hillary Clinton ou o reverendo Franklin Graham, por exemplo.

Tanto o Facebook quanto o Twitter e o YouTube, que pertence ao Google, alegaram que o vídeo contrariava suas políticas de conteúdo por conter “informações falsas”.

“Removemos este vídeo por compartilhar informações falsas sobre curas e tratamentos para a covid-19”, disse Andy Stone, porta-voz do Facebook, ao site de notícias Breitbart News. No entanto, a empresa não especificou que partes do vídeo considerou “informações falsas”, quem consultou para tomar essa decisão e com que base foi feita.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

15 comentários Ver comentários

  1. vcs querem discutir com milhares de resultados positivo, eu tive na minha familia 4 casos, todos curados com esse e outros dois remédios, o que se deve discutir, sao as atitudes de pessoas dizendo a todo momento nao. os remedios em questao vem salvando mais que matando. foi um golpe politico para desmoralizar o bolsonaro e tambem uma oportunidade para roubar os cofres publicos, haja visto varios hospitais de campanha sendo desmontado sem nunca ter sido inaugurado. o doria pegou, mentira o covas pegou com a sua imunidade baixa ou milagre ou mentira. o gov. do rio tambem. infelizmente essa doença nao mata politico.

  2. Esse debate precisa urgentemente de ser tratado com argumentação científica. Sugiro à OESTE que peça a palavra no Conselho Federal e da Associação Médica pertinente. É preciso colocar essa pauta na agenda de urgência da comunidade científica brasileira: CNPq, Universidades Federais, Conselhos , Associações Médicas de Epidemiologia e Agências de Saúde afins. Assim como há realmente esse vídeo defendendo , há outros tantos condenando. Não é possível para o leitor – leigo em medicina- tomar decisão A ou B sem que hajam informações desprovidas de interesse ideológicos e/ou comerciais. Ainda há tempo para enfrentar a questão e parar de confrontá-la.

    1. Pedro, você é assassino ao impedir que pessoas possam se curar, eu peguei e os médicos da rede pública me recusaram a hidroxicloroquina, piorava a cada dia e os médicos só pediam mais exames, mesmo sabendo que os sintomas fossem claros e límpidos. Procurei um medico que aceitou receitar o protocolo da cloroquina quando não conseguia respirar direito, um dia depois de medicado comecei a melhorar e em três dias já respirava normalmente. Se eu seguisse os médicos (assassinos do mecanismo) estaria morto hoje, sem nenhuma dúvida. Pedro, tomara que seus familiares peguem esta peste chinesa e se recusem tomar o hidroxicloroquina, vai para o inferno que é o seu lugar!!!

      1. Quanta ignorância.Não fui contra o medicamento, fui à favor do debate. Que pena que você não sou interpretar o texto. Boa sorte também para você e seus familiares. Já vi que o debate aqui nesta revista será infrutífero. Sugeri moderação e ponderação apenas. O melhor mesmo é ficar calado. A OESTE deve moderar linguagens ofensivas e sinistras, caso contrário irá virar uma Crusoé: fonte de intrigas, ignorantes e pessoas incapazes de dialogar. Que pena João Pedro, que pena. retiro-me daqui para nunca mais ter que ouvir sandices desmedidas e falar ditadas pelo fígado e não pelo cérebro. Boa sorte!

      2. Não sabia que o face book era formado.pir médicos ao definir que a informação da cloroquona era falsa. Narrativa genocida da esquerda.

    2. OLHA AQUI COMUNISTA…. SE VC NÃO QUER USAR, ENTÃO CASO SE CONTAMINE, NÃO USE CLOROQUINA…. MAS NÃO TENTE IMPEDIR DE TOMAR, OS OUTROS QUE QUEREM USAR…. NÃO TENTE COLOCAR ENTIDADES COMUNISTAS PODRES (CNPq, Universidades Federais, Conselhos , Associações Médicas de Epidemiologia e Agências de Saúde) QUE QUEREM IMPEDIR APENAS PARA OBTEREM LUCRO OU PARA USO POLITICO.
      RESPEITO SEU DIREITO DE RECUSAR A TOMAR O REMÉDIO, RESPEITE O MEU DE QUERER USAR (ALIÁS JÁ TOMEI E ME CUREI COM HIDROXICLOROQUINA)

    1. Por onde ficou perdido o tao propalado princípio democrático do debate leal e respeitoso das ideias e argumentações coerentes entre grupos e pessoas de pensamentos contrários e divergentes?

  3. As pessoas tem que abandonar essas redes tradicionais existem outras midias e redes socias sem essa censura da esquerda Essa Rede Social se Chama Parler

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.