Covid-19: secretário defende congelar salário de servidores por dois anos

Para Adolfo Sacshida, não compete apenas à iniciativa privada pagar a conta da pandemia de coronavírus
-Publicidade-
O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida | Foto: ANDERSON RIEDEL/PR
O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida | Foto: ANDERSON RIEDEL/PR

Para Adolfo Sacshida, não compete apenas à iniciativa privada pagar a conta da pandemia de coronavírus

O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida
Foto: ANDERSON RIEDEL/PR
-Publicidade-

“Não é cortar salários dos servidores, mas não é complicado passar dois anos sem reajuste. O exemplo tem de vir de cima, temos de ter ajustes além dos econômicos”, constatou ontem o secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sacshida, numa transmissão ao vivo da XP Investimentos.

Segundo ele, não é complicado para um funcionário que começa na carreira ganhando R$ 30 mil por mês ficar um tempo sem reajuste salarial — sobretudo neste momento de pandemia de coronavírus, que afetou gravemente a economia mundial. Portanto, a conta não será paga apenas pela iniciativa privada.

“O desemprego está subindo a passos largos. Será que está correto algumas pessoas manterem o emprego e não perderem salário?”, interpelou o secretário, ao se referir, é claro, aos servidores públicos com estabilidade e, também, altos salários e benefícios dignos de marajá.

A indagação de Sacshida coincide com o atual cenário: redução de jornada e rendimentos dos trabalhadores do setor privado. Tais medidas, como a MP 936, estão sendo adotadas para que as empresas possam atravessar este momento de crise, acentuado pelos casos de covid-19 no Brasil.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 comentários

  1. Só não entendo porque continuam tratando o sistema público de maneira privilegiada. Se o problema financeiro ocorre agora, de que adianta congelar no topo (salários já acima do padrão, pra um serviço péssimo) e por dois anos? Não faz sentido. Seria mais sensato enfrentar esse corporativismo de uma vez e se fazer uma reforma geral e mais conectada com a realidade. Não dá mais pra sustentar essa “nobreza” nos dias de hoje.

    1. Muitos já tentaram, mas é o maior lobby do Brasil. Por quê vc acha que o funcionalismo público é majoritariamente petista? Foi o governo que mais fez concursos e jogou os salários na estratosfera. Hoje tem menino de 20 anos ganhando R$30.000,00 no serviço público. Blz, mas isto reflete o resto do país?

  2. Onde foi que nós nos metemos… sempre me pergunto. Essa história de funcionalismo público ser o El Dorado criou entre os funcionários públicos e também entre a população em geral uma ideia de que esse setor é intocável. No Brasil ou você é FP ou você sonha em ser, por isso nem apoio popular existe para acabar com esses privilégios. A sociedade brasileira precisa acordar e pensar mais no coletivo, isso não é ser comuna, é ser racional. Precisamos ensinar os jovens o valor do empreendedorismo, e a dignidade e honra de conquistar a própria renda, sem pai (Estado) ou patrão.

  3. É inacreditável que em meio a quebradeira de empresas, desemprego e um gigantesco aumento da pobreza, os funcionários públicos apenas tenham os salários congelados. Uma nação quebrada, na miséria, vai continuar pagando esses privilegiados.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.