Fabricante da Covaxin, Bharat Biotech rescinde contrato com Precisa

Memorando de entendimento entre as duas partes, firmado em novembro de 2020, não tem mais validade
-Publicidade-
Laboratório indiano Bharat Biotech anunciou a rescisão do contrato com a Precisa Medicamentos
Laboratório indiano Bharat Biotech anunciou a rescisão do contrato com a Precisa Medicamentos | Foto: Saulo Angelo/Futura Press/Estadão Conteúdo

Em comunicado divulgado nesta sexta-feira, 23, o laboratório indiano Bharat Biotech anunciou a rescisão do contrato com a Precisa Medicamentos para a venda da vacina Covaxin, contra a covid-19, no Brasil.

Com isso, o memorando de entendimento entre as duas partes, firmado em novembro de 2020, não tem mais validade, e a Precisa não é mais representante da empresa indiana para negociações sobre imunizantes.

Leia mais: “Irmão de Luis Miranda diz à PF que trocou de celular e não tem conversas sobre pressão por Covaxin”

-Publicidade-

O laboratório afirmou que não reconhece a autenticidade de dois documentos enviados pela Precisa ao Ministério da Saúde com suposta assinatura de representantes da Bharat Biotech. A Precisa, por sua vez, garante que “jamais praticou qualquer ilegalidade e reitera seu compromisso com a integridade nos processos de venda, aprovação e importação da vacina Covaxin”.

Leia também: “PF pede que STF defina se Luis Miranda será investigado”

Entre as inconsistências dos documentos, estão o nome errado do fabricante da vacina, um erro no endereço do laboratório na Índia e erros do texto em inglês.

Leia mais: “PF abre inquérito para investigar se Bolsonaro prevaricou no caso Covaxin”

“Recentemente, fomos informados de que certas cartas, atribuídas a executivos da companhia, estão circulando na internet. Gostaríamos de negar enfaticamente que esses documentos tenham sido emitidos pela companhia ou por seus executivos e, portanto, negamos este fato”, informa a Bharat.

O contrato de R$ 1,6 bilhão entre o Ministério da Saúde e a Precisa, firmado em 25 de fevereiro deste ano, foi suspenso depois de suspeitas de irregularidades nas negociações para a compra da Covaxin. O caso é investigado pela CPI da Covid no Senado e pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

Leia também: “Dono da Precisa contradiz acusações dos irmãos Miranda”

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário

  1. Será um novo contrato com novos preços, isso se ainda quiserem o produto. Perde-se uma chance de fechar um negócio que interessa a muitos por conta de politicagem vagabunda deste país.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro