Josias Teófilo: ‘Chegou a hora deste governo dar o devido valor à cultura’

Diretor de Nem Tudo Se Desfaz, que teve pré-estreia em São Paulo, faz críticas à política cultural do governo e defende leis de incentivo
-Publicidade-
O cineasta Josias Teófilo, diretor de <i>Nem Tudo Se Desfaz</i>, recebeu convidados em sessão de pré-estreia do filme, ontem à noite, em São Paulo
O cineasta Josias Teófilo, diretor de Nem Tudo Se Desfaz, recebeu convidados em sessão de pré-estreia do filme, ontem à noite, em São Paulo | Foto: Fábio Matos/Revista Oeste

O cineasta pernambucano Josias Teófilo, de 34 anos, lançou na noite de segunda-feira 20 seu novo documentário, Nem Tudo Se Desfaz, em uma sessão de pré-estreia no Cine Petra Belas Artes, em São Paulo.

O filme faz uma conexão entre alguns dos episódios mais importantes do país nos últimos anos, traçando um paralelo entre as Jornadas de Junho de 2013, o impeachment de Dilma Rousseff, a prisão de Luiz Inácio Lula da Silva e a vitória de Jair Bolsonaro nas urnas, em 2018.

Leia mais: “Carla Zambelli: Bolsonaro ‘nunca quis nenhuma ruptura’”

-Publicidade-

O evento, que teve duas sessões de exibição praticamente lotadas, foi prestigiado por nomes como as deputadas federais Carla Zambelli (PSL-SP) e Bia Kicis (PSL-DF); a atriz e ex-secretária especial da Cultura Regina Duarte; o deputado Hélio Lopes (PSL-RJ), conhecido como Hélio Negão; o delegado Alexandre Ramagem, diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin); o ex-secretário de Comunicação da Presidência Fabio Wajngarten; o ex-secretário municipal de Assistência e Desenvolvimento Social de São Paulo Filipe Sabará, entre outras lideranças do campo conservador e personalidades ligadas à direita no espectro político.

Entrevista: “Josias Teófilo: ‘Não precisa ser de direita para tentar entender por que Bolsonaro foi eleito’”

Antes do início da sessão de pré-estreia, Josias Teófilo fez críticas à política cultural do atual governo e defendeu as leis de incentivo à cultura. O documentário foi realizado por meio de financiamento misto, com isenção fiscal (via Lei do Audiovisual) e crowdfunding.

“Nós estamos no dia 20 de setembro e ainda não saiu a programação do bicentenário da Independência. A Cinemateca ficou um ano sem uma empresa para administrá-la. Só abriram o edital quando a Cinemateca pegou fogo. Chegou a hora deste governo dar o devido valor à cultura”, afirmou o cineasta, arrancando aplausos da plateia.

Assista: Veja o trailer de Nem Tudo Se Desfaz, novo documentário de Josias Teófilo

Segundo Teófilo, “a Lei Rouanet e a Lei do Audiovisual são excelentes” e devem ser preservadas. “O presidente felizmente desistiu de acabar com a Lei Rouanet. Em todo país do mundo, cinema se faz com incentivo fiscal. Este governo precisa parar de dizer que incentivo é mamata, é coisa de vagabundo. Aqui não tem nenhum vagabundo”, desabafou.

Ela [Lei Rouanet] não foi criada pela esquerda. Foi criada pelo Sérgio Paulo Rouanet [secretário da Cultura no governo Collor], que era odiado pela esquerda. Não existe cinema no Brasil sem as leis de incentivo. Isso é importantíssimo para a produção e a cultura”, afirmou o cineasta. 

“Você prefere dar incentivo fiscal para financiar a Osesp [Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo] e as obras do Theatro Municipal de São Paulo ou dar o dinheiro para a lagosta do STF [Supremo Tribunal Federal]? Isenção fiscal existe no mundo inteiro.”

Em entrevista a Oeste publicada em abril, Teófilo já havia criticado a gestão da cultura pelo governo do presidente Jair Bolsonaro e destacado a importância das leis de incentivo para o setor no Brasil. Na ocasião, ele disse: “As leis, em si, são boas. O problema é que elas foram muito mal utilizadas durante os governos anteriores. Foram muitos desmandos que aconteceram”. Na entrevista, o cineasta afirmou ainda que “não há uma política cultural no governo”.

Leia também: “O recado das ruas exige liberdade”, reportagem de Silvio Navarro e Cristyan Costa publicada na Edição 77 da Revista Oeste

Entender o que aconteceu

Pouco antes da exibição do filme na noite de ontem, Josias Teófilo afirmou que a intenção de Nem Tudo Se Desfaz é relatar o processo político deflagrado no Brasil sob a ótica do movimento de massas — e a partir das manifestações que tomaram as ruas do país em 2013.

Leia também: “‘Bolsonaro foi o mais beneficiado das manifestações de 2013’, afirma Josias Teófilo”

“Existe um vício da retórica, tanto no cinema quanto na internet. As pessoas estão obcecadas por tentar convencer umas às outras”, lamenta Teófilo. “Este filme é uma tentativa de dizer: ‘Calma, vamos ver o que aconteceu’. Nós queremos entender o que aconteceu, não precisa tomar partido.”

Ainda nesta semana, Nem Tudo Se Desfaz será exibido no Estação Net Botafogo, no Rio de Janeiro, nos dias 22 e 23. Também há datas confirmadas em Porto Alegre (27/9), Belém (28/9), Recife (30/9), Blumenau (4/10) e Belo Horizonte (6/10).

Leia também: “‘Na cultura, conservadorismo não tem espaço’”, entrevista de Josias Teófilo publicada na Edição 55 da Revista Oeste

Documentário de Josias Teófilo teve pré-estreia em São Paulo | Foto: Divulgação

Assista ao trailer de Nem Tudo Se Desfaz

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.